sábado, 07 de dezembro de 2019
VALE A PENA

Cruzeiro pelo Pantanal une conforto e natureza selvagem

04 DEZ 2019 - 16h45Por SÍLVIO DE ANDRADE

Com a chegada da piracema – quando cessa a pesca no Pantanal por conta do período de reprodução dos peixes -, o turista tem a oportunidade de fazer um passeio diferente para conhecer e contemplar um dos biomas mais preservados do planeta: os cruzeiros fluviais.

A opção é oferecida pela Joicetur, de Corumbá, um dos principais destinos de pesca esportiva e natureza do Brasil. A agência conta com uma das maiores estruturas – quatro barcos-hotéis – para uma viagem que une belezas naturais, vivência com os nativos e conforto.

Os cruzeiros fluviais são uma alternativa nova de lazer na região, onde o turismo praticamente entrava em recesso durante os quatro meses – novembro a fevereiro – de piracema. Esse ciclo foi quebrado pela empreendedora Joice Santana, 47, que apostou em um atrativo diferenciado na baixa temporada.

Banho de rio cristalino, no Negrinho, próximo a Corumbá

“O turismo ecológico, nesse período, além de manter o emprego para pessoas que eram dispensadas na piracema, agrega valor não apenas para o nosso negócio”, afirma a empresária. “Ganha o ribeirinho, que vende seus produtos, e o comércio da cidade.”

A agência oferece dois tipos de cruzeiro: água e terra. O primeiro, é uma viagem por mais de 240 km Rio Paraguai acima (ao Norte), até a divisa de Mato Grosso do Sul com Mato Grosso. O segundo, desce o mesmo rio e metade do passeio é feito na Estrada-Parque da Nhecolândia, um dos pantanais com maior biodiversidade.

City tour e Bolívia

O último passeio do ano está programado para 22 de dezembro, mas o turista poderá programar sua viagem para janeiro e fevereiro de 2020. O Cruzeiro Água, com cinco dias, sai aos sábados, do porto-geral de Corumbá; o Terra, com a mesma duração, embarca às segundas-feiras.

Kayamã sobe o rio, ao lado da captação de água de Corumbá: uma viagem inesquecível

O pacote inclui hospedagem em Corumbá e três diárias no barco-hotel, com pensão completa e seis passeios. No primeiro dia, o grupo participa de um city tour pela histórica cidade, fundada há 241 anos, e tem ainda a opção de visitar o comércio de Puerto Quijaro, cidade boliviana distante 5 km do centro da Capital do Pantanal.

O passeio é inesquecível, em embarcações classe yatch, modernas e com amplo espaço e conforto. O Cruzeiro Água é feito no barco Comodoro, com capacidade para 30 passageiros. Conta com 15 cabines com sacada privativa, elevador, duas piscinas, salas de cinema e jogos e academia.

No Cruzeiro Terra, você estará à bordo do Kayamã, o mais imponente dos barcos-hotéis: capacidade para 50 pessoas, confortavelmente instaladas em 50 camarotes, elevador, três piscinas, restaurante panorâmico, salas de TV e jogos, spa e academia, em três pavimentos.

Piscina do barco Comodoro, um dos mais modernos da frota de turismo

Contato com a natureza

Os passeios se completam – impossível dizer qual o melhor. O Água leva o turista a uma emersão por um “mar” que circunda a misteriosa morraria do Amolar, onde grande parte da área é protegida por reservas. No caminho, o turista visita famílias tradicionais, que moram em casas de palafitas e sobrevivem da pesca e do artesanato.

Camarote do Comodoro: conforto com panorâmica

Contemplar a Serra do Amolar é algo emocionante. Os botes levam os visitantes até o pé da morraria, navegando em banhados de água limpa e fauna diversificada. Visita a antiga fazenda Acurizal, onde é realizada uma trilha, e ao Parque Nacional do Pantanal. Lugares intocáveis, com inscrições rupestres e vitória-régia.

Cavalgada na Pousada São João, Estrada-Parque

O Terra percorre de barco de Corumbá ao Porto da Manga, por 80 km de rio. A partir dessa antiga comunidade de pescadores, o passeio segue em carro aberto pela Estrada-Parque (MS-228) - um safári ecológico - até a Pousada São João, onde as atividades incluem cavalgada, trilha e almoço pantaneiro. Região de incidência de onça-pintada.

No retorno ao barco, oportunidade de se banhar nas águas transparentes dos afluentes do Rio Paraguai, dentre eles o Negrinho, ou passear de caiaque, em um ambiente que lhe proporcionará uma sensação de liberdade. Muito verde, passarada rompendo o silêncio e pôr-do-sol para completar o dia – e o passeio.

Mais informações:
www.joicetur.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Pela Ruta 40, superando limites e um a menos na equipe

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Pior que não terminar uma viagem, é nunca partir

Amyr Klink, navegador e escritor

Vídeos

Vidas do Pantanal: a empresária

Mais Vídeos

Eco Debate

MARTIN PETERSEN

Como o Brasil ganha ao apostar em iniciativas verdes

BOSCO MARTINS

A Estrada Boiadeira e o Prêmio Piraputanga

RENATO PAQUET

Sustentabilidade no mercado do plástico: estamos longe?