sexta, 22 de fevereiro de 2019
PRÊMIO

Apoiador da Onçafari concorre a lata de cerveja mais bonita

10 FEV 2019 - 14h37Por FÁBIO PASCHOAL

A cervejaria Cia de Brassagem Brasil (CBB) foi indicada ao Prêmio Alterosa da lata de cerveja artesanal mais bonita do Brasil pela segunda vez consecutiva, cujo concurso se encerra em 25 de março. Nessa edição, a lata escolhida foi a da onça-pintada, cerveja que apoia o Onçafari, projeto de conservação do felino.

“Além de ganharmos uma porcentagem das vendas, que ajudam a financiar nossas atividades, o mais importante é a promoção da nossa causa, da onça-pintada e da filosofia da CBB de apoiar projetos de conservação”, diz o biólogo Mario Haberfeld, fundador do Onçafari.

 “Começamos a pesquisar vários projetos que atuam na conservação de animais em extinção no Brasil. O Onçafari nos chamou a atenção por ser um projeto sério, que atua não somente na conservação das onças, mas também no  entorno com o desenvolvimento socioeconômico da região”, afirma Beatriz Oliveira, diretora de Marketing & Parceiras da CBB.

“Nos encantamos pelo projeto, a conversa com o Mario foi muito harmoniosa desde o início, tivemos a chance de conhecer pessoalmente cada estudo e  cada trabalho desenvolvido por ele e a equipe. O Onçafari é, sem dúvidas, uma das parcerias que mais nos enche de orgulho”, completou.

Ajude a CBB e o Onçafari acessando o site do Prêmio Alterosa e vote na lata da cerveja Onça-Pintada. Não se esqueça: para concluir o voto, é necessário votar em todas as categorias até o final.

O Prêmio Alterosa foi idealizado por um grupo que congrega colecionadores de itens relacionados ou contendo o logotipo de fábricas ou marcas de bebidas. Com o sucesso das cervejas artesanais e agora com a produção dessas em latas, o concurso busca enaltecer o trabalho e incentivar para que novas latas embelezem nossas prateleiras.

Conscientização

A Cia de Brassagem Brasil se inspirou nas figuras mais expressivas da fauna brasileira para criar um portfólio de cervejas que faz homenagem a espécies ameaçadas de extinção.

“Não queríamos os nossos produtos associados a carnaval, samba, praia, futebol ou à sensualidade da mulher, como já é uma prática bem comum do mercado e nada original. Então começamos a pensar em qual seria a temática do produto e aquilo que o Brasil tem de melhor e chegamos à biodiversidade brasileira, considerada a maior do mundo”, diz a diretora de Marketing & Parceiras da CBB.

Segundo Beatriz, o objetivo de quebrar estereótipos e trazer um produto com uma identidade visual totalmente diferente do que se encontra no mercado cervejeiro, as cervejas foram batizadas com nomes de espécies ameaçadas de extinção no Brasil.

“A ideia era não somente trazer um produto para as gôndolas, mas atuar na conscientização da importância destes animais para o nosso país. Decidimos fazer mais, por entendermos que não bastava somente se apropriar dos nomes destas espécies. Por que não ajudar de alguma forma? Então, antes mesmo de começarmos as nossas primeiras brassagens, constituímos as parcerias com os mais reconhecidos e sérios projetos de conservação ambiental do país que cuidam destes animais.”

Parte da renda obtida com a venda dessas cervejas é doada aos projetos de conservação parceiros da CBB. Além do Onçafari, Projeto Tamar, Associação Mico-Leão-Dourado, Instituto Pró-Carnívoros, Projeto Tamanduá, Fundação Biodiversitas, IBDN estão entre as instituições apoiadas pela cervejaria.

“É uma forma de não apenas conscientizar, mas de tornar os nossos clientes integrantes desta grande corrente do bem, além de mostrar o trabalho de cada projeto”, afirma a diretora.

Além de ser a vencedora do Prêmio Alterosa da lata de cerveja artesanal mais bonita do Brasil com a Tartaruga-de-Pente (que destina parte das vendas para o Tamar) em 2017, a CBB foi a vencedora do 2º Prêmio Brasil Brau de Gestão de Negócios em Cervejas na categoria Responsabilidade Social.

(*) Biólogo, jornalista, guia de ecoturismo e produtor de conteúdo da GreenBond e do Onçafari

Leia Também

Relatos de viagem

Dori e Adriana retornam da aventura até Ushuaia. Foram 12.380 km em 27 dias

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fim duma viagem é apenas o começo doutra. É preciso recomeçar a viagem. Sempre

JOSÉ SARAMAGO, escritor, em viagem a sua Portugal

Vídeos

Retrospectiva 2018 Projeto Onçafari

Mais Vídeos

Eco Debate

DOUGLAS MARTINS LIMA DE MOURA

O meio ambiente e as mazelas da sociedade contemporânea

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Rio Taquari: uma história a ser reescrita

CLÓVIS BORGES

A responsabilidade dos gestores públicos em processos de licenciamento ambiental