terça, 21 de janeiro de 2020
É LEI!

Ponte de madeira do Lontra é patrimônio municipal

17 AGO 2017 - 17h20Por Sílvio Andrade

A preocupação da comunidade e dos empresários de turismo da região do Passo do Lontra, situado às margens do Rio Miranda, na Estrada Parque de Corumbá, parece estar caminhando para uma solução: a antiga ponte de madeira sobre aquele afluente do Rio Paraguai foi tombada por interesse histórico e cultural pelo município, em 2009.

A lei nº 2105, em vigor a partir de 16 de outubro daquele ano, foi promulgada pelo presidente da Câmara Municipal, Antônio Luiz de Almeida Vianna, e assim a estrutura não poderá ser demolida. O temor é que, com a retirada da ponte (ao seu lado foi construída uma de concreto, em 2013), grandes embarcações de pesca esportiva invadam a região.

A lei aprovada pelo legislativo municipal corumbaense foi rejeitada pelo prefeito da época e vencido o prazo regimental, o projeto voltou à Câmara, que decidiu pela sua promulgação. A decisão atendia pedido dos empresários de turismo da localidade e antecipava uma discussão de um tema que polemizou depois da construção da ponte de concreto.

Tombamento nacional

Segundo o presidente do conselho gestor da Estrada Parte, unidade de conservação criada em 1993, João Venturini Junior, existe uma pressão dos proprietários de barcos-hoteis de Corumbá, para a demolição da ponte velha, que obstrui a passagem de grandes embarcações pelos vãos da ponte de concreto, que tem mais de sete metros do nível do rio.

Venturini explicou que a presença dos barcos-hotéis coloca em risco o ecossistema da região, onde a principal atividade de turismo é o ecológico. Existem várias reservas naturais aquáticas, onde é proibida a pesca esportiva. Os empresários locais cobram do município e do estado uma norma que disciplina o uso dos recursos naturais, como existe em Bonito, limitando inclusive número de turistas.

“Essa informação de que a ponte de madeira é patrimônio nos tranquiliza, mas vamos buscar apoio para que esse tombamento chegue aos níveis estadual e nacional”, adiantou o presidente do conselho gestor.

Manutenção regular

A Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) informou, por meio de sua residência em Corumbá, que não existe nenhuma decisão em relação a retirada da ponte de madeira, que deverá ser usada apenas para passagem de pedestres. A agência também tem feito manutenção periódica em sua estrutura, inclusive retirando a vegetação acumulada que pressiona seus pilares.

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Se você acha a aventura perigosa, tente a rotina, é mortal

Paulo Coelho, jornalista, escritor

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica