quarta, 01 de abril de 2020
EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Florestinha envolve 18 mil alunos em 79 escolas de 11 municípios

15 JUL 2017 - 23h24Por Silvio

O Projeto Florestinha de Campo Grande, coordenado pela Polícia Militar Ambiental (PMA), realizou, durante o primeiro semestre do ano letivo de 2017, trabalhos de educação ambiental para 18.309 alunos de 79 escolas públicas e privadas em 12 municípios do Estado.

Além da parte social, a educação ambiental tem sido prioritária nos trabalhos desenvolvidos pelo projeto. Em 2015, foram atendidos 11.862 alunos da Capital e Interior, e em 2016, 21.705.

Neste ano, os grupos do Projeto Florestinha, formados por crianças e adolescentes, atenderam escolas dos municípios de Campo Grande, Rio Brilhante, Três Lagoas, Ladário, Corumbá, Iguatemi Rochedo, Água Clara, Camapuã, Terenos e Ribas do Rio Pardo.

Atualmente são nove equipes de Florestinhasr. A unidade do Parque Cônsul Assaf Trad é também um Centro de Educação Ambiental (Cra/Florestinha) de recepção de estudantes, em parceria com a secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) da Capital.

Os trabalhos são realizados em forma de oficinas temáticas, pelas crianças e adolescentes do Projeto Florestinha, supervisionados por um policial militar ambiental.

Atividades

As oficinas temáticas são: reciclagem de papel, com palestra sobre os problemas relacionados aos resíduos sólidos; visitação ao museu de animais e peixes empalhados, com palestra sobre fauna, pesca, atropelamentos de animais silvestres, tráficos, etc; apresentação do teatro de fantoches, com peças sobre as questões ambientais, como: águas, desmatamentos, incêndios florestais e resíduos sólidos etc; montagem artificial do Ciclo da Água, com palestras relacionadas a temática das águas no planeta; Casa da Energia - com palestra sobre economia energia, matriz energética e fontes renováveis, etc; plantio de mudas nativas, com palestra sobre desmatamento, erosões e importância da flora, etc; palestra g – palestra executada por um Florestinha para a sensibilização dos estudantes sobre os vários temas ambientais, de forma que os alunos entendam que o ambiente é um complexo e que afetar o seu equilíbrio gera problema de qualidade de vida, tendo em vista que tudo que usamos, comemos, bebemos, respiramos vem do ambiente. 

Além das oficinas e palestras são realizadas discussões de vários temas ambientais entre os alunos e as crianças do Projeto Florestinha, supervisionadas pelos policiais militares ambientais.

Na fronteira

Ao final das discussões sobre cada tema, são entregues aos professores folhetos patrocinados pela empresa MSGás,  parceira no projeto de educação ambiental. Ou seja, o pProjeto Florestinha leva a educação ambiental não formal de forma lúdica e convoca os professores para que continuem no ensino formal os trabalhos voltados às questões ambientais, no sentido de se conseguir a transversalidade do tema ambiente.

Os trabalhos continuarão no segundo semestre. Já estão agendadas mensalmente escolas de Corumbá, Ladário e Três Lagoas. Também haverá atendimento do Projeto Educação Ambiental Fronteira, o qual visa a atender sete municípios da região de fronteira. São eles: Iguatemi que já foi atendido no final do mês passado, e serão atendidos Mundo Novo, Eldorado, Tacuru, Japorã, Paranhos e Itaquiraí.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores