sábado, 24 de fevereiro de 2024
LOCAÇÃO

Airbnb movimentou mais de 7,7 bi no Brasil em 2018

23 JUL 2019 - 07h04Por REDAÇÃO

O Airbnb, maior empresa global de compartilhamento de lares e experiências em viagens, anuncia hoje a estimativa do impacto econômico direto gerado pela empresa e sua comunidade de anfitriões e hóspedes no Brasil em 2018: mais de R$ 7,7 bilhões - 92% a mais do que em 2017. O impacto econômico direto estimado é calculado a partir da soma da renda total recebida pelos anfitriões com o gasto total dos hóspedes no país.

Essas informações fazem parte de um estudo do Airbnb realizado em janeiro deste ano que inclui a análise de dados da companhia sobre a renda dos anfitriões e respostas de entrevistas realizadas com anfitriões e hóspedes. Trinta países foram pesquisados. Juntos, eles foram responsáveis por um impacto econômico direto estimado do Airbnb em mais de US$ 100 bilhões em 2018.

Renda extra

Além de calcular o impacto, o Airbnb realizou entrevistas com anfitriões e hóspedes para mapear fatores de crescimento da atividade de aluguel por temporada no mundo. Para os 5.912 anfitriões entrevistados no Brasil, a renda extra é o principal motivo citado para alugar a casa (76% das menções); seguido pela utilização de um espaço livre ou ocioso (36%); a vontade de alugar depois da experiência de ser hóspede (17%); o orgulho de mostrar sua comunidade (16%) e conhecer novas pessoas (16%). 

As respostas também revelam que a renda extra ajuda os anfitriões a continuar a morar em suas casas (69%), e é utilizada para deixar as contas em dia por 55% deles. A renda gerada pelo Airbnb representa 23% da renda familiar* dos anfitriões brasileiros.

A locação por temporada também beneficia o pequeno comércio dos bairros onde estão os hóspedes - muitas vezes,  localizados fora dos centros turísticos tradicionais. Os 1.196 hóspedes entrevistados - que viajaram pelo país no mínimo uma vez em 2018 (brasileiros ou estrangeiros) - tiveram um gasto médio diário de R$ 449 ao dia, sendo que 48% do valor gasto em compras aconteceu no próprio bairro onde estavam situados.

Os anfitriões também ajudam a impactar o comércio dos bairros: 90% deles passam recomendações de onde comer, comprar, passear. Os restaurantes e mercados respondem por 41% das recomendações, seguidos por compras  e atividades de lazer e cultura, ambos com 19%; e transporte, com 15%. Outras recomendações somam 6%.

São Paulo destaque

A cidade de São Paulo, tida como ponto de partida dos viajantes, está se consolidando como destino importante para os usuários da plataforma. No levantamento feito pelo Airbnb, o impacto econômico direto estimado passou dos R$ 788 milhões - um crescimento de 57% comparando com 2017.  [=

Um dos fatores do impacto é o crescimento de chegadas de hóspedes na cidade: passou de 205,6 mil em 2017 para 356,5 mil chegadas - um crescimento de 73%.

Outra razão do impacto é a forma como o hóspede gasta na cidade em que se hospeda. Na capital paulistana, 48% dos gastos dos entrevistados ocorreu no bairro onde se hospedaram. O gasto médio diário foi de R$ 372 e 100% dos hóspedes entrevistados disseram que o principal fator de decisão de alugar um apartamento pelo Airbnb é a economia de dinheiro. 

O valor economizado, segundo eles, é gasto em comida e compras.  Os gastos na cidade se dividem em compras (36%); alimentação e supermercado (29%); transportes (15%) e cultura e lazer (17%).

 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"