Quinta, 18 de Janeiro de 2018
PLANO DE TURISMO

Campo Grande quer se tornar uma referência em eventos e negócios

07 SET 2017 - 10h44Por Redação

Após seis meses de trabalho, reuniões, contribuições da população e discussões acerca do Turismo em Campo Grande, a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur), Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MS) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur), lançou o Plano Municipal de Turismo, no auditório do Sebrae-MS.

O objetivo do Plano é que nos próximos dez anos Campo Grande seja reconhecida como um destino turístico de referência para eventos e negócios, capaz de oferecer experiências marcantes ao visitante, evidenciando o bem receber, a cultura e a natureza. A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur-MS) participou do lançamento e firmou parceria com o município.

“Nossa cidade completou 118 anos e tem quase 40 anos como Capital e até então não tínhamos um Plano de Turismo. Campo Grande é acolhedora, recebe pessoas de todos os lugares, é uma cidade que tem todos os temperos e todos os sabores. O lançamento deste plano é um marco do turismo na cidade”, discursou o prefeito Marquinhos Trad.

Olhando para a cidade

Capital gana um plano integrado de turismo de longo prazo, potencializando sua vocação para os segmentos de eventos e negócios. Foto: Divulgação

O segmento eventos e negócios é a vocação turística da Capital, de acordo com a superintendência de Turismo da Sectur. Entretanto, o plano tem também entre suas prioridades o desenvolvimento do turismo cultural, gastronômico, rural e ecológico. “Construímos este plano não para que ele fique dentro de gavetas, mas que ele seja, de fato, colocado em prática. Vivemos em um período de crise e precisamos de ações eficientes para serem realizadas, olhar para nossa cidade e buscar o que pode ser feito sem perder nossa visão de futuro”, destacou a secretária municipal de Cultura e Turismo, Nilde Brun.

A metodologia inovadora utilizada para construir o plano foi a Jornada do Turista, formada por cinco fases, sendo elas: Planejamento e reservas; Viagem ao Destino; A Chegada; No Destino e Partida. Cada um destes passos foi amplamente estruturado e apresenta objetivos e indicadores de alcance. O método citado acima foi utilizado, inclusive, na construção de planos de turismo de Melbourn, cidade conhecida como capital cultural da Austrália.

Turismo estruturado

A cada ano, até 2027, o plano passará por atualizações. Durante as revisões serão considerados os resultados obtidos no período e a criação de novas metas para alcançar a visão de futuro mencionada no documento.  

“Estamos otimistas com essa parceria público-privada, que foi construída em volta do turismo. Enxergamos o futuro do setor com mais conforto, pois a tendência é que haja mais assertividade nas ações diante das ações propostas em um Plano Municipal de Turismo”, resumiu o presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur) e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-MS), Marcelo Mesquita.

Além de contribuir com o desenvolvimento econômico da Capital, o Turismo estruturado, conforme previsto no documento, gerará impacto significativo para as micro e pequenas empresas.

“Atendemos um pedido de apoio para a construção do plano e estabelecer as ações foi um ponto fundamental que nos dirá muito sobre o futuro que iremos trilhar. O turismo mexe com muitos segmentos e por isto vai contribuir muito com o desenvolvimento dos pequenos negócios, que vai ao encontro do grande objetivo do Sebrae”, concluiu a gestora de Turismo da entidade, Isabella Carvalho Fernandes.

Presidente da fundtur/MS, Bruno Wendling, prefeito Marquinhos Trad e a diretora-presidente da Sectur, Nilde Brun: parcerias. Foto: Divulgação

Ações da Fundtur

Ainda durante o lançamento do Plano Municipal de Turismo, a Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur), a Associação Brasileira das Agências de Viagens (ABAV-MS) , o do Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MS) e o Campo Grande Destination (antigo Convention & Visitors Bureau) assinaram um protocolo de intenções que prevê uma série de contribuições para desenvolver o turismo em Campo Grande. 

As ações de cada uma das entidades, inclusive, estão alinhadas com o Plano Municipal de Turismo, mas devem ser colocadas dentro de 90 dias, ou seja, até o final deste ano.

A Fundtur, por exemplo, contribuirá com 28 ações. Entre elas está prevista a construção de política para captar eventos, gerar conteúdo com linguagem comercial, aplicar o Inventário Turístico no município e mantê-lo atualizado anualmente, gerar estratégia de comunicação direta com o campo-grandense sobre as peculiaridades e potencialidades mapeadas.

“Queremos fazer um alinhamento entre as políticas estaduais e municipais para que o turismo de Campo Grande se estruture cada vez mais, se consolide de fato e se torne então uma referência no turismo de negócios e eventos do estado”, ponderou o diretor-presidente da Fundtur, Bruno Wendling.

O Sebrae-MS, por sua vez, entre suas 15 ações , quer mapear o potencial turístico dos bairros, parques urbanos e áreas verdes do entorno da Capital.

Leia Também

Square

Relatos de viagem

“Boca da Onça, a trilha que desgasta seu corpo, mas fortalece sua alma”

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Os problemas ambientais mais sérios são egoísmo, ganância e apatia... E para lidar com eles precisamos de uma transformação espiritual e cultural – e nós, cientistas, não sabemos fazer isso

James Gustave (Gus) Speth

Vídeos

Mergulho com algas na Lagoa Misteriosa, em Jardim

Mais Vídeos

Eco Debate

MARIA TEREZA JORGE PÁDUA

Quero ser defensora pública dos bichos

VALMIR BATISTA CORRÊA

Cutucando a onça

TASSO AZEVEDO

Eletrizante