segunda, 02 de agosto de 2021
GENTE

A homenagem a Waldemar Martins, pioneiro do ecoturismo

29 JUL 2019 - 11h45Por SILVIO DE ANDRADE

Amigos, ex-funcionários e ambientalistas homenagearam, em Bonito, o jornalista e professor Waldemar Martins, proprietário do Rio Formoso Hotel Fazenda, que faleceu no dia 3 de julho desse ano, em Jaboticabal (SP), aos 89 anos.

Foi celebrada uma missão, na Paróquia São Pedro Apóstolo, pelo Padre Israel Moura dos Santos, em sua memória e em reconhecimento a sua contribuição ao desenvolvimento do turismo e a conservação dos recursos naturais na região conhecida na época em que instalou o primeiro hotel fazenda de Bonito como Rodovia da Ilha do Padre, hoje denominada Rodovia do Turismo.

Professor, Jornalista e Ambientalista, Waldemar Martins foi um dos pioneiros, juntamente com  Bosco Martins e Afrânio Jaques (Hotel Fazenda Cachoeira) em hotelaria rural na Capital do Ecoturismo, nos anos de 1990. Foi também um defensor intransigente da integridade das águas cristalinas dos principais mananciais de Bonito, em especial o Rio Formoso.

Pai do jornalista Bosco Martins, diretor-presidente da Fertel (Fundação Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa de Mato Grosso do Sul), Waldemar Martins deixou também um legado como educador e fundador da Faculdade de Educação de Jaboticabal/SP, instituição com mais de 60 anos de existência que formando gerações de novos profissionais e levando o desenvolvimento educacional à Jaboticabal e a região Ribeirão Preto.

Reconhecimento

Instigado pelo filho Bosco Martins e a nora Márcia Brambilla (bióloga e uma das fundadoras da Neotrópica do Brasil), decidiu investir em Bonito e ambos se tornaram precursores em ecoturismo na região com a construção do primeiro hotel-fazenda, dando o nome do principal rio daquele paraíso. O Rio Formoso Hotel Fazenda, situado em frente a antiga Ilha do Padre, hoje denominada Ecko Park, foi inaugurado em 1997, há 22 anos.

Em 2016 veio o reconhecimento do pioneirismo do professor e seu papel importante para o desenvolvimento do turismo naquela região do Rio Formoso, durante o II Fórum Nacional de Jornalistas da Mídia Eletrônico, Turismo e Meio Ambiente que aconteceu  no auditório do Hotel Zagaia, no município.

Na oportunidade, seu empreendimento foi reconhecido pelo Fórum quando receberam do então ministro do Turismo Marx Beltrão e do Governador Reinaldo Azambuja, o “Troféu Piraputanga de Turismo”, confeccionada pela artista plástica Buga Peralta,  por incentivar e promover o turismo em Mato Grosso do Sul e no Brasil.

Lembranças e emoções

A celebração foi marcada pela simplicidade e por muita emoção, tanto com as menções feitas pelo Padre Israel de Moura, como as homenagens dos amigos e familiares. O Padre Israel relembrou a importância, a atuação ambiental e o papel desenvolvimentista do homenageado para o município de Bonito, confortando familiares, amigos e fieis numa bela pregação:

“Seu Waldemar, além da saudade, nos deixa também uma lição. Sua vida foi vivida intensamente, brigando pelas causas em que acreditava. Em Bonito foi pioneiro com a criação do primeiro hotel rural, e como ambientalistas, fazia questão de que a natureza fosse respeitada. Aos 88 anos, teve o privilégio de partir como alguém que realmente viveu a vida”, destacou o Padre Israel sobre a dor da perda de um ente querido.

De modo simples e intenso coube a Nilzete Pinheiro homenagear o professor cantando ao final da missa, uma de suas músicas preferidas do Trio Parada Dura: "As andorinhas voltaram / E eu também voltei / Pousar no velho ninho / Que um dia aqui deixei."

Para Nilzete, cantora em Bonito e amiga próxima de Waldemar, o que fica dele são as boas lembranças. “Sempre que vinha a Bonito, pedia pra me chamar para cantar para ele. Gostava da música raiz, que fala da vida como ela é. Para mim pessoalmente foi uma grande perda e  sentiremos muita saudade dele, ” disse emocionada.

Outro amigo presente, Eulálio Larrrea, o Zé Bugre, eletricista autodidata, trabalhou com a família, quando da introdução do linhão que levou a energia elétrica na região da rodovia do turismo nos anos 90 e posteriormente doada à empresa Energisa “pelo proprietário Waldemar Martins,” conforme consta no processo de transferência junto a empresa fornecedora de energia. Para Zé Bugre "seu Waldemar tinha um coração de ouro, nunca foi patrão da gente, mas um grande amigo que eu tive e trabalhar com ele era um aprendizado e diversão."

Paulina Ovando, proprietária do Camping Poliana e vizinhas desde que o Professor e seu filho Bosco Martins se estabeleceram na região, há mais de 22 anos, contava histórias do tempo em que a mãe Dona Rosita e seu Waldemar ainda eram vivos: “Era muito bem humorado e de bem com a vida, não gostava de ver ninguém pra baixo. Ele brincava sempre falando uma frase que até hoje repetimos lembrando dele: Sem forfé! ”

O filho, jornalista Bosco Martins, que ao lado de Waldemar investiu em Bonito, sendo reconhecido com o título de cidadão bonitense desde 2012 (outorgado pela Câmara de Bonito), representou os familiares acompanhado de sua esposa, a bióloga e jornalista Marcia Brambilla, e se emocionou com a homenagens e agradeceu a presença de todos, destacando que o pai sempre será lembrando pelas causas e ideais no qual acreditava. 

Leia Também

Relatos de viagem

Rota das emoções: lugares de ver Deus...

Mais Relatos de Viagem

Megafone

É a nova Genesis, o pantaneiro deixou de ser invisível

Pantaneiro Armando Lacerda, sobre a chegada da energia elétrica no Pantanal

Vídeos

Embratur promove o turismo doméstico

Mais Vídeos

Eco Debate

LUIZ AUGUSTO PEREIRA DE ALMEIDA

O paradoxo das águas

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Maraboho

FELIPE BARROSO

Alerta ao marco legal do saneamento: desafios em prol do meio ambiente