terça, 28 de janeiro de 2020
CORUMBÁ

Em novo livro, Peninha reconstrói saga de Frei Mariano

20 NOV 2017 - 14h39Por Nelson Urt/Navepress

A escritora e artista plástica Marlene Mourão, a Peninha, lança no dia 23 de novembro, Dia Municipal da Cultura, às 19h30, durante o Café Literário, no Sesc Corumbá, o livro “Um altar para as valorosas sandálias do Frei Mariano de Bagnaia”, que trata o pároco como "educador e herói de guerra" e desmistifica uma antiga lenda envolvendo seu nome e uma maldição contra a comunidade corumbaense. Peninha antecipou detalhes sobre a obra durante a FliSesc - Feira Literária do Sesc Corumbá.

“Frei Mariano foi um herói de guerra e amava Corumbá, tanto que pediu para viver aqui seus últimos dias aqui e ser enterrado aos pés da Igreja Nossa Senhora da Candelária”, conta Peninha, que baseou suas pesquisas no livro do historiador e teólogo Alfredo Sganzerla, “A História do Frei Mariano de Bagnaia”.

De acordo com Peninha, Frei Mariano foi um "incompreendido, mal interpretado, desconhecido e grotescamente injuriado" por mais de cem anos. A escritora relata que, de um modo ou de outro, Frei Mariano interferiu e contribuiu na construção, manutenção ou reconstrução das igrejas de Nossa Senhora do Carmo, no distrito de Albuquerque (a 70 km de Corumbá), São José de Coxim, Capela de Santo Antônio, em Campo Grande; Capela de Nioaque; Igreja Matriz de Miranda; Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, em Ladário, além de ter mandado erguer a Igreja Matriz de Nossa Candelária, padroeira de Corumbá.

Frei Mariano: polêmico, foi torturado na guerra

Suicídio

Frei Mariano nasceu em 1820 e chegou ao Brasil em 1847. Foi nomeado, em 1859, vigário de Miranda, onde fez um trabalho de evangelização dos indígenas e construiu a Igreja de São Francisco de Assis. O que "fragilizou física e mentalmente" o padre capuchinho, segundo Peninha, foi o fato de ter sido feito prisioneiro durante a guerra com o Paraguai. Esteve muito tempo detido em uma cela em Assunção, capital paraguaia, onde passou fome e foi torturado.

De volta, permaneceu em Corumbá de 1870 a 1886, quando construiu a Igreja de Nossa Senhora da Candelária. Em 1887 foi transferido para Tibagi do Paraná e depois para Campos Novos, em São Paulo. “Ao sair de Corumbá deixou a imagem de louco e mau pagador”, relata Peninha.

Frei Mariano sofria de hipocondria e vivia atormentado pelas crueldades da Guerra do Paraguai, onde foi preso e torturado. Atirou-se nas águas do rio São Pedro do Turvo, tentando o suicídio, mas foi salvo. Pouco depois, em 8 de agosto de 1888, em Campos Novos, interior paulista, usando uma navalha para golpear a garganta, deu fim à vida.

Em seu livro, Peninha conclui que Frei Mariano foi “herói de guerra, educador, pregador imperial, conciliador, evangelizador, construtor de templos”. A obra foi contemplada com recursos do Fundo de Incentivos Culturais do Pantanal (FIC).

Leia: www.navepress.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O grande inimigo do meio ambiente é a pobreza

Paulo Guedes, ministro da Economia

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica