sexta, 03 de abril de 2020
CULTURA

Livro de imagens mostra exílio de um elefante na natureza

28 JUN 2017 - 22h23Por Silvio

A palavra africana “cambaco” significa, num dos dialetos mais falados em Moçambique, “elefante velho, solitário, afastado da manada”. Esta é a metáfora explorada pelo premiado artista Manu Maltez em seu novo livro de imagens, no qual recria o trajeto de um elefante rumo ao seu derradeiro destino.

Em meio a paisagens devastadas e figuras mitológicas, o animal caminha, alheio ao que ocorre em torno dele. Uma jornada mítica que provoca reflexões sobre o ciclo da vida, a memória, o fazer artístico e, fundamentalmente, sobre as consequências das ações das pessoas no meio ambiente e entre seus pares. A África, com sua rica simbologia, é um dos eixos centrais dessa narrativa, que põe em cena questões existenciais, éticas e filosóficas sob a forma de desigualdades sociais, guerras e extinção animal.

As ilustrações, plenas de referências culturais, que alternam esboços e desenhos altamente elaborados, fazem uso de closes e combinam técnicas variadas, entre outros aspectos formais, acentuando a intensidade dramática da história. A fusão do homem com o elefante, que resulta no personagem Cambaco, condensa vários sentidos, remetendo aos mitos de criação e aos seres mitológicos híbridos como o minotauro. Várias outras imagens de nascimento e renascimento se desdobram nessa narrativa imagética, como a da baleia e do sopro vital. Entre as inúmeras referências presentes na obra de forma direta ou indireta está o poema “O elefante” de Carlos Drummond de Andrade.

O livro Cambaco surgiu de um curta-metragem de animação criado por Maltez e é também o nome de uma música (feita pelo autor em parceria com o compositor Vicente Barreto). A edição traz ainda um texto de apresentação assinado por Angela-Lago, nome consagrado da literatura infantojuvenil.

Manu Maltez nasceu em São Paulo, em 1977. É um artista polivalente que trabalha com diversas linguagens: artes visuais, música, texto e cinema. Tem vários livros publicados, entre eles a adaptação livre em imagens para o poema O Corvo, de Edgar Allan Poe, (Prêmio Jabuti de Ilustração 2011) e Desequilibristas (Prêmio FNLIJ Melhor Livro Jovem, 2015).

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores