sábado, 24 de fevereiro de 2024
DESTRUIÇÃO

RECORDE DE QUEIMADAS E DEVASTAÇÃO NA AMAZÔNIA

Dados oficiais registram o maior número de incêndios dos últimos 14 anos para o mês de maio

05 JUN 2021 - 21h37Por REDAÇÃO

Em 2021, a temporada de seca mal começou e as notícias já são ruins: em maio, o número de focos de incêndios na Amazônia e no Cerrado já é o maior desde 2007, superando inclusive maio do ano passado, quando foi registrado o maior recorde de queimadas em uma década, chamando a atenção da imprensa internacional. Nos maiores biomas brasileiros, as queimadas começam a se intensificar ao longo do mês de junho e chegam ao auge em agosto e setembro.

Além disso, o desmatamento está em aceleração nos dois biomas: entre 1 e 28 de maio, foram devastados 1.180 km2 da floresta amazônica - o maior número para o período desde 2016 e um aumento de 83% em comparação aos 645 km2 desmatados em maio de 2020.  No Cerrado, a aceleração é ainda maior. Entre 1 e 27 de maio, foram desmatados 870 km2, um aumento de 142% em comparação aos 360 km2 registrados no mesmo período em 2020.

"Os números mostram uma situação extremamente crítica. Em um ambiente de estímulo ao desmatamento pelo discurso retórico do governo federal e de enfraquecimento total da fiscalização ambiental, a seca deste ano se soma às altíssimas taxas de desmatamento formando um cenário muito propício para grandes queimadas, tanto na Amazônia quanto no Cerrado", destaca Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil.

Na Amazônia, foram registrados 1.166 focos de fogo entre 1 e 31 de maio - número 44% maior que o registrado no mesmo período em 2020 (829). Já no Cerrado, foram detectados 2.649 focos de queimadas em maio, um total 87% maior que o registrado no mesmo mês em 2020 (1.481).

Em todo o Brasil, entre 1 de janeiro e 31 de maio de 2021, já foram registrados 15.492 focos de queimadas. No Pantanal, o número de queimadas ainda permanece baixo no início de junho, mas a preocupação é grande porque a seca deste ano no bioma é mais severa e generalizada que a de 2020, que influenciou diretamente o recorde histórico de incêndios no Pantanal naquele ano. No ano passado o fogo destruiu 30% do Pantanal, com mais de 22 mil focos de incêndio no bioma, número superior à soma dos três anos anteriores.

Seca e fogo

De acordo com especialistas, a seca extrema de 2021 também causa preocupação na Amazônia. No bioma, a estação chuvosa deste ano - que vai de novembro a abril - foi ainda mais seca que a de 2020, em partes do sul do bioma, especialmente na região conhecida como o "arco do desmatamento". Algumas regiões do bioma receberam apenas 60% de sua média histórica de chuvas.

"Embora o uso do fogo seja uma prática comum a vários produtores e comunidades tradicionais, é importante lembrar que esse uso tradicional ocorre em áreas muito pequenas, necessárias à subsistência.  No caso da floresta amazônica, que é um bioma úmido, as queimadas em grande escala são resultado de ação criminosa, associada ao desmatamento ilegal e grilagem de terras", explica Voivodic.

De acordo com estimativas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), até o final de 2021 o fogo poderá destruir mais de 5 mil quilômetros quadrados de florestas na Amazônia.

Em 2020, o Brasil teve o maior número de focos de queimadas em uma década, de acordo com o Inpe. No ano passado, o país registrou 222.797 focos, contra 197.632 em 2019, um aumento de 12,7%.

Os números de 2020 só não foram piores que os de 2010, quando o país registrou cerca de 319 mil focos. A pior situação foi a do Pantanal, onde foram registrados 22.116 focos de queimadas em 2020, pior marca da série histórica do Inpe, iniciada em 1998 e cerca de 120% a mais que em 2019.

Estudos de atribuição têm mostrado que além dos fenômenos climáticos como La Niña, já é possível detectar a assinatura da crise climática na seca de 2021. Estudo publicado em artigo no periódico científico PNAS mostra que a conversão da floresta amazônica em grandes plantações comerciais produz efeitos significativos sobre o clima local da Amazônia, criando áreas até 3C mais quentes e com menos chuva.

As conclusões resultam do acompanhamento de áreas em Rondônia e Mato Grosso dos anos 1990 até meados dos anos 2010, e da comparação desses locais com regiões amazônicas que não sofreram desmate intenso.  A aceleração da destruição da floresta nos últimos dois contribui para essa tendência.

Devastação dos grandes biomas

O desmatamento também está crescendo rapidamente na Amazônia e no Cerrado em 2021. Entre 1 e 28 de maio, foram devastados 1.180 km2 da floresta amazônica - o maior número para o período desde 2016 e um aumento de 83% em comparação aos 645 km2 desmatados em maio de 2020. No Cerrado, a aceleração é ainda maior. Entre 1 e 27 de maio, foram desmatados 870 km2, um aumento de 142% em comparação aos 360 km2 registrados no mesmo período em 2020.  

No acumulado do ano, os números também são os maiores desde 2016 na Amazônia. Entre 1 de janeiro até 28 de maio, foram desmatados 2.337 km2, um aumento de 26% em relação ao mesmo período em 2020 (1.849km2). No Cerrado, foram destruídos 2.065km2 entre 1 de janeiro e 27 de maio deste ano, contra 1.685km2 no mesmo período do ano passado - um aumento de 22%.

A aceleração da devastação também é evidente quando se considera o acumulado desde agosto - quando começa a contagem oficial da temporada de desmatamento. De agosto até o fim de maio, o desmatamento da Amazônia acumulado é apenas 5% menor que o detectado no período em 2020. A diferença era bem maior, mas vem caindo rapidamente com a explosão do desmatamento nos primeiros meses de seca. Considerando-se o acumulado desde o início de agosto, o Cerrado teve 3.868 km2 destruídos, um aumento de 30% em comparação ao mesmo período em 2020, quando foram desmatados 2.981km2.

Pacote de destruição

O aumento do desmatamento dos grandes biomas brasileiros tem relação direta com o desmonte ambiental promovido pelo governo Bolsonaro. Embora a tendência de alta no desmatamento da Amazônia venha desde 2016, foi nos últimos dois anos, quando o governo se colocou claramente ao lado dos criminosos que ocupam e desmatam ilegalmente, que a destruição da floresta atingiu números recordes.  

A cada ano, o bioma fica mais perto do ponto de inflexão a partir do qual a floresta não se sustenta e se converte em um ambiente altamente degradado.  Cientistas calculam que o ponto de virada poderá acontecer entre 20% e 25% de desmatamento e já estamos perto dos 20%. Além de perdas de biodiversidade incalculáveis, o modo de vida dos povos da floresta estaria condenado ao desaparecimento. Como a Amazônia tem importância comprovada sobre o regime de chuvas do continente, seu desaparecimento condenaria também todo o grande agronegócio que se estende pelas regiões centro-oeste, sudeste e sul do país.  

 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"