quarta, 21 de fevereiro de 2024
CAMINHO DAS ÁGUAS-I

A MEMÓRIA PANTANEIRO NO CURSO DO RIO PARAGUAI, A JÓIA DO PRATA

17 MAR 2021 - 07h10Por SÍLVIO DE ANDRADE

Viajar de barco pelo Rio Paraguai é um grande prazer para quem ama a natureza e tem um pouco do espírito desbravador daqueles homens que rasgaram os sertões do Oeste brasileiro em busca do ouro e da cobiça e plantaram cidades em um período de grandes conflitos e desconhecimento da região, a partir do século 17.

Águas calmas, que correm por um rio sinuoso; o verde das matas lambendo o seu leito; pássaros em revoada... Morros que guardam mistérios rupestres e a temida onça-pintada. Subindo ou descendo o velho Paraguai, entre Cáceres (MT) e Porto Murtinho (MS), a sensação que se tem é de explorar um outro mundo, o planeta das águas, habitado há oito mil anos.

Caminhos que poderiam ser explorados pelo turismo, que não dimensiona seu valor histórico-ambiental-cultural, promovendo grandes expedições e roteiros bem definidos, aproveitando, inclusive, pousadas bem estruturadas, as quais hoje tem dificuldades de se viabilizar por falta de turistas.

Fazenda Jabobina, em Cáceres: apogeu da indústria saladeira. Foto Divulgação

De um extremo a outro, Corumbá e Cáceres se confundem como cidades-irmãs, embora distantes cerca de 670 km pelo rio. Fundadas no mesmo ano, 1778, e a mando do general Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, tiveram um período de apogeu com o ciclo do charque e comércio fluvial. Hoje tem no agronegócio seu veio econômico.

Jóia do Prata

Divisor da fronteira do Brasil com o Paraguai e a Bolívia em alguns trechos, o Paraguai nasce na Chapada dos Parecis, no estado de Mato Grosso, aonde vem sofrendo degradação com o avanço da soja.  Em seu percurso inicial (cerca de 50 km) tem o nome de Rio Paraguaisinho, mas logo passa a ser conhecido como Rio Paraguai, percorrendo um trajeto de cerca de 2.620 km até sua foz, no rio Paraná.

A partir de Cáceres, Alto Pantanal, o rio se caracteriza pelo seu canal estreito e sinuoso e se torna volumoso ao entrar na planície do bioma, lambendo os contornos da majestosa Serra do Amolar, já em Corumbá. A partir desta cidade, exerce importante função de escoamento do minério extraído do Morro de Urucum e também no transporte de gado e gente vindos de regiões alagadas.

Sinuosidade do rio no alto Pantanal: no passado, projeto megalomaníaco previa corte em seus estreitos para favorecer a navegação

Desde os tempos dos descobrimentos e disputas territoriais por esta vasta e rica região isolada de um Brasil que não existe mais, o Rio Paraguai cumpre sua função natural – é o formador do Pantanal - e estratégica do ponto de vista militar, chamado de Jóia do Prata pelos exploradores, protegido por tribos guerreiras dizimadas e cobiçado por nações vizinhas.

Caminho natural

Em viagem de pesquisa por mais de 1.200 km nestas águas, em novembro de 1999 – de Cáceres a Murtinho -, o antropólogo com formação também em ciências sociais Álvaro Banducci Junior, da Universidade Federal de MS (UFMS), resgatou a memória cultural e patrimonial do lugar e em um trabalho de doutorado com relevante contribuição ao turismo.

“Mediante o contato com os vestígios arqueológicos e históricos, com a natureza exuberante e pouco descaracterizada e com as diversas comunidades locais pode-se vislumbrar um pouco da história e das raízes do povo pantaneiro, bem como da multiplicidade étnica e cultural que delas resultou”, narra.

Ameaça: cabeceiras do Paraguai sufocadas pela soja

Conforme Banducci, “a lenta ocupação do extremo Oeste brasileiro encontra-se registrada, através de uma série de vestígios arqueológicos e históricos, às margens daquele que foi o caminho natural de penetração humana na região: o Rio Paraguai”.

Sinais humanos

Ao navegar por ele, encontram-se, em toda sua extensão, fortificações militares, ruínas de saladeiros ou charqueadas, a forte atividade econômica até meados do século XX, e as casas-grandes, sedes de fazendas pioneiras na ocupação pastoril da planície pantaneira após a Guerra do Paraguai (1864/1870). E também sítios arqueológicos e outros sinais da presença humana que remonta aos ameríndios.

Ao levantar esse patrimônio histórico e cultural e a análise de seu potencial mobilizador da memória e da identidade das populações locais, tendo por base a atividade turística, o pesquisador da UFMS se propôs a contribuir para a implantação de modalidades alternativas em potencial ao setor, que hoje explora apenas a pesca.

Período de seca na planície: nos troncos secos em suas margens a marca das grandes enchentes no Pantanal

E, e ao mesmo tempo, refirmar a construção da memória e afirmação da identidade regional no contexto pantaneiro. Esse processo colonizador, segundo o pesquisador, nos legou não apenas monumentos arquitetônicos e registros históricos.

“Mas também distintas categorias e grupos sociais – indígenas, pequenos agricultores, pescadores e peões de fazenda – cuja história, costumes e saberes configuram a diversidade e a complexidade das culturas e modos de vida no Pantanal”, observa.

(próxima reportagem: de Cáceres a Corumbá, o corredor ecológico)

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fogo tem devastado as unidades de conservação do Pantanal, porém as Ongs culpam os vizinhos pantaneiros. E ai MP?

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"