quarta, 16 de outubro de 2019
EM MS

Último mês de pesca esportiva tem feriado prolongado

Mais peixe nos rios garante fluxo de turistas e boa temporada em 2020

04 OUT 2019 - 08h29Por SÍLVIO DE ANDRADE

“O dourado está fazendo a festa do nosso turista”, comemora a empresária de turismo Joice Santana, de Corumbá, ao avaliar como “excelente” a atual temporada de pesca, que se finda no dia 5 de novembro – período da piracema –, com o retorno do “rei” do rio à bacia do Rio Paraguai. A moratória à espécie, decretada pelo Estado, é um indicador da importância do pesque-solte na preservação do estoque pesqueiro.

Com a pesca esportiva liberada por mais 30 dias nos rios de Mato Grosso do Sul, barcos-hotéis, pesqueiros e pousadas estão com lotação máxima e o setor tem uma expectativa de manter o fluxo de pescadores para 2020. A nova legislação da pesca amadora, que entra em vigor em 1º de janeiro do próximo ano, estabelecendo a cota zero para as principais espécies, não vai impactar a atividade no Estado. Ao contrário, a adesão do pescador é quase unânime.

“Os meus clientes apoiam em cem por cento a cota zero e estão renovando as reservas para o próximo ano”, diz Joice, cuja agência opera com turismo de pesca no Rio Paraguai há mais de 20 anos e hoje conta com uma frota de onze barcos-hotéis. “O dourado tem sido o peixe mais fisgado e isso demonstra que a proibição da captura de outras espécies será bom para todos, principalmente para o Pantanal”, sustenta. “Vamos ter um 2020 muito bom de pesca.”

Marju Venturini: “governo e trade não estão sozinhos pela conservação”. Foto: Edemir Rodrigues

Pescador consciente

O otimismo do trade reflete a satisfação do pescador em fisgar grande exemplar de um dourado, pacu, jau ou pintado, fato raro nos anos anteriores. Marju Venturini, do Parque Hotel Passo do Lontra (Corumbá), classifica a temporada como uma das melhores da década e projeta mais turistas no próximo ano com o advento da cota zero. “Estamos lotados em outubro, o turista está engajado no pesque-solte e o movimento vai dobrar em 2020”, garante.

Para o empresário Áttila Lellis, da Pousada Inhuma, no distrito de Albuquerque (Corumbá), 2019 está sendo um ano de fartura de peixes e manteve o fluxo turístico, apesar da extensão das queimadas na região, cuja fuligem ainda incomoda os visitantes. “Muitos turistas compraram pacote de cinco dias e em três dias já conseguiram a cota (5 kg e mais um exemplar). A cota zero é uma questão de adaptação, vai pegar a partir do segundo ano”, comenta.

Hoje apoiador da nova legislação pesqueira, o empresário Marcos Aurélio Nunes, 51, dono de pousada em Porto Murtinho, também fez uma avaliação positiva da temporada de pesca e está com lotação completa para o último mês. “Voltamos a ter uma boa safra de peixe, o dourado tem garantido as melhores emoções e os pescadores estão fazendo reservas para o próximo ano”, diz, animado. “O pescador quer emoções, poucos estão tirando o peixe do rio.”

Pesca em família predomina nos rios: mulheres também aderem ao pesque-solte. Foto: Saul Schramm

Pescar em família

O Rio Paraguai é o principal polo pesqueiro do Estado, com um diferencial em relação às demais regiões tradicionais de pesca esportiva: as belezas naturais do Pantanal, entre Corumbá e Porto Murtinho. São mais de 800 km de rio para desfrute e as duas cidades oferecem uma das melhores estruturas de barcos-hotéis, onde o pescador tem toda comodidade – da isca ao uísque – e ainda goza do prazer de vivenciar um dos biomas mais preservados.

Há, ainda, uma variedade de locais para passar o dia na beira dos rios ou embarcado com amigos ou em família. Exemplo das corredeiras do Aquidauana, entre os distritos de Palmeiras (Dois Irmãos do Buriti) e Piraputanga (Aquidauana), cortando uma região de morraria que agora ganha a pavimentação, pelo Governo do Estado, da Estrada Ecológica. O mesmo Aquidauana passa por Corguinho (distante 100 km da Capital), onde fica o Poço do Jau.

Outros rios piscosos, com fácil acesso: Coxim e Taquari, na região Norte; o Paraná, divisa com São Paulo e Paraná; Dourados, Miranda, Abobral (Pantanal da Nhecolândia, com acesso pela Estrada-Parque, a MS-184)) e Piquiri (divisa com Mato Grosso). No Passo do Lontra (MS-184, acesso pela BR-262), em Corumbá, o Miranda recebe as águas do Aquidauana e atrai pescadores de todo o país. Tem boa estrutura de hospedagem e pesca, incluindo áreas de camping.

Mato Grosso do Sul é um dos principais destinos de pesca esportiva do País. Foto: Saul Schramm

PMA em operação

O período de defeso para reprodução dos peixes, abrangendo os rios da bacia do Rio Paraguai, se estende de 5 de novembro a 28 de fevereiro. Nestes quase quatro meses, as principais espécies comerciais dos rios do Estado (pacu, pintado, cachara, curimba e dourado) estão protegidas para fazer a longa viagem em direção às cabeceiras e se reproduzirem, espetáculo que ganhou o nome na língua tupi-guarani de “piracema” (saída de peixes).

Com a previsão de maior movimento de pescadores nos rios, por ser o último mês de pesca do ano e com o feriado prolongado, entre os dias 11 a 13, a Polícia Militar Ambiental (PMA) iniciou no último dia 1º a Operação Pré-Piracema, envolvendo 360 policiais em todo o Estado. O objetivo é intensificar a fiscalização, prevenindo e reprimindo a pesca predatória, além de combater outros crimes ambientais, como o tráfico de papagaios em período de reprodução.

Ao anunciar a antecipação da Operação Piracema, a PMA divulgou um balanço das apreensões, prisões e autuações ocorridas no mês de outubro de 2017 e 2018. De um ano para outro, as autuações (maioria por pesca ilegal) reduziram em 51,13%, com 38 prisões em 2018. A quantidade de pescado apreendido ficou entre 684 quilos (2017) e 605 quilos (2018). Os valores das multas por pesca predatória também foram semelhantes: R$ 87 mil e R$ 85 mil.

Mais informações:

www.turismo.ms.gov.br

www.passodolontra.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O homem não tramou o tecido da vida; ele é apenas um dos seus fios

Cacique Seattle, 1884

Vídeos

Vídeo premiado em 3º lugar no II Cine Aves Campo Grande MS

Mais Vídeos

Eco Debate

JOÃO PAULO CAPOBIANCO

Muito prazer, meu nome é PPCDAm

HEITOR RODRIGUES FREIRE

A simbologia da rã

MANOEL LINHARES

A importância da legalização dos Jogos no Brasil