segunda, 20 de setembro de 2021

“Se não controlarmos o aumento da temperatura, a floresta amazônica pode desaparecer”

22 AGO 2021 - 19h15Por MARCOS CÓLON/AMAZÓNIA LATITUDE

Em conversa com o climatologista Carlos Nobre – um dos maiores especialistas no país na área de mudanças ambientais globais – o ambientalista e documentarista Marcos Cólon, da Amazônia Latitude, levantou questões simples cujas respostas podem ajudar para uma maior compreensão do novo relatório do IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (lançado em 9 de agosto) pelo público. E também para nos alertar sobre as previsões dos cientistas para a Amazônia. 

Cólon resume: “Tratando da base física do que está ocorrendo com o clima, o relatório é claro sobre a urgência da redução das emissões de gases de efeito estufa. Nos países tropicais como o Brasil, boa parte dessas emissões vem do desmatamento, e é urgente zerá-lo nos próximos anos”.  

E destaca este trecho das declarações de Nobre: “Se não conseguirmos controlar o aumento da temperatura no máximo a 1,5ºC e excedermos esse limite, há um risco para o desaparecimento da Floresta Amazônica”. 

Carlos Nobre é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foi coordenador-geral do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/Inpe).

Reproduzimos a seguir trechos da entrevista publicada originalmente no site da Amazônia Latitude, em 18/8/2021, e no Conexão Planeta.

  1. O que é o IPCC?

Carlos Nobre: É o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1998. Seu objetivo é reunir centenas de cientistas para produzir avaliações da ciência sobre os mais diversos temas relacionados às mudanças climáticas. As avaliações se concentram no que são mudanças climáticas e como elas envolvem o planeta, alertando para seus riscos e o que deve ser feito para mitigá-las.

  1. Como a avaliação da ciência sobre as mudanças climáticas é feita?

Por meio de relatórios elaborados por mais de duzentos cientistas a cada seis ou sete anos. Na semana passada, houve o lançamento do sexto relatório de avaliação. Além desse tipo de relatório, o IPCC produz documentos específicos, como mudanças climáticas e os usos da terra, mudanças climáticas e o oceano e geleiras. O novo relatório trata da base física do que está ocorrendo com o clima e quem é o responsável por essas mudanças. A resposta: são as atividades humanas, como emissões de gás de efeito de estufa. Nesta sexta avaliação, foram revisados 14 mil artigos científicos publicados desde 2013 até hoje. Em 2022, serão lançados mais relatórios avaliando como mitigar os riscos das mudanças climáticas.

  1. Quais são as principais observações deste novo relatório?

O relatório deixou muito claro a urgência da redução das emissões de gases de efeito estufa, que são responsáveis (em grande parte) pelo aquecimento de 1,1ºC no planeta desde o final do século 19. Não fossem poluentes como sulfatos, o aquecimento seria de 1,5 ou 1,6ºC. É inequívoco o risco que o planeta enfrenta se não conseguirmos zerar as emissões até a primeira metade do século 21 e se não pararmos com as emissões na segunda metade.

  1. E que observações ele faz sobre a Amazônia?

O relatório diz que há risco para a permanência da Amazônia. Diferente dos trópicos na Ásia e na África onde as mudanças climáticas indicam aumento das chuvas, na Amazônia, mesmo mantendo o aquecimento do planeta a 1,5ºC, há diminuição da média das chuvas e aumento da intensidade de secas extremas e de ondas de calor. Se continuarmos com o ritmo de desmatamentos e incêndios, há um risco acentuado de uma degradação da floresta. A Floresta Amazônica evoluiu em milhões e milhões de anos em condições de temperaturas máximas em torno de 30ºC. Com o aquecimento do mundo, as temperaturas máximas da Amazônia podem ficar acima de 35ºC. Já vimos esse aumento em regiões desmatadas. Se não conseguirmos controlar o aumento da temperatura no máximo a 1,5ºC e excedermos esse limite, há um risco para o desaparecimento da Floresta Amazônica.

  1. O que precisa ser feito para impedir essas mudanças?

O desafio é não permitir que a temperatura global aumente mais do que 1,5 ºC. Não dá para ser menos porque, com os gases que já lançamos na atmosfera, a temperatura continuará a aumentar até os próximos 20 ou 30 anos. O novo relatório do IPCC mostra que, para diminuir o risco de um descontrole que colocará o futuro da vida do planeta em risco até mesmo para humanos, é preciso reduzir as emissões líquidas a zero até meados deste século. É, talvez, o maior desafio que a humanidade já enfrentou. Para seguirmos uma trajetória de redução das emissões líquidas a zero até meados deste século, temos que, imediatamente, reduzir as emissões de óxido nitroso, metano e outros gases até 2030. Infelizmente vimos que as emissões aumentaram em 2021, estando mais altas do que em 2019. A pandemia da covid-19 fez as emissões reduzirem 5%, mas, no início dos primeiros meses de 2021, já tínhamos voltado aos níveis de emissão anteriores.

Leia Também

Relatos de viagem

Rota das emoções: lugares de ver Deus...

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O turista estrangeiro que vier a Bonito e ao Pantanal e não avistar uma arara, uma sucuri, um peixe e uma onça-pintada a gente devolve seu dinheiro

Gilson Machado, ministro do Turismo, em MS

Vídeos

Campanha MS 'Desbravador de Destinos'

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Os incêndios no Pantanal e seu enfrentamento

RENATA FRANCO

Mudanças climáticas vão impactar a vida do brasileiro, muito mais do que se imagina!

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Errar é humano, persistir...Loucura ou método?