sexta, 14 de maio de 2021
CLIMA

Vida marinha está migrando dos trópicos , aponta estudo

06 ABR 2021 - 12h22Por REDAÇÃO

Um novo estudo mostra que a vida marinha vem mudando sua distribuição para longe das regiões tropicais em resposta direta às mudanças climáticas. Esta é a primeira vez que isso é observado em escala global e em relação a todas as espécies.

Como previsto em projeções sobre o aquecimento do clima, o número de espécies diminuiu no equador e aumentou nas regiões subtropicais desde os anos 1950. Os resultados da pesquisa liderada pela Universidade de Auckland, na Austrália, mostram que todas as 48.661 espécies estão obedecendo esta tendência, mas que os animais que vivem em águas abertas (pelágicos), como peixes, moluscos e crustáceos, estão se movendo mais em direção ao Polo Norte do que os animais que habitam o fundo do mar (bentônicos).

Segundo o estudo, a falta de uma mudança semelhante no hemisfério sul se deve ao fato de o aquecimento dos oceanos ser maior no hemisfério norte do que no sul.

Os trópicos sempre foram considerados estáveis e com uma temperatura ideal para a vida. O que a nova pesquisa sugere é que os trópicos estão se tornando instáveis e progressivamente quentes demais para muitas espécies.

Esta informação é crítica para o Brasil, que hoje desconhece a situação da vida marinha em sua costa, quase totalmente localizada em águas tropicais. O último Boletim Estatístico sobre o tema foi publicado há dez anos pelo então Ministério da Pesca e Aquicultura, hoje transformado em uma Secretaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Confirmando projeções

Um levantamento publicado pela ONG Oceana em dezembro de 2020 mostra que não existem informações sobre a situação de 94% dos 118 estoques de espécies-alvo da frota brasileira. A organização também verificou que apenas 3% dos estoques pesqueiros do país possuem limites de captura estabelecidos, e somente 8,5% deles estão incluídos em planos de gestão.

O estudo que mostra o afastamento da vida marinha das águas tropicais tem origem na pesquisa de doutorado da escritora Chhaya Chaudhary na Universidade de Auckland. As informações usadas foram obtidas a partir do Ocean Biodiversity Information System (OBIS), um banco de dados mundial de acesso livre liderado pelo professor Mark Costello, da mesma universidade e coautor da pesquisa. Essa mesma base de dados foi usada no esforço global para a criação do primeiro Censo da Vida Marinha, concretizado em 2010.

Costello é um dos principais autores do atual 6º Relatório de Avaliação do Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas (IPCC). No ano passado, o professor foi coautor de outro artigo mostrando que embora a biodiversidade marinha tenha atingido o auge no equador durante a última era glacial, há 20 mil anos, ela já havia se achatado antes do aquecimento global industrial. Naquele estudo, os cientistas utilizaram registros fósseis de plâncton marinho enterrado em sedimentos de mar profundo para acompanhar a mudança na biodiversidade ao longo de milhares de anos.

Habitat térmico

A nova pesquisa mostra que este achatamento não apenas continuou no século 20, como o número de espécies nas zonas equatoriais agora despenca.

"Nosso trabalho mostra que a mudança climática causada pelo homem já afetou a biodiversidade marinha em escala global em todos os tipos de espécies. A mudança climática está conosco agora, e seu ritmo está acelerando", afirma Costello. "Podemos prever a mudança geral na diversidade de espécies, mas devido à complexidade das interações ecológicas, não está claro como a abundância das espécies e a pesca mudarão com a mudança climática."

"A diminuição do número de espécies no equador não significa que a vida marinha está se extinguindo do planeta. Em vez disso, significa a extirpação, ou perda local dessas espécies", explica David Schoeman, coautor da pesquisa e professor da University of the Sunshine Coast, em Queensland, Austrália.

"As espécies tropicais 'desaparecidas' provavelmente estão perseguindo seu habitat térmico em águas subtropicais quentes, exatamente como previmos em um documento publicado em 2016 e como demonstrado em registros fósseis de 140 mil anos atrás, quando as temperaturas globais eram tão quentes quanto são agora", avalia o pesquisador.

Schoeman alerta que o planeta suportou nos últimos 50 anos apenas uma fração do aquecimento esperado até 2050. "O número decrescente de espécies nos trópicos pode se expandir para um número decrescente de espécies nos subtrópicos".

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O olhar mais cego que existe é quem olha para a preservação ambiental e não enxerga os indígenas como guardiões da floresta

Marcos Palmeira, ator e ambientalista

Vídeos

Morro do Azeite Ecolodge, Miranda MS

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

A vaca foi pro brejo?

JEANINE PIRES

5 novas ideias do que pode mudar no turismo

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Brasil Colônia