sexta, 24 de maio de 2024
CAMPO GRANDE

Prefeitura e Iphan alinham ações no Centro Histórico

11 ABR 2024 - 11h39Por SILVIO DE ANDRADE

A Prefeitura de Campo Grande promoveu uma reunião nesta quarta-feira (10) com representantes do Instituto do Patrimônio Histórico (Iphan), onde ficou alinhado, por meio de um termo de compromisso, que todos os envolvidos deverão trabalhar para a preservação do patrimônio cultural histórico na área onde está a Rotunda Ferroviária. 

A ideia é planejar ações emergenciais via projeto já aprovado pelo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal,no valor de R$ 800 mil, tendo como primeiro passo a elaboração de estudos e projetos arquitetônicos que irão estruturar a futura obra de revitalização de todo o complexo da Esplanada Ferroviária.

O acordo deve encerrar o impasse que há entre a prefeitura e o Iphan em relação ao projeto imposto pelo município de construir uma nova Feira Central no espaço tombado do antigo complexo ferroviário. O órgão federal foi contra a intervenção, que descaracteriza o patrimônio histórico local, porém a prefeitura havia recorrido às instâncias superiores.

Prefeitura Adriane Lopes se reuniu cm o Iphan e secretários para encontrar uma solução definitiva para o centro histórico

Projeto atende complexo

A reunião com a presença da prefeita Adriane Lopes também foi motivada pelos estragos provocados pelas últimas chuvas e um dos prédios históricos que compõem a Esplanada Ferroviária, localizado ao lado da Feira Central. Dessa forma, a prefeita Adriane Lopes pediu uma solução viável em conjunto, depois de o município ser notificado pelo Iphan. O prédio destelhado não estaria recebendo manutenção.

Durante a conversa, o superintendente do Iphan em Mato Grosso do Sul, João Santos, destacou que o Instituto está aberto a diálogos para trabalhar de maneira integrada com a prefeitura na preservação do patrimônio cultural presente na região central de Campo Grande. 

“Tivemos o desabamento e o Iphan, juntamente com a Secretaria de Cultura e Turismo, esteve no local, fazendo as primeiras fiscalizações. Ao mesmo tempo, a Defesa Civil seguiu os primeiros trâmites para o isolamento da área. Foi emitido um auto de infração de cunho educativo junto à prefeitura, por ser a proprietária dos edifícios. Agora, o próximo passo é firmarmos o termo de compromisso”, destacou ele.

A secretária municipal Mara Bethânia Gurgel, de Cultura e Turismo (Sectur), explicou que a prefeitura esteve em reunião com o órgão para rapidamente tomar as providências sobre a situação. “A conversa girou entorno da proposta de estudo e formulação de projeto para todo o complexo, contemplando os seis espaços naquele local, incluindo também os galpões, as casas onde funcionavam as oficinas e os armazéns da Esplanada”, explicou.

Manutenção e preservação da Esplanada Ferroviária é de competência do município, alvo de notificação do Iphan

Compromisso da prefeita

Conforme o superintendente do Iphan, neste primeiro momento, o Iphan junto à Sectur, está em contato com o governo federal para cadastrar o pedido de repasse de recursos para elaboração de projeto, já que houve aprovação de plano da Sectur via PAC. 

“Esse é o passo número um para as obras. Então, a Sectur está cadastrando essa ação junto ao governo federal para permitir o repasse desse recurso à administração municipal, que licitará os projetos de arquitetura. E esse estudo será feito numa construção em conjunto entre o Iphan, prefeitura e sociedade civil organizada para pensarmos na melhor ocupação e usos para aquela região tão importante da nossa cidade”, pontuou.

Nesta primeira fase, a ideia é a elaboração de projetos que vão contemplar tanto a área da rotunda, dos galpões que desabaram e também a estação e o armazém cultural, abrangendo todo o complexo ferroviária.

Ao final da reunião, a prefeita Adriane Lopes reiterou que o município deseja construir em conjunto com os órgãos pertinentes os projetos para a total revitalização do espaço. 

“A prefeitura tem o objetivo de preservar e quer que a população tenha acesso a esses locais, que são nosso patrimônio histórico e cultural. Por isso, o Executivo está à disposição com as equipes técnicas e fará esse compromisso para que no futuro esse complexo possa voltar a ter vida na Capital”, garantiu.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender