quinta, 15 de abril de 2021
PONTE VELHA

Passo do Lontra quer impedir fluxo de grandes barcos no Miranda

11 AGO 2017 - 10h25Por Sílvio Andrade

A ponte de concreto sobre o Rio Miranda, na Estrada-Parque do Pantanal, em Corumbá, era um sonho de décadas, mas está se tornando um pesadelo para quem explora o turismo na comunidade do Passo do Lontra e tem compromisso com aquele ecossistema frágil.

A construção de uma estrutura de 240 metros de cumprimento, que se sobressai em meio àquele ambiente selvagem, atiçou a cobiça de alguns empresários do município que trabalham com pesca esportiva e contam com barcos-hoteis para grandes grupos.

Ameaça 1: “Invasão” de embarcações

A nova ponte foi inaugurada em 2012 e, de lá para cá, se trava uma disputa para manter e derrubar a ponte velha (de madeira), construída na década de 1970, a qual, a três metros do nível do rio, impede a entrada de grandes embarcações.

A região da Estrada-Parque, unidade de conservação criada em 1993 a ainda não implantada de fato, é uma área sensível do ponto de vista ambiental, pela sua rica biodiversidade. Tornou-se um dos principais destinos de ecoturismo de Mato Grosso do Sul e seus rios são poucos explorados justamente pelas restrições de acessos.

Empresários propõe manutenção da ponte de madeira e seu uso apenas por pedestres

Retirar a ponte velha, na opinião dos empresários do Lontra –situada na beira do Miranda, a comunidade fica distante 8 km do trevo do Buraco da Piranha, na BR-262 -, significaria permitir a invasão dos barcos-hoteis de Corumbá e a destruição do estoque pesqueiro, que já sofre agressões atrópicas.

“Exploramos aqui a pesca artesanal e esportiva, não temos volume de pescadores retirando do rio o que a lei permite ou não permite”, afirma o empresário João Venturini Junior, que também é presidente do Comitê Gestor da Estrada-Parque.

Ameaça 2: pesca nos rios cênicos

Ele defende a manutenção da ponte velha e cobra do governo estadual um plano de uso restrito da região, tal qual foi definido em Bonito, para limitar o acesso de pessoas nos ambientes naturais da Estrada-Parque e seu entorno.

Junior: nossos rios não comportam excesso de barco

“Nosso turismo é o ecológico, a pesca é um lazer. É preciso quantificar esse uso, definido por meio de estudo de sua capacidade de carga. A liberação de grandes embarcações no Miranda vai destruir o que já está no limite, vai destruir nossas reservas”, alerta Venturini.

O Rio Miranda, que recebe as águas do Aquidauana e praticamente limita os municípios de Aquidauana, Miranda e Corumbá na região do Lontra, a Oeste. Ele conta com várias vertentes, que são os rios cênicos Negrinho, Vermelho, Carrapatinho, Aquidauaininho e o Touro Morto, onde é proibida a pesca.

Um ordenamento para a unidade

Esses mananciais são reservas naturais e, como tal, devem ser preservadas como “um campo neutro”, diz o empresário. Suas margens concentram, além de uma variedade de árvores nativas em floração, como o carandá, a fauna representada por bugios, tucanos e, se o visitante tiver sorte, a onça-pintada.

A liberação do vão principal da ponte de concreto, que tem 100 metros de cumprimento por sete metros de altura, a partir da destruição da estrutura velha de madeira, vai gerar uma “corrida” desordenada a este paraíso, com danos irreparáveis.

Passeio de bote no Rio Vermelho: contemplação do pôr do sol e uma fauna rica, ideal para observação de pássaros

Existe um movimento em Corumbá, segundo denuncias dos empresários do Lontra, para que o Estado autorize a retirada da ponte de madeira. A região também se mobiliza e vai cobrar não apenas a manutenção da estrutura, um ordenamento do uso da unidade de conservação e seu entorno, limitando, inclusive, tamanho de embarcações e motores.

“Não queremos turismo de massa”

“Liberar o vão da ponte nova será a destruição dos nossos recursos naturais, os quais vem sendo explorados há pelo menos 50 anos de forma respeitosa”, lamenta o empresário João Venturini, que chegou àquela região ainda jovem, nos anos de 1970.

A ponte de concreto, segundo ele, concretizou um sonho de pelo menos três décadas. A ponte de madeira sofreu interdições para reparos, devido ao excesso de cargas, e isolava a região, causando prejuízos ao turismo e à pecuária.

Mas, hoje, é também motivo de angustia de quem mora no lugar é não quer a destruição dos recursos naturais até agora explorados de forma equilibrada pelo turismo.

“O que nós precisamos é de estrutura, uma maior divulgação dos nossos destinos. Não queremos o turismo de massa, e isso o governo deve impedir mantendo a ponte de madeira”, cobra Venturini.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Bonito Seguro - Pronto para te receber!

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa