sábado, 24 de fevereiro de 2024
DENÚNCIA

Cresce número de matadouros clandestinos em MS

02 JUL 2017 - 11h25Por Redação

A saída de grandes frigoríficos do cenário econômico de Mato Grosso do Sul está dando lugar a matadouros clandestinos, com péssimas condições de higiene e que podem prejudicar a saúde tanto de trabalhadores como principalmente dos consumidores desses produtos originários dos abates em locais e condições inapropriados.

A denúncia é de Rinaldo Salomão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins de Campo Grande – STIAACG e representante do Estado na Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins – CNTA.

Mato Grosso do Sul, segundo a denúncia do sindicalista, possui em torno de 12 matadouros “em péssimas condições, que deveriam ser fiscalizados e lacrados, pois não oferecem as menores condições de higiene, colocando a vida de trabalhadores e consumidores em risco”, afirma Rinaldo.

Só Campo Grande possui, segundo o sindicalista, três matadouros nessas (péssimas) condições. Os demais estão situados nas cidades de Cassilandia, Chapadão do Sul, Corumbá, Aquidauana, Nioaque, Bonito, Rochedinho, Sidrolândia e Rochedo. Eles fornecem para o mercado consumidor local e a qualidade da carne não é confiável, garante o sindicalista, pelo fato de não ter o selo do SIF (Serviço de Inspeção Federal) e por serem estabelecimentos totalmente fora de qualquer padrão aceitável.

Riscos

O sindicalista afirma que denuncia esses estabelecimentos pelo bem dos trabalhadores uma vez que além dos riscos que correm nesses locais, por não usarem equipamentos adequados de proteção, a maioria dos empregados não recebem devidamente seus direitos trabalhistas e muitos até nem são registrados pelo regime CLT.

“Como representantes dos trabalhadores em frigoríficos e nas indústrias de alimentação em geral, junto à CNTA, não poderíamos ficar calados diante da proliferação desse tipo de atividade. Ainda mais agora que a tendência é aumentar em função do fechamento de muitos estabelecimentos de grande porte”, justifica o sindicalista, cobrando providências do Ministério da Agricultura e dos órgãos de fiscalização sanitária dos munícipios e do Estado.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"