quinta, 20 de janeiro de 2022
CONFIRA

Mato Grosso possui destinos pouco conhecidos para turismo de natureza

21 NOV 2021 - 21h33Por PORTAL MATO GROSSO

A busca pelo ecoturismo cresce cada vez mais no país. Esse tipo de viagem é voltado para passeios em que o contato com a natureza é a principal atração, seja cachoeiras, trilhas, rios e até mesmo montanhas e vales.

E o Brasil é um país recheado de belezas naturais que favorecem a prática desse tipo de turismo. E, embora a procura por destinos mais naturais tenha crescido significativamente, ainda existem estados brasileiros com destinos pouco conhecidos.

É o caso de Mato Grosso, localizado no centro-oeste do país, ele foi deixado de lado no setor de turismo por muitos anos. Mas agora é chegada a hora de explorar essa região rica em belezas naturais e que podem render momentos maravilhosos na sua viagem.

Veja alguns destinos imperdíveis no Mato Grosso para relaxar com mais segurança:

Aripuanã

Aripuanã

Localizada dentro da de uma das maiores florestas do mundo, a cidade está às margens do rio Aripuanã e em meio a floresta amazônica. Para os amantes de cachoeiras, essa cidade tem 2 das mais lindas cachoeiras do Brasil. Conhecer as cachoeiras de Andorinhas e Dardanelos não pode ficar de fora da sua programação.

Além disso, Aripuanã tem trilhas, balneários e piscinas naturais para se refrescar do calor mato-grossense. Em termos de distância, a cidade está a 990 km da capital, Cuiabá e tem um aeroporto que leva o nome do município.

Para quem quer conhecer a cidade, a melhor época para ir é entre agosto e novembro, quando é possível ir bem próximo das cachoeiras. Já para aqueles que desejam ver os rios cheios e a capacidade máxima de volume das quedas d’água, é recomendado ir entre dezembro e julho.

Parecis

Campo Novo do Parecis 

Além de belezas naturais, Campo Novo do Parecis também é conhecido por ser o maior produtor do país de milho de pipoca e girassol. Por lá tem muita coisa boa! 

São diversas belezas naturais em um município que tem o rio Sacre como parte de sua paisagem, com águas esverdeadas, cristalinas e que formam piscinas naturais com direito a leito de areia branca e queda d’água.

Em Campo Novo do Parecis você encontra também duas cachoeiras extremamente altas: o Salto Belo, que tem 45m de altura, e o Salto Utiariti, com uma queda d’água de 98 metros.

Jaciara

Entre os destinos pouco explorados do Mato Grosso, Jaciara talvez seja um dos que mais oferece infraestrutura para turistas. Por lá é possível encontrar pousadas, restaurantes, balneários e tudo para deixar sua viagem ainda mais memorável.

Mas não só de estrutura vive a cidade. Além de ser produtora de água termal e mineral, os esportes de aventura ganham destaque em seu território. Para aqueles que desejam viver dias intensos com belezas naturais e vivendo novas experiências, Jaciara é o destino ideal.

Além disso, acredita-se que a cidade esteja sob o místico paralelo 15º, sendo uma região em que as energias cósmicas positivas chegam com mais intensidade até as pessoas que lá estão.

Jaciara

Vila Bela da Santíssima Trindade

Primeira capital do estado, Vila Bela tem natureza, história, cultura e paisagens para tirar o fôlego dos turistas. Embora não tenha uma estrutura para turistas, a cidade é ideal para os aventureiros que querem descobrir mais sobre o país e suas histórias.

E tem passeios para todos os gostos, de caminhos tranquilos e belos, até aqueles mais longos e cheios de aventuras, mas que não deixam as belezas naturais para trás. A melhor época para conhecer Vila Bela da Santíssima Trindade é entre abril e junho, quando o período de chuvas deixa as cachoeiras ainda mais impactadas.

Mas, para quem quer conhecer apenas um pouco mais da história, vale ir em junho, quando tem a maior festa da cidade.

Leia mais: portalmatogrosso

 

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Nunca soube dizer pra onde vou, vivo nesta Terra em transe, cheia de sol, cheia de horror

Rita Lee

Vídeos

Conheça a Casa do Vidro de Bonito, MS

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Ponto de mutação no Pantanal

JOÃO GUILHERME SABINO OMETTO

Os desafios da agenda do clima no ano novo

DOUGLAS MCINTOSH

Impactos ambientais da COVID-19