sexta, 24 de maio de 2024
PAPAGAIOS

Especialistas em conservação se unem contra tráfico de aves

10 NOV 2017 - 08h54Por Redação

Segundo o Ibama, o tráfico de espécies silvestres é o terceiro maior do mundo, atrás apenas do tráfico de drogas e armas. As aves correspondem a 80% das apreensões do Instituto. Dentro desse grupo, os papagaios estão entre as espécies mais vulneráveis, muito procurados como animais de estimação.

Evitar a retirada de papagaios da natureza por meio do combate ao tráfico de aves e promover outras ações para sua conservação na natureza são os principais focos de um programa nacional, lançado por meio de uma campanha nas redes sociais (confira em https://www.facebook.com/papagaiosdobrasil/) e durante o 1º Simpósio Internacional de Conservação Integrada, no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu (PR).

Com apoio financeiro da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, o Programa Papagaios do Brasil integra ações de conservação de seis espécies de papagaios com diferentes graus de ameaça: papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva), papagaio-charão (Amazona pretrei), papagaio-de-peito-roxo (Amazona vinacea), papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), papagaio-chauá (Amazona rhodocorytha) e papagaio-moleiro (Amazona farinosa).

As ações estão previstas no Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação dos Papagaios da Mata Atlântica. Além de Santa Catarina, a iniciativa é realizada no Distrito Federal e nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, onde as espécies estudadas ocorrem. 

Parceria que potencializa esforços

As espécies habitam diferentes biomas do país e, além do tráfico, enfrentam a redução do seu hábitat. “As seis espécies são contempladas pelo Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Papagaios, o PAN Papagaios, que engloba um conjunto de atividades voltadas ao combate das principais ameaças a esses animais”, explica Patricia Serafini, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (ICMBio/CEMAVE).

Papagaio-verdadeiro é a espécie mais conhecida no Brasil e também a mais traficada. Foto: Gláucia Seixas

O Programa Papagaios do Brasil segue as diretrizes do PAN Papagaios e tem ações previstas até 2021, entre atividades de educação e conscientização para conservação da natureza, pesquisas e participação de instituições públicas e privadas. O Programa tem apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e realização da SPVS, Parque das Aves, Fundação Neotrópica, Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e ICMBio/CEMAVE.

Nosso maior patrimônio

Elenise Sipinski, responsável técnica pelo Programa Papagaios do Brasil, afirma que a união de diferentes instituições garante resultados mais efetivos na conservação da natureza. “Infelizmente há pessoas que compram papagaios silvestres e financiam esse tipo de crime. Com o Programa Papagaios do Brasil, pretendemos mostrar que a biodiversidade é nosso maior patrimônio”, comenta Sipinski.

Ela também é coordenadora do Projeto de Conservação do Papagaio-de-cara-roxa, realizado pela Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) desde 1998 no litoral paranaense e litoral sul de São Paulo, áreas onde a espécie ainda é encontrada.

A diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes, explica que a instituição é uma das principais a apoiar projetos e programas de conservação da natureza brasileira. Já são 1.528 iniciativas beneficiadas, em todas as regiões do Brasil, dentre as quais 39 foram relacionadas à conservação de papagaios.

Papagaio-de-peito-roxo, uma das espécies protegidas

“Com o apoio financeiro ao Programa Papagaios do Brasil, contribuiremos para que as ações de conservação de papagaios sejam integradas e terão seus resultados potencializados”, diz Malu.

Papagaios são animais ícones

Membro da equipe executora do programa, Nêmora Prestes reforça a importância da iniciativa. “Ao somar esforços, todas as espécies são valorizadas, bem como o bioma onde vivem. Os papagaios são animais ícones do nosso País e precisam de todo o apoio que pudermos dar”, afirma a professora da Universidade de Passo Fundo, participante do Projeto Charão e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

Para Glaucia Seixas, coordenadora dos projetos Papagaio-verdadeiro e Papagaio-chauá pela Fundação Neotropica, a conservação da fauna e da flora são de vital importância e precisam de destaque.

“É com muito orgulho que participo desse programa que se inicia. Proteger e conservar a biodiversidade brasileira deve estar no topo das preocupações das instituições públicas e privadas, já que as consequências afetam a toda a sociedade”, analisa Glaucia, que também atua no Programa Papagaios do Brasil e é membro da RECN.

 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender