sexta, 24 de maio de 2024
CULTURA

Livro de imagens mostra exílio de um elefante na natureza

28 JUN 2017 - 22h23Por Silvio de Andrade

A palavra africana “cambaco” significa, num dos dialetos mais falados em Moçambique, “elefante velho, solitário, afastado da manada”. Esta é a metáfora explorada pelo premiado artista Manu Maltez em seu novo livro de imagens, no qual recria o trajeto de um elefante rumo ao seu derradeiro destino.

Em meio a paisagens devastadas e figuras mitológicas, o animal caminha, alheio ao que ocorre em torno dele. Uma jornada mítica que provoca reflexões sobre o ciclo da vida, a memória, o fazer artístico e, fundamentalmente, sobre as consequências das ações das pessoas no meio ambiente e entre seus pares. A África, com sua rica simbologia, é um dos eixos centrais dessa narrativa, que põe em cena questões existenciais, éticas e filosóficas sob a forma de desigualdades sociais, guerras e extinção animal.

As ilustrações, plenas de referências culturais, que alternam esboços e desenhos altamente elaborados, fazem uso de closes e combinam técnicas variadas, entre outros aspectos formais, acentuando a intensidade dramática da história. A fusão do homem com o elefante, que resulta no personagem Cambaco, condensa vários sentidos, remetendo aos mitos de criação e aos seres mitológicos híbridos como o minotauro. Várias outras imagens de nascimento e renascimento se desdobram nessa narrativa imagética, como a da baleia e do sopro vital. Entre as inúmeras referências presentes na obra de forma direta ou indireta está o poema “O elefante” de Carlos Drummond de Andrade.

O livro Cambaco surgiu de um curta-metragem de animação criado por Maltez e é também o nome de uma música (feita pelo autor em parceria com o compositor Vicente Barreto). A edição traz ainda um texto de apresentação assinado por Angela-Lago, nome consagrado da literatura infantojuvenil.

Manu Maltez nasceu em São Paulo, em 1977. É um artista polivalente que trabalha com diversas linguagens: artes visuais, música, texto e cinema. Tem vários livros publicados, entre eles a adaptação livre em imagens para o poema O Corvo, de Edgar Allan Poe, (Prêmio Jabuti de Ilustração 2011) e Desequilibristas (Prêmio FNLIJ Melhor Livro Jovem, 2015).

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender