segunda, 04 de julho de 2022
NOVIDADE!

Três estados e o DF se unem para criar maior rota turística do Brasil

Novo roteiro contemplará 307 cidades, quatro biomas, seis parques, patrimônios históricos e culturais

06 NOV 2021 - 10h38Por MTUR

Os estados de Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e o Distrito Federal irão compor a maior rota turística do Brasil. Intitulada de “Via Liberdade”, o novo roteiro nasceu da ideia de estruturar atrativos dos quatros destinos, interligando as belezas históricas, culturais e artísticas. Ao todo, serão mais de 1,1 mil km da BR 040 que contarão com ações e programas estratégicos em patrimônios da humanidade, paisagens entre montanhas e mar, cidades imperiais, natureza exuberante, horizontes, metrópoles, comidas típicas, tradições, sertão, arte e contemporaneidade.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o novo roteiro tem tudo para ser um bom exemplo para outros destinos do país. “Juntar diversos atrativos como a história de Minas Gerais, o turismo cívico de Brasília, a bela natureza goiana e as cidades imperiais do Rio é um grande acerto para o turismo nacional. Temos que concretizar e trazer essa experiência para outros estados, assim como já está acontecendo no Nordeste, com a Rota do Sol”, disse o ministro.

A ideia é que a rota se concretize a partir de encontros direcionados a pesquisadores, artistas e especialistas com temas relacionados aos marcos da história do Brasil; a celebração do bicentenário da Independência do Brasil; a promoção de destinos estratégicos do projeto; seminários; atividades de marketing de destino como apoio à comercialização dos territórios envolvidos junto a agências e operadoras; a utilização de portais do turismo e redes; participação em feiras e eventos nacionais e internacionais e parcerias estratégicas com setor público, privado e entidades representativas do turismo.

Turismo de experiência

A secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, destacou a importância desse acordo para o turismo nacional. “Essa rota coincide com o marco do bicentenário da independência do Brasil, que vamos celebrar em 2022. E aí ela ganha um contorno ainda mais representativo, pois perpassa os caminhos de Tiradentes, dos desbravadores bandeirantes, dos tropeiros, de dom Pedro e mais tarde de Juscelino Kubitschek, até chegarmos a Brasília. São três séculos de história”, afirma.

Já o secretário de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, pontuou o impacto que essa rota trará para diversos segmentos turísticos. “As oportunidades em torno da Via Liberdade sinalizam caminhos promissores, sobretudo, para o turismo de experiência. Há inúmeros cartões-postais, paisagens históricas, atrativos, espaços culturais e museus que, na sinergia proposta pela nova rota turística, deverão ter programações potencializadas pelas políticas voltadas para a promoção do turismo, da cultura e da economia criativa. A nova rota vai inaugurar um novo tempo como a síntese de um Brasil original”, ressaltou Oliveira.

O novo roteiro passará por 307 cidades, quatro biomas (Mata Atlântica, Serra do Mar, Cerrado e Serra do Espinhaço), e seis parques (Parque Nacional da Serra dos Órgãos – RJ; Parque Estadual do Ibitipoca – MG; Parque Estadual do Itacolomi – MG; Parque Estadual Serra do Rola Moça – MG; Parque Nacional da Serra do Cipó – MG; e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros - GO).

Além disso, os turistas poderão conferir patrimônios históricos e culturais para visitar na Via Liberdade, como Brasília, Goiás Velho, Conjunto Moderno da Pampulha (MG), Rio de Janeiro, Sítio Arqueológico Cais do Valongo (RJ), Sítio Burle Marx (RJ), Congonhas (MG), Ouro Preto (MG), e Diamantina (MG).

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A coragem e a competência com que desafia as forças da natureza, respeitando e tirando dela o seu sustento, faz do pantaneiro um herói brasileiro

Bugre do Chané, Serra do Amolar, Corumbá (MS)

Vídeos

Visit Brazil. A WOW Experience!

Mais Vídeos

Eco Debate

ANDRÉ NAVES

Agro é mais que Pop!

ANDRÉ NAVES

Economia Verde

VICTOR SANTANA

Porque precisamos falar sobre ecoansiedade nas crianças