quarta, 16 de outubro de 2019
OPORTUNIDADES

Turismo de natureza é chave para desenvolvimento regional

Exemplos na Mata Atlântica e no Pantanal usam a gestão qualificada de áreas naturais protegidas para gerar empregos e renda

09 OUT 2019 - 10h13Por REDAÇÃO

Duas iniciativas em andamento na Mata Atlântica e no Pantanal têm demonstrado que grandes remanescentes naturais em bom estado de conservação representam uma oportunidade única para impulsionar a economia regional. Além disso, os patrimônios cultural e histórico dessas regiões também são ativos importantes para fomentar o turismo e despertar o interesse em proteger e gerir adequadamente as áreas naturais.

A Grande Reserva Mata Atlântica e o Alto Pantanal têm como base a metodologia desenvolvida pelo biólogo espanhol Ignácio Jiménez-Pérez, apresentada no livro Produção de Natureza: Parques, Rewilding e Desenvolvimento Local, lançado neste mês no Brasil.

O conceito de “Produção de Natureza” foi desenvolvido por Jiménez-Pérez quando trabalhou na Conservation Land Trust (CLT) ao longo de 13 anos no projeto de Esteros Del Iberá, na Argentina. A proposta defende que a produção da natureza seja a base para o desenvolvimento econômico e social de áreas que preservam importantes patrimônios naturais. Dessa forma, a natureza passa a oferecer produtos e atrativos para serem comercializados de forma sustentável pelo ecoturismo.

Serra do Amolar, Pantanal de Corumbá (MS): lugar intocável. Foto: Sílvio de Andrade

INSPIRAÇÃO INTERNACIONAL

Junto ao governo argentino e à província de Corrientes, Jiménez-Pérez participou da criação do maior parque natural do país, recuperando espécies selvagens extintas, como veado-campeiro, tamanduá-bandeira, cateto, anta, arara e onça-pintada. Além do impacto ambiental positivo sobre a biodiversidade, a experiência de Iberá serviu para gerar novas opções de desenvolvimento para uma região marginal dentro da economia e política argentinas.

A criação do Grande Parque Iberá não só gerou novas oportunidades de emprego como também promoveu a valorização da cultura local e a criação de uma nova Secretaria de Turismo em uma província que antes não se via como turística.

Em paralelo, a mídia internacional começou a falar sobre a região, o que fez com que o The New York Times e a revista National Geographic elegessem Iberá como um dos 50 principais lugares de natureza no mundo para se visitar, expondo-o como um destino turístico e como um exemplo de restauração ecológica e cultural.

POTENCIAL BRASILEIRO

Grande Reserva Mata Atlântica é formada por dois milhões de hectares localizados nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina Créditos: Fundação Grupo Boticário

Apesar das características singulares do Brasil, dados da Organização Mundial do Turismo (OMT) apontam que as taxas de crescimento do turismo internacional no País foram de 0,6%, em 2017, e 0,5%, em 2018. Já no Peru e na Argentina, segundo informações do Ministério do Comércio Exterior e Turismo do Peru e do Instituto Nacional de Estatística e Censos da Argentina, o crescimento em 2018 foi de 10% e 7,5%, respectivamente. Além disso, cada turista gastou, em média, US$ 53,96 por dia durante a passagem pelo Brasil, e os três destinos mais procurados têm a natureza como um forte ponto em comum: Rio de Janeiro (atraindo 29,7% dos turistas), Florianópolis (17,1%) e Foz do Iguaçu (12,9%).

Já dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o consumo interno de turismo teve um aumento de 3,2% entre os meses de janeiro e julho de 2019 quando comparado ao mesmo período do ano passado.

“Se levarmos em conta que o Brasil tem atrações naturais que incluem as cataratas mais visitadas da América, o Pantanal e a Mata Atlântica, chama atenção a escassa visitação em relação a países vizinhos”, analisa Jiménez-Pérez. “Isso nos mostra claramente como o Brasil é um gigante territorial que está ‘comercializando’ seus enormes atrativos naturais (incluindo Parques Nacionais e outras áreas protegidas) de uma maneira muito inferior a outros países da região. Se compararmos a esses padrões, parece evidente que há uma oportunidade perdida de valorizar e aproveitar a riquíssima biodiversidade brasileira”, ressalta.

A FORÇA DA BIODIVERSIDADE

O trabalho desenvolvido por Jiménez-Pérez estimulou o lançamento de dois movimentos no Brasil que prezam pelo desenvolvimento territorial a partir da conservação da natureza e dos atrativos turísticos, históricos e culturais que pequenos municípios localizados em meio a grandes áreas naturais oferecem.

Serra do Amolar é um lugar único no Pantanal, cercada por uma rede de proteção que integra mais de 300 mil hectares. Foto: Sílvio de Andrade

O Brasil abriga a maior biodiversidade mundial, cerca de 20% das espécies do planeta. Dessas, a Mata Atlântica – bioma cujo território foi reduzido a 7% da sua cobertura original, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente – concentra 35% da biodiversidade vegetal nacional, além de cerca de 850 espécies de aves, 370 de anfíbios, 200 de répteis, 270 de mamíferos e 350 de peixes.

“A conservação da natureza não é um empecilho para o desenvolvimento, mas sim um meio econômico que gera uma série de bens e serviços de qualidade, com alto valor agregado. Os atrativos naturais e culturais são oportunidades para geração de emprego e renda, principalmente para os jovens, que se sentirão motivados a permanecerem no local onde nasceram e cresceram”, explica o diretor executivo da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), instituição idealizadora da Grande Reserva Mata Atlântica, Clóvis Borges.

O local é um grande remanescente do bioma, formado por dois milhões de hectares localizados nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina e conectados por um mosaico de Unidades de Conservação (UC) públicas estaduais e federais e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN).

A região abriga espécies endêmicas, como o mico-leão-da-cara-preta e o papagaio-de-cara-roxa, e animais ‘topo de cadeia’ que indicam a qualidade ecológica do local, como a onça-pintada. O objetivo da iniciativa, que envolve uma grande rede de atores do empresariado local, poder público, academia, gestores de unidades de conservação, ONGs e pessoas sensibilizadas, é tornar a região um destino turístico de natureza como mecanismo para o desenvolvimento regional.

“O patrimônio natural que temos é um importante ativo para o desenvolvimento econômico e social. É preciso fortalecer a imagem da Mata Atlântica como destino turístico e estimular a visitação para que todos compreendam a importância da conservação e que a comunidade local aprimore cada vez mais os serviços oferecidos”, afirma Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, que também está à frente da iniciativa.

Assim como a Grande Reserva Mata Atlântica, o Alto Pantanal também reúne instituições e pessoas que atuam na região, como pesquisadores, empresários e a própria comunidade, para pensar em oportunidades de negócios e melhorias para a cadeia do turismo regional do bioma mais bem preservado do País. O projeto é liderado pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP) e pela Rede do Amolar.

“A despeito da principal atividade econômica do homem pantaneiro ter sido, historicamente, a pecuária, a fauna foi protegida no processo de ocupação que é, hoje, um exemplo para o mundo. Com a metodologia de produção de natureza conseguimos enxergar novas possibilidades, trazendo um olhar e foco mundial ao turismo com base nas exuberâncias locais”, diz o diretor do IHP, Ângelo Rabelo.

 

Sobre a Fundação Grupo Boticário

A Fundação Grupo Boticário é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial. A Fundação Grupo Boticário apoia ações de conservação da natureza em todo o Brasil, totalizando mais de 1.500 iniciativas apoiadas financeiramente. Protege 11 mil hectares de Mata Atlântica e Cerrado, por meio da criação e manutenção de duas reservas naturais. Atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e nas políticas públicas, além de contribuir para que a natureza sirva de inspiração ou seja parte da solução para diversos problemas da sociedade. A instituição defende que o patrimônio natural bem conservado é a base para o desenvolvimento econômico e bem-estar social. Também promove ações de engajamento e sensibilização, que aproximam a natureza do cotidiano das pessoas.

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O homem não tramou o tecido da vida; ele é apenas um dos seus fios

Cacique Seattle, 1884

Vídeos

Vídeo premiado em 3º lugar no II Cine Aves Campo Grande MS

Mais Vídeos

Eco Debate

JOÃO PAULO CAPOBIANCO

Muito prazer, meu nome é PPCDAm

HEITOR RODRIGUES FREIRE

A simbologia da rã

MANOEL LINHARES

A importância da legalização dos Jogos no Brasil