sexta, 24 de maio de 2024
PIRACEMA

Proibição da pesca até fevereiro nas bacias do Paraná e Paraguai

30 OUT 2017 - 15h34Por Sílvio Andrade

A partir de 1º de novembro está proibida a pesca esportiva e comercial nos rios Paraná, Paranaíba e Aporé, de domínio da União, na divisa de Mato Grosso do Sul com São Paulo e Paraná. Na bacia do Rio Paraguai, que abrange o planalto e a planície (Pantanal), a temporada de pesca cessou a meia-noite do último domingo (dia 5).

Em ambas as bacias, a proibição segue até 28 de fevereiro, correspondendo ao período de defeso ou piracema (reprodução dos peixes) determinado pelas legislações federal (Ibama) e estadual (Imasul). Na calha do Rio Paraguai, é permitido o pesque-solte a partir de 1º de fevereiro, cuja modalidade começa a atrair centenas de pescadores a Corumbá.

Pesca de subsistência

No período de piracema, de acordo com a Polícia Militar Ambiental (PMA), a pesca amadora permanece aberta nos lagos das usinas hidrelétricas instaladas ao longo do Rio Paraná, para a captura (10 kg de pescado mais um exemplar) de espécies não nativas e exóticas, ou seja: tucunaré, corvina, bagre africano, tilápia e bagre africano, etc.

O coronel Edmílson Queiróz, responsável pelo setor de relações públicas da PMA, explicou que em relação a pesca nos lagos do Paraná a cota não tem limite para pescadores profissionais, que poderão utilizar apenas molinete e linhadas de mão. O pescador deve respeitar 1.500 metros de distância das barragens das usinas.

Em todos os rios do Estado (bacias do Paraguai e do Paraná), no período de defeso, é permitida somente a pesca de subsistência (3 kg ou um exemplar) para o morador ribeirinho. “Pessoas que moram nas cidades ribeirinhas não podem pescar. A pesca de subsistência é para a comunidade tradicional, que depende daquela proteína para sobreviver”, alertou Queiróz.

Cardumes monitorados

A fiscalização da PMA durante a piracema, segundo o relações públicas, concentra-se com equipes fixas nas regiões de cachoeiras e corredeiras, que concentram os cardumes para o processo de reprodução. “Na piracema, realizamos um trabalho diferenciado e de prevenção, que é o monitoramento dos cardumes até o ponto de desova”, explicou.

A fiscalização nesse período é menos complexa do que durante a temporada de pesca e, principalmente, nos feriados prolongados, que mobilizam todo o efetivo da corporação, distribuído por 25 unidades. Os meses mais críticos, conforme o coronel Queiróz, são setembro e outubro, quando o número de turistas triplica.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender