quarta, 01 de fevereiro de 2023
VALE A PENA

Cruzeiro pelo Pantanal une conforto e natureza selvagem

04 DEZ 2019 - 16h45Por SÍLVIO DE ANDRADE

Com a chegada da piracema – quando cessa a pesca no Pantanal por conta do período de reprodução dos peixes -, o turista tem a oportunidade de fazer um passeio diferente para conhecer e contemplar um dos biomas mais preservados do planeta: os cruzeiros fluviais.

A opção é oferecida pela Joicetur, de Corumbá, um dos principais destinos de pesca esportiva e natureza do Brasil. A agência conta com uma das maiores estruturas – quatro barcos-hotéis – para uma viagem que une belezas naturais, vivência com os nativos e conforto.

Os cruzeiros fluviais são uma alternativa nova de lazer na região, onde o turismo praticamente entrava em recesso durante os quatro meses – novembro a fevereiro – de piracema. Esse ciclo foi quebrado pela empreendedora Joice Santana, 47, que apostou em um atrativo diferenciado na baixa temporada.

Banho de rio cristalino, no Negrinho, próximo a Corumbá

“O turismo ecológico, nesse período, além de manter o emprego para pessoas que eram dispensadas na piracema, agrega valor não apenas para o nosso negócio”, afirma a empresária. “Ganha o ribeirinho, que vende seus produtos, e o comércio da cidade.”

A agência oferece dois tipos de cruzeiro: água e terra. O primeiro, é uma viagem por mais de 240 km Rio Paraguai acima (ao Norte), até a divisa de Mato Grosso do Sul com Mato Grosso. O segundo, desce o mesmo rio e metade do passeio é feito na Estrada-Parque da Nhecolândia, um dos pantanais com maior biodiversidade.

City tour e Bolívia

O último passeio do ano está programado para 22 de dezembro, mas o turista poderá programar sua viagem para janeiro e fevereiro de 2020. O Cruzeiro Água, com cinco dias, sai aos sábados, do porto-geral de Corumbá; o Terra, com a mesma duração, embarca às segundas-feiras.

Kayamã sobe o rio, ao lado da captação de água de Corumbá: uma viagem inesquecível

O pacote inclui hospedagem em Corumbá e três diárias no barco-hotel, com pensão completa e seis passeios. No primeiro dia, o grupo participa de um city tour pela histórica cidade, fundada há 241 anos, e tem ainda a opção de visitar o comércio de Puerto Quijaro, cidade boliviana distante 5 km do centro da Capital do Pantanal.

O passeio é inesquecível, em embarcações classe yatch, modernas e com amplo espaço e conforto. O Cruzeiro Água é feito no barco Comodoro, com capacidade para 30 passageiros. Conta com 15 cabines com sacada privativa, elevador, duas piscinas, salas de cinema e jogos e academia.

No Cruzeiro Terra, você estará à bordo do Kayamã, o mais imponente dos barcos-hotéis: capacidade para 50 pessoas, confortavelmente instaladas em 50 camarotes, elevador, três piscinas, restaurante panorâmico, salas de TV e jogos, spa e academia, em três pavimentos.

Piscina do barco Comodoro, um dos mais modernos da frota de turismo

Contato com a natureza

Os passeios se completam – impossível dizer qual o melhor. O Água leva o turista a uma emersão por um “mar” que circunda a misteriosa morraria do Amolar, onde grande parte da área é protegida por reservas. No caminho, o turista visita famílias tradicionais, que moram em casas de palafitas e sobrevivem da pesca e do artesanato.

Camarote do Comodoro: conforto com panorâmica

Contemplar a Serra do Amolar é algo emocionante. Os botes levam os visitantes até o pé da morraria, navegando em banhados de água limpa e fauna diversificada. Visita a antiga fazenda Acurizal, onde é realizada uma trilha, e ao Parque Nacional do Pantanal. Lugares intocáveis, com inscrições rupestres e vitória-régia.

Cavalgada na Pousada São João, Estrada-Parque

O Terra percorre de barco de Corumbá ao Porto da Manga, por 80 km de rio. A partir dessa antiga comunidade de pescadores, o passeio segue em carro aberto pela Estrada-Parque (MS-228) - um safári ecológico - até a Pousada São João, onde as atividades incluem cavalgada, trilha e almoço pantaneiro. Região de incidência de onça-pintada.

No retorno ao barco, oportunidade de se banhar nas águas transparentes dos afluentes do Rio Paraguai, dentre eles o Negrinho, ou passear de caiaque, em um ambiente que lhe proporcionará uma sensação de liberdade. Muito verde, passarada rompendo o silêncio e pôr-do-sol para completar o dia – e o passeio.

Mais informações:
www.joicetur.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Quando morre um rio, morremos todos, pois somos parte da humanidade que necessita do ambiente equilibrado

Gilberto Mendes Sobrinho, juiz federal de MS, ao determinar a recuperação do Rio Taquari, em 2013

Vídeos

Parque Ecológico Rio Formoso

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Cerimônia de formatura no Pantanal

JOÃO GUILHERME SABINO OMETTO

Do discurso da COP 27 à prática do agro brasileiro

LARISSA LANDETE

Comunicar sustentabilidade precisa ser uma jornada