quarta, 21 de fevereiro de 2024
SIMPÓSIO

Valorização da cultura e preservação do meio ambiente

22 AGO 2017 - 22h11Por Redação

O Centro de Educação Ambiental – CEA Imbirussú foi o local escolhido para sediar o I Simpósio: Campo Grande – Meio Ambiente e Cultura – Saberes, Sabores e Sons – Trajetórias do Pantanal para a Capital.

Por meio da apresentação da cultura regional, estudantes, acadêmicos, professores e a comunidade local conheceram e puderam valorizar o meio em que vivem. O evento também proporcionou momentos de reflexão e integração com as questões ambientais.

O secretário municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, José Marcos da Fonseca, enalteceu esse momento de resgatar a nossa cultura regional voltada à preservação ambiental, cultural e o desenvolvimento sustentável.

“Tudo ao nosso redor integra o meio ambiente, estamos numa constante interação. Desta forma, valorizar a cultura regional é também uma forma de preservar e valorizar o meio ambiente. E queremos aliar isso para o fortalecimento de ações e propostas para um desenvolvimento sustentável”, salientou o titular da Semadur.

Valorizar

Já a secretária-adjunta de Cultura e Turismo, Laura Miranda, destacou o sentimento de orgulho e pertencimento junto à nossa cultura. “É importante unirmos cultura, turismo e meio ambiente, devemos mostrar que nossa cidade é rica em patrimônio cultural, na gastronomia, além da preservação ambiental que reflete no que chamamos de turismo sustentável. E essas futuras gerações devem aprender a valorizar a cultura regional”.

O professor de gastronomia do Senac, Antônio Luiz Santos, apresentou ao público presente algumas particularidades e curiosidades da cultura regional, a influência das culturas de outras nacionalidades que se estabeleceram em Campo Grande além de destacar a cultura pantaneira.

“É importante os jovens se identificarem com a sua cultura para que possam conservar essa riqueza. Observamos em Campo Grande toda essa herança cultural em vários aspectos, principalmente a pantaneira. O sabor, por exemplo, é a introdução à construção cultural da pessoa”, disse Santos.

Resgate

Após a palestra, os participantes saborearam a chipa, além de acompanhar a elaboração do prato tipicamente pantaneiro chamado de Macarrão de Comitiva, que também foi servido. Os ingredientes do prato são macarrão, carne soliada, cebola, alho, sal, urucum, banha de porco e água.

Petrona Benites, da Associação de Moradores do Nova Campo Grande, participou do evento e lembrou que muitas crianças não têm noção da riqueza da nossa cultura.

“Eventos como esse são fundamentais para o regate histórico e cultural. Nossas crianças estão perdendo esse contato com a cultura regional, não estão sabendo preservar o meio ambiente em que vivem. Então, com o apoio devido podemos mudar essa situação”, ressaltou a líder comunitária.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fogo tem devastado as unidades de conservação do Pantanal, porém as Ongs culpam os vizinhos pantaneiros. E ai MP?

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"