sexta, 24 de maio de 2024
SELVA URBANA

Cidade do México discute como desenterrar seus rios

22 JUN 2017 - 16h00Por Beatriz Montesanti

Sob o viaduto Miguel Alemán, na Cidade do México, corre o que um dia foi o rio Piedad. Pavimentada em 1942, uma avenida encobre o curso d’água, um dos inúmeros que foram canalizados na capital mexicana - algo recorrente em grandes metrópoles. Desde 2013, porém, um grupo que reúne acadêmicos, designers, planejadores urbanos, ambientalistas e artistas briga para, de alguma forma, resgatar 45 desses rios. O plano começaria trazendo à superfície cerca de 15 km do rio Piedad.

Desde 2013, porém, um grupo que reúne acadêmicos, designers, planejadores urbanos, ambientalistas e artistas briga para, de alguma forma, resgatar 45 desses rios. O plano começaria trazendo à superfície cerca de 15 Km do rio Piedad.

“Esse projeto estilhaça paradigmas.
Propõe acabar com uma estrada privada, que não
pode ser usada a não ser que você tenha um carro.
O que propomos é remover os carros, abrir os
canos e tratar a água. Precisamos transformar
o modelo de nossa cidade.”

Delfín Montaña Biólogo, em entrevista ao site “CityLab”

Ainda em fase teórica, a proposta consiste em remover os canos que abrigam as águas do rio e substituí-los por uma espécie de corredor biológico, que parte da área de Santa Fé e vai até o aeroporto da cidade.

O corredor eliminaria as pistas do centro da avenida, mantendo as laterais para a passagem de veículos. Incluiria ainda linhas de transporte público, um metrô, ciclovias, calçada e espaços verdes. Calcula-se que o projeto custaria US$ 863 milhões.

Para além da barreira financeira, porém, ele enfrenta resistência política. Há alguns anos, o grupo recebeu apoio na Assembleia Legislativa da Cidade do México, a proposta, porém, foi engavetada.

Soterramento

Em tempos pré-hispânicos, a Cidade do México era cercada por cinco lagos e cortada por inúmeros rios. O crescimento desgovernado da capital, porém, fez com que suas águas se tornassem grandes esgotos à céu aberto.

Entubados devido à grande poluição, os cursos de água cederam espaço a largas avenidas na metade do século 20, ocupadas por veículos nas décadas seguintes, com o desenvolvimento urbano local. O projeto posto em prática era de autoria do arquiteto Carlos Contreras.

A área em torno do viaduto Miguel Alemán é atualmente uma das mais prejudicadas em épocas de chuva no México, quando a água da precipitação excede a capacidade do sistema de drenagem. A proposta de Montaña criaria um sistema integrado para manusear e tratar a água.

Na Europa, rios que não foram soterrados, porém modificados de alguma forma pela ação humana, estão sendo devolvidos a seus cursos naturais.

Rios subterrâneos

São mais de 300 rios, córregos e riachos que correm no subsolo de São Paulo. Por ser proibido erguer prédios sobre rios soterrados, a maior parte fica sob o asfalto. Tal como no México, cederam espaço a avenidas e carros.

O córrego Saracura foi o primeiro a ser coberto, já em 1906. Desde então, ele segue por baixo do bairro paulistano do Bexiga, até o viaduto Doutor Plínio de Queirós.

Na altura da Praça da Bandeira, tem um encontro subterrâneo com o rio Itororó, que percorre a Avenida 23 de Maio, e o córrego Bexiga, que vem sob a rua Japurá, formando o Anhagabaú. Os três desembocam no Tamanduateí, que corre sob a Avenida do Estado. (NexoJornal)

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender