sábado, 24 de fevereiro de 2024
ESTUDO

Muriquis-do-norte são monitorados por drone

12 OUT 2017 - 21h51Por Redação

O monitoramento de macacos em Minas Gerais agora é feito com o “dronequi”, um drone com câmera termal, que contribui com a conservação de macacos conhecidos como muriquis-do-norte (Brachyteles hypoxanthus).  

O sistema pode parecer simples, mas é extremamente inovador. De acordo com Fabiano Melo, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, o drone chega como uma revolução para o monitoramento das espécies nas florestas.

"Antes, nosso método era entrar na mata e contar os macacos individualmente. Agora, com o drone, temos duas câmeras de altíssima resolução de imagem e sensibilidade ao calor, que nos auxilia a localizar e contabilizar os animais em novos grupos e, principalmente, indivíduos isolados", comemora.

Localizar animais isolados

Fabiano Melo é membro da Rede de Especialistas de Conservação da Natureza, uma reunião de profissionais, de referência nacional e internacional, que atuam em áreas relacionadas à proteção da biodiversidade e assuntos correlatos, com o objetivo de estimular a divulgação de posicionamentos em defesa da conservação da natureza brasileira. A Rede foi constituída em 2014, por iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.?

A espécie do muriqui-do-norte conta com apenas 900 indivíduos na natureza e é considerada como “criticamente em perigo” pela mais recente lista divulgada pelo Ministério do Meio Ambiente. A classificação está atrás somente da “extinta da natureza”.

Na Mata Atlântica, habitat natural da espécie, as fêmeas têm o costume de migrar entre os grupos, diferente dos machos que permanecem a vida inteira em um mesmo bando. Com essa migração, as fêmeas acabam muitas vezes ficando perdidas em pequenos fragmentos da mata e o drone auxilia também neste momento: encontrando animais isolados e minimizando o risco de perdê-los.

Esperança para a espécie

Fabiano Melo conta que um macaco costumava aparecer em um quintal no município de Ferros (MG) e foi identificado como um muriqui-do-norte. Os pesquisadores descobriram que Esmeralda (como foi batizada) não pertencia a nenhum grupo e ela foi levada para a mata do Luna, em Santa Rita de Ibitipoca (MG), onde teria a oportunidade de encontrar um grupo da mesma espécie.

Segundo Melo, "até o final do ano, se tudo der certo, ela deverá estar prenha, garantindo a conservação da espécie”. O acompanhamento das ações de Esmeralda e do grupo de muriquis será feita com o “dronequi”, que consegue observá-los à distância, sem interferir em seu habitat.

O projeto, 100% brasileiro, é fruto de uma parceria entre a equipe da Storm Security, com biólogos da ONG MIB e apoio da Fundação Grupo Boticário d Proteção à Natureza. O projeto também conta com a parceria da Reserva do Ibitipoca e da Fundação Biodiversitas.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"