sábado, 24 de fevereiro de 2024
REFÚGIOS

Novos Sítios Ramsar reforçam proteção às áreas úmidas

20 OUT 2017 - 15h30Por Redação

O mês de outubro iniciou com boas notícias para a conservação da natureza no Brasil: unidades de conservação que abrangem municípios dos estados de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul foram reconhecidas como Sítios Ramsar. São elas a Área de Proteção Ambiental (APA) Cananéia-Iguape-Peruíbe, em São Paulo; parte da APA de Guaratuba, no Paraná; e o Parque Nacional de Ilha Grande, também no Paraná e em Mato Grosso do Sul.

Ilha Grande é uma imensidão de água, Mata Atlântica, cerrado e Pantanal espalhados em um complexo ecossistema, que atrai olhares de pesquisadores, ambientalistas e turistas. Trata-se de uma das maiores áreas de preservação ambiental, compreendendo nove municípios, cinco paranaenses e quatro do Mato Grosso do Sul. É o último trecho do Rio Paraná livre de barragens. Há lagos, lagoas e cerca de 180 ilhas e ilhotas, além da existência de sítios históricos da época da ocupação dos índios Xetá e de cidades jesuíticas.

“Reconhecimento é uma vitória”

Os Sítios Ramsar são o principal instrumento adotado pela Convenção sobre Áreas Úmidas de Importância Internacional, conhecida como Convenção Ramsar - um tratado intergovernamental criado inicialmente no intuito de proteger os habitats aquáticos importantes para a conservação de aves migratórias, mas que, ao longo do tempo, ampliou sua preocupação com as demais áreas úmidas de modo a promover sua conservação e uso sustentável, bem como o bem-estar das populações humanas que delas dependem.

Entre os objetivos da Convenção estão o de estabelecer marcos para ações nacionais e para a cooperação entre países, para promover a conservação e o uso racional das áreas, de acordo com o reconhecimento da sua importância ecológica e dos seus valores social, econômico, cultural, científico e recreativo.

“Estima-se que as áreas úmidas representam cerca de 20% do território brasileiro e englobam ecossistemas tanto marinho e costeiros, quanto continentais, abrigando uma grande variedade de ambientes e espécies. Parte dessas áreas são reconhecidas como Sítio Ramsar, o que significa uma vitória para essas unidades, aumentando a visibilidade dessas áreas e dando acesso ainda a benefícios financeiros para conservação e uso racional. Além disso, esse reconhecimento deve priorizar também a implementação de políticas governamentais e investimentos com fontes nacionais e internacionais”, avalia a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Malu Nunes.

Paredão das Araras em Ilha Grande serve de refúgio para essas aves. Acesso ao local apenas de barco. Foto: Erick Caldas Xavier

Preocupação com áreas úmidas brasileiras

O interesse em divulgar e proteger as áreas úmidas está no dia a dia da Fundação Grupo Boticário. Por meio de apoio a projetos, a instituição promove a conservação desses locais em parceria com outras organizações. Neste ano, por exemplo, o edital de apoio a projetos do segundo semestre, realizado pela Fundação, teve como foco iniciativas que contribuíssem para a conservação das áreas úmidas, mais especificamente o bioma Pantanal - considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta - e todos os Sítios Ramsar nacionais.

Somente nas três áreas designadas como novos Sítios Ramsar, a Fundação já apoiou 33 projetos desde 1991 (18 na APA de Guaratuba, 11 na APA Cananéia-Iguape-Peruíbe e quatro no Parque Nacional de Ilha Grande), em parceria com outras instituições. Os trabalhos foram focados em diferentes ecossistemas e espécies de flora e fauna, como por exemplo, onças, papagaios, morcegos, cavalos-marinhos, botos, micos, entre outros.

Para Marilia Cunha Lignon, responsável técnica pelo projeto “Monitoramento de Manguezais - guardiões das zonas costeiras”, em desenvolvimento ns APA Cananéia-Iguape-Peruíbe pelo Instituto BiomaBrasil, o reconhecimento abre margem para obtenção de recursos técnicos e financeiros em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável da região. “É importante entender a importância desse reconhecimento internacional. Em muitos editais internacionais, projetos que são desenvolvidos em Sítios Ramsar são valorizados e recebem uma pontuação maior”, destaca a pesquisadora.

Sobre a Fundação Grupo Boticário

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento.

Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.528 projetos de 501 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.  Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis.

Na internet: www.fundacaogrupoboticario.org.br, www.twitter.com/fund_boticario e www.facebook.com/fundacaogrupoboticario.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"