quarta, 01 de abril de 2020
ALERTA!

Água do sertão de Guimarães Rosa pode acabar em 20 anos

12 JUL 2017 - 22h11Por Redação

A conservação do Cerrado e de suas populações tradicionais está ameaçada pelos intensos desmatamentos, incêndios e uso inadequado de água para irrigação no Mosaico Sertão Veredas Peruaçu, uma área significativa de aproximadamente 1,8 milhão de hectares situada no norte/noroeste de Minas Gerais e sudoeste da Bahia.

É o que aponta o mapeamento do uso do solo produzido pelo WWF-Brasil já em sua terceira versão. Segundo o estudo, a região do Mosaico está ocupada com 37% de atividade agropecuária. Outro dado que preocupa é o fato do território apresentar altos índices de desmatamento e queimadas nos últimos anos, por exemplo, no período de 2009-2016 foram desmatados 30.043 hectares, uma área que equivale quase ao tamanho da cidade de Belo Horizonte.

Entre as unidades de conservação mais afetadas no Mosaico, a Área de Proteção Ambiental (APA) Pandeiros, que é a maior na categoria de uso sustentável do estado de Minas Gerais, está no topo, com 5.116 hectares desmatados.

Para Cássio Bernardino, analista de conservação do WWF-Brasil e coordenador do mapeamento, os estudos permitem identificar áreas onde os desmatamentos e as queimadas são mais frequentes, possibilitando o desenvolvimento de estratégias de prevenção e fiscalização. “

Entre 2010-2016 foram desmatados 30 mil hectares no Moisaco

A iniciativa também permite acompanhar a mudança de uso do solo na região, e destaca o papel das unidades de conservação de proteção integral para a proteção contra o desmatamento e incêndios”, afirmou. 

Esses dados servem como forte alerta para que as autoridades e a sociedade civil tomem medidas que busquem conter esses fatores de degradação e perda da biodiversidade desse que é o bioma considerado como a “Caixa d’água do Brasil”, já que as nascentes presentes no bioma são responsáveis por alimentar 6 das 9 principais bacias hidrográficas do país.

Sertão Veredas Peruaçu 

A apresentação do mapeamento aconteceu durante o seminário realizado nos dias 28 e 29 de Junho na cidade de Januária-MG, com a presença de autoridades municipais, órgãos ambientais, membros dos conselhos das áreas protegidas, gestores das unidades de conservação, lideranças indígenas e de comunidades tradicionais, ongs ambientais, Ministério Público e universidades.

Outra constatação, que gerou comoção nos participantes, foi sobre o risco de as veredas e rios da região secarem no período de 20 anos. A informação foi levantada pelo pesquisador Walter Viana, em sua tese de doutorado em recursos hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que concluiu que o consumo de água está maior que a oferta, sendo a implantação de postos tubulares os principais responsáveis por este quadro.

Segundo ele, “além do alto consumo, estes postos estão interceptando as nascentes, o que compromete a disponibilidade hídrica de rios importantes, como, por exemplo, o Peruaçu que tem hoje sua vazão reduzida em 10% em relação aos anos 80”. Por fim, “se medidas urgentes não forem adotadas por parte das autoridades, a região sofrerá de um enorme problema socioambiental”, afirmou Viana. (WWF)

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores