quinta, 22 de agosto de 2019
PARQUE DAS NEBLINAS

Campo para estudo sobre briófitas abriga espécies raras

10 AGO 2019 - 20h59Por REDAÇÃO

Parque das Neblinas, reserva ambiental da Suzano gerida pelo Instituto Ecofuturo, é um dos campos de estudo para a tese de doutorado “Como a evolução dos sistemas sexuais se relaciona aos traços reprodutivos, à diversidade genética e à termotolerância em Fissidens hewd (Fissidentaceae, Bryopsida)”, desenvolvida pelo biólogo Wagner Luiz dos Santos para a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que analisa o grupo vegetal das briófitas, em especial, os musgos.

Reconhecido pelo Programa Homem e Biosfera da UNESCO como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o Parque das é uma reserva ambiental da Suzano, gerida pelo Ecofuturo, com seis mil hectares. No local, são desenvolvidas atividades de ecoturismo, pesquisa científica, educação ambiental, manejo e restauração florestal e participação comunitária.

O objetivo da pesquisa é entender como a evolução dos sistemas sexuais do Fissidens, um gênero de musgo, está relacionado à reprodução, à diversidade genética e a termotolerância das espécies. Segundo o pesquisador, briófitas é um nome genérico destinado a três grupos de plantas que apresentam características semelhantes entre si – os musgos, as hepáticas e os antóceros. Eles foram os primeiros grupos a conquistarem o ambiente terrestre durante a evolução dos vegetais.

Riqueza das espécies

Entre as mais de 500 espécies de flora já identificadas no Parque das Neblinas, as briófitas apresentam alguns dos menores representantes em tamanho. Elas também são bioindicadoras de qualidade ambiental e removem poluentes da atmosfera e da água, além de algumas apresentarem propriedades medicinais.

“O Parque das Neblinas apresenta riqueza de espécies e, das já identificadas, inúmeras são consideradas raras. O trabalho de conservação ambiental realizado na reserva é fundamental para a maior diversidade de espécies e auxilia nos bons resultados colhidos pelo estudo”, afirma Santos. “As briófitas também servem como habitat para animais microscópicos e como substrato para o desenvolvimento de algumas plantas, como por exemplo, as orquídeas”, conclui o pesquisador.

Ao todo, são mais de 1.200 espécies da biodiversidade já identificadas nos seis mil hectares de Mata Atlântica da reserva e, dentre elas, 87 famílias botânicas. Para conhecer mais sobre a fauna e a flora protegidas na área, confira a publicação “A biodiversidade no Parque das Neblinas”, disponível gratuitamente no site do Ecofuturo.

Instituto Ecofuturo

O Instituto Ecofuturo, fundado em 1999, contribui para transformar a sociedade por meio da conservação ambiental e promoção de leitura, integrando livros, pessoas e natureza. Entre as principais iniciativas estão o projeto Biblioteca Comunitária Ecofuturo, com a implantação de mais de 100 bibliotecas no País, e a gestão do Parque das Neblinas, onde são desenvolvidas atividades de educação ambiental, pesquisa científica, ecoturismo, manejo e restauração florestal, e participação comunitária.

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Nossa maneira de viver carece de sentido

Richard Powers, escritor norte-americano

Vídeos

Turma do Labareda - conversa sobre incêndios florestais

Mais Vídeos

Eco Debate

ODILON DE OLIVEIRA

Confisco de propriedades rurais

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Grande Circo Taquari

HEITOR RODRIGUES FREIRE

Significado do Solstício