sexta, 24 de maio de 2024
PESCA PREDATÓRIA

Pma apreende 108 kg de pescado e redes no Pantanal

09 ABR 2024 - 16h41Por SILVIO DE ANDRADE

A Polícia Militar Ambiental (Pma) encerrou operação no Rio Paraguai e afluentes, na região do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense, distante 230 km da cidade de Corumbá, com um saldo extremamente preocupante: durante fiscalização noturna, foi localizado um acampamento com um armazenamento de 108 quilos de peixes de várias espécies.

O acampamento foi montado às margens de um curso d’água que dá acesso ao rio, próximo a um barraco também não ocupado no momento da abordagem. No local, não foi encontrado nenhum morador ou qualquer documento que comprove autoria, mas sim diversos petrechos de pesca proibidos, além do pescado e oito redes com extensão total de 600 metros.

Fiscalização: desafios
 
Os policiais ambientais efetuaram a apreensão das redes e, na sequência, descobriram o pescado irregular acondicionado em um freezer. Após levantamento, constatou-se que a maioria dos peixes eram das espécies pintado, cachara e pacu. A legislação pesqueira do Estado permite a captura e transporte de apenas um exemplar da espécie nobre. O material apreendido foi encaminhado à delegacia da Polícia Federal em Corumbá.
 
“Essa ocorrência ressalta as dificuldades enfrentadas pela fiscalização ambiental em Mato Grosso do Sul, como lugares de difícil acesso, atuação em áreas de divisa com outros estados e fronteiriças. Mesmo diante desses desafios, a Polícia Militar Ambiental reforça seu compromisso com a preservação ambiental e a aplicação da lei”, alertou a Pma, em nota.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender