quarta, 21 de fevereiro de 2024
DICAS

Como ser um viajante sustentável e contribuir com o meio ambiente

03 DEZ 2023 - 12h12Por REDAÇÃO

Nos últimos anos, o mundo registrou uma nova vontade, a de viajar e explorar áreas com um maior índice de natureza, seja com o turismo de aventura, turismo de base comunitária, voluntariado ou ecoturismo. Um dos dados que comprovam isso é o número de turistas que buscam a floresta Amazônica como destino: ele aumentou em mil por cento de 2021 para 2022, de acordo com dados do Governo do Estado. 

"O Brasil, com a maior biodiversidade do planeta e uma cultura muito rica, tem tudo pra ser o maior destino de Turismo Sustentável do mundo. Para isso, precisamos também garantir que os brasileiros sejam os viajantes mais conscientes. São ações muitas vezes simples, mas que fazem toda a diferença para que a experiência seja incrível, não só para quem viaja, mas também para quem recebe e para o planeta", destaca Daniel Cabrera, cofundador e diretor executivo da Vivalá - Turismo Sustentável no Brasil. 

Outro número de destaque foi apresentado no Boletim do Turismo Doméstico Brasileiro, divulgado pelo Ministério do Turismo, que afirma que o ecoturismo foi o motivo da viagem de 25% das pessoas em 2021, número que cresceu, principalmente, em relação ao ano anterior (20%).

Uma das preocupações que surgem com o aumento no número de interessados é impactar positivamente, ou, no mínimo, não trazer impactos negativos para a área visitada e seus moradores. Muito mais do que apenas “jogar o lixo no lixo”, realizar uma expedição de turismo sustentável envolve uma série de ações e responsabilidades que vão desde o planejamento da experiência até o pós-viagem. Nesta época de Black Friday e com preços tentadores, o consumo consciente é de extrema importância na hora de fechar pacotes de turismo ou de realizar compras.

Conectado com a natureza

Dentre as boas práticas, é fundamental certificar-se de que as comunidades locais estão se beneficiando da atividade turística, bem como evitar o turismo de massa, que gera uma série de efeitos negativos, como a especulação imobiliária, a degradação do meio ambiente e a inflação do custo de vida.

Por fim, a opção por modelos de negócio insustentáveis, que buscam o menor preço a qualquer custo, ainda gera riscos ao viajante, que pode acabar transformando o que seria uma viagem dos sonhos em um pesadelo, como recentemente aconteceu com clientes de agências de turismo on-line. 

Além de todos os benefícios que estar em contato com a natureza pode trazer, principalmente no alívio da ansiedade, o turismo sustentável está em conformidade com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), que destaca a promoção do turismo sustentável, a criação de empregos decentes (ODS 8.9) e incentiva práticas que respeitem e promovam a cultura local e os produtos locais (ODS 12.b). Para estar de acordo com as diretrizes propostas pelos ODS e ser um viajante sustentável, não basta apenas visitar locais preservados, mas sim, agir de forma respeitosa e sustentável.
Ficou interessado em fazer uma viagem para biomas como a Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Pampas ou Mata Atlântica, conectando-se com a natureza e imergindo nas culturas locais? Então confira as dicas para que a experiência seja prazerosa e positiva, tanto para você, quanto para a área visitada e para a população local. 

Ser um viajante sustentável

1 - Opte por cosméticos e produtos de higiene biodegradáveis e reutilizáveis: busque utilizar maquiagens e produtos veganos e cruelty free, além de pesquisar empresas que tenham preocupações ambientais e sejam engajadas na causa socioambiental. Para além da expedição, utilize cosméticos sustentáveis durante todo o ano, e incentive seus familiares e amigos.

 

2 - Confira regras de visitação: áreas protegidas, como parques, florestas, reservas ou terras indígenas, possuem regras próprias, como: não faça fogueiras em locais proibidos; não consuma bebidas alcoólicas onde não for permitido; mantenha o volume baixo para não perturbar a fauna ou não marque ou escreva nada nas árvores, pedras, placas ou qualquer bem natural ou do parque.
3 - Leve uma sacola de pano para servir de lixo temporário: não deixe nada além das suas pegadas e não leve nada além de boas memórias. Recolha todo o seu lixo e deixe as pedras, conchas, flores e todo o resto no lugar. Caso não leve a sacola, separe um bolso da mochila para descartar os itens. 
4 - Respeite culturas distintas: respeite todas as crenças, religiões, sexualidades, culturas, idades e todas as características que nos tornam únicos. Não seja ou tenha atitudes racistas, machistas, homofóbicas, criminosas e preconceituosas. A  diversidade é o que enriquece a experiência. Viajar é se abrir a novos mundos, novas realidades, conhecer pessoas de culturas diferentes e com ideias e visões de mundo diferentes.
5 - Siga as orientações dos guias e da comunidade local: eles conhecem a região melhor do que ninguém e estão preocupados com a sua segurança e bem-estar, por este motivo, siga sempre o que for repassado e não se afaste do grupo. Muitas das áreas não possuem sinal de internet ou telefone, além de terem animais e vegetação diferente do que o turista pode estar acostumado.
6 - Mantenha comunicação com a equipe: assédio e preconceitos são inaceitáveis e atitudes criminosas, seja por parte de viajantes, comunitários ou da equipe. Caso sofra ou presencie um caso de assédio, importunação ou preconceito, comunique imediatamente a equipe responsável pela expedição.
7 - Seja responsável com registro de imagens: lembre-se, fotos e vídeos são muito bem-vindos, mas é preciso bom senso. Não faça imagens de crianças desacompanhadas, pessoas com corpos expostos, em situações delicadas e  constrangedoras ou que não deram consentimento para isso.
8 - Não alimente animais sem permissão: animais domésticos costumam ter donos. Se você quiser alimentá-los ou oferecer cuidados, lembre-se de consultar o dono ou, pelo menos, fale com seu guia ou com alguém da comunidade.


9 - Pesquise sobre a cultura local: antes de visitar uma comunidade tradicional, como indígena, ribeirinha, quilombola ou caiçara, busque se informar e entender mais sobre a sua cultura, idioma, costumes e crenças. Existem muitos filmes, livros, vídeos, influenciadores e materiais disponíveis sobre a cultura. Respeito é a base para uma viagem verdadeiramente enriquecedora.
10 - Pratique o consumo consciente: contrate serviços turísticos de profissionais e empresas comprometidos com as boas práticas de sustentabilidade, que tenham uma relação transparente e justa com seus fornecedores (principalmente pequenos empreendedores comunitários). Evite o consumismo exagerado, compre produtos e incentive as pequenas economias, optando por hospedagens e restaurantes locais, além de adquirir artesanato autêntico e produzido pela própria comunidade e ter vivências turísticas que respeitem e valorizem a cultura regional.

Leve os bons costumes

Uma excelente opção é consultar a relação de empresas B certificadas. O Sistema B atua desde 2006 certificando empresas que atendem a altos padrões de desempenho socioambiental, responsabilidade e transparência. Elas também estão legalmente comprometidas em beneficiar não apenas os acionistas, mas todas as partes interessadas do negócio — trabalhadores, clientes, comunidades e meio ambiente. Consulte as empresas certificadas no diretório global.

Algumas pequenas regras fazem toda a diferença na hora de ser um viajante realmente sustentável. Lembre-se: todo turismo pode e deve adotar práticas de sustentabilidade, mesmo quando não acontece em meio à natureza ou junto às comunidades tradicionais. Leve os bons costumes para todos os seus destinos. 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fogo tem devastado as unidades de conservação do Pantanal, porém as Ongs culpam os vizinhos pantaneiros. E ai MP?

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"