segunda, 04 de julho de 2022
ESTIMAÇÃO

Vai viajar e quer levar o seu bichinho? 5 dicas de cuidados

No pós-covid, 82% dos brasileiros querem viajar com seus animais de estimação

25 MAI 2022 - 11h01Por REDAÇÃO

Muitos profissionais viajam a trabalho e a maioria possui pets de estimação. Nesse momento, o desafio é deixar o cão ou o gato de estimação para trás. A boa notícia é que viajar com os cães está cada vez mais seguro pelas regras de segurança mais estruturadas. Poder vivenciar momentos inesquecíveis junto ao bichinho de estimação durante uma viagem é muito possível, mesmo que seja uma viagem a negócios. Mas é necessário, que antes de realizar qualquer viagem, a pessoa esteja atenta a algumas dicas e cuidados necessários para levá-lo junto. Em uma pesquisa feita pela Hotéis.com, no pós-covid, 82% dos brasileiros querem viajar com seus animais de estimação.
 
Quem tem um animal de estimação sabe como é difícil ter que viajar e não poder levá-lo. Muitas vezes pelo motivo de não ter como deixar o animal sozinho ou por estar acostumado com a companhia do pet, a separação se torna um momento difícil, e a melhor maneira de não deixar o bichinho solitário é viajar com ele. A pandemia ensinou muitas pessoas a aprenderem novos hábitos, onde muitos tutores trabalharam de forma remota e passavam a maior parte do tempo em casa e junto de seus pets. Mas agora, com o cenário pós pandemia, o modelo de trabalho presencial já retornou.
 
“Muitas empresas já estabeleceram o retorno do trabalho presencial, o animal precisa se readaptar a ficar longe do dono, a não ser que o tutor possa levá-lo com ele, sem nenhum problema. Mas quando se trata de viagens com o pet, seja a lazer ou a trabalho, é necessário ter um bom planejamento, analisar o destino e pesquisar se o lugar é pet friendly. Tudo isso para o seu conforto e o do animal”, ressalta Patricia Corazza, CO-CEO da Upvet, rede de farmácia de manipulação veterinária.

Regras claras 

Segundo pesquisa da Decode, empresa especializada em análise de dados, as buscas por hotéis “pet friendly” - que aceitam animais de estimação - cresceram 238% e a busca por informações sobre como levar cachorro em avião 170%. Para a segurança e bem-estar dos bichinhos de estimação é necessário que o tutor verifique todas as regras para os animais como, por exemplo, em uma viagem de avião.
 
As regras ao tutor que viajará com um animal são bem claras ao embarcar em uma companhia aérea, com as seguintes especificações: nem todas as raças são aceitas por causa do peso e condições físicas do animal; é necessário mostrar um atestado de saúde e as carteirinhas de vacinação do animal; se atentar as regras de acordo com o destino, especialmente em voo internacionais que solicitam Certificado Veterinário Internacional.
 
Para viagens de carro, é necessário que o pet possua a cadeirinha ou cinto de segurança próprio, para que ele não fique solto no banco traseiro. O cinto, o tutor pode encontrar na Upvet, rede de farmácia de manipulação, e também os mais variados produtos e medicamentos, voltado ao bem-estar do pet.

Mínimos detalhes 

É essencial programar a viagem com antecedência. É preciso ficar atento aos mínimos detalhes, como em fazer paradas suficientes para que o animal possa andar, beber água, fazer suas necessidades e não se sentir preso, principalmente se ele for de porte médio ou grande, já que ele pode ficar estressado. “Mesmo que o destino escolhido seja “pet friendly”, não deixe de passear com o pet, pois caso ele fique no local de hospedagem o dia todo, isso vai deixá-lo inseguro e com um baixo humor”, comenta Lisandro Corazza, CEO da Upvet.
 
É cada vez mais comum que empresas estejam mais maleáveis na questão de aceitar que o animal vá junto com o tutor para o escritório ou a uma viagem a trabalho, algumas até incluíram o “pet day” dia em que o tutor pode levar seu bichinho ao escritório, e participar da sua rotina, para facilitar essa relação e manter um clima mais alegre.
 
Com base nessa situação, a especialista na área de pets e CO-CEO da Upvet, Patrícia Corazza, lista 5 dicas essenciais para o tutor viajar com tranquilidade com os animais de estimação:

Saúde: Carteira de vacinação, sempre em dia. É preciso saber a localização de clínicas veterinárias 24 horas do destino, caso surja algum imprevisto.
Identificação: É sempre importante ter uma coleira com todas as informações do pet, como: nome e telefone, caso ele se perca.
Remédios: Não é indicado medicar os animais para tranquilizá-los durante voos, por riscos à saúde do pet. Existem remédios que relaxam e diminuem o enjoo, mas eles são recomendados em viagens de carro ou ônibus. Cada tutor deve conversar com o veterinário para saber a indicação.
Transporte: Cada companhia aérea tem suas regras para levar animais, na cabine ou no porão. O mais importante é adaptar o pet à caixa de transporte. Para viagens de carro, recomenda-se cinto de segurança e a cadeirinha. De ônibus, sempre dentro da caixinha.
Pet friendly: Confira os estabelecimentos comerciais do lugar que você vai, e faça o planejamento da viagem incluindo esses locais.
 
Seguindo essas dicas e fazendo todos os procedimentos de maneira correta e planejada, a viagem com o pet estará garantida levando em consideração toda segurança, que o proporcionará muito amor e alegria durante os dias fora de casa.
 
Sobre UpVet
A UpVet é considerada a melhor farmácia de manipulação veterinária do Brasil. A franqueadora, com sede em Maringá-PR, tem 32 unidades de franquias espalhadas pelas regiões do Brasil. Desde 2007 no mercado, a UpVet possui o know how em manipulação veterinária nos setores alopático e homeopático com cinco segmentos bem definidos (cães, gatos, aves, cavalos e zoo). Saiba mais aqui

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A coragem e a competência com que desafia as forças da natureza, respeitando e tirando dela o seu sustento, faz do pantaneiro um herói brasileiro

Bugre do Chané, Serra do Amolar, Corumbá (MS)

Vídeos

Visit Brazil. A WOW Experience!

Mais Vídeos

Eco Debate

ANDRÉ NAVES

Agro é mais que Pop!

ANDRÉ NAVES

Economia Verde

VICTOR SANTANA

Porque precisamos falar sobre ecoansiedade nas crianças