quarta, 12 de junho de 2024
SÃO JOÃO

Gastronomia junina movimenta turistas em todo o país

Em Corumbá (MS), onde acontece o Banho de São João, predomina a comida pantaneira

21 MAI 2023 - 09h27Por REDAÇÃO

Faltam poucos dias para o São João no Brasil e entre os atrativos desta grande festa estão as comidas típicas, que encantam o paladar e movimentam milhares de visitantes nos tradicionais destinos do país. Canjica, pamonha, quentão, pinhão... hummm! O que não faltam são opções para os amantes da gastronomia regional brasileira realizarem uma verdadeira viagem pelo sabor e pela cultura do nosso país. Mas você sabia que em cada cantinho do Brasil há um sabor ou curiosidade culinária específica nesta época do ano?

O milho e o amendoim são alguns dos ingredientes encontrados nos pratos típicos do São João do Centro-Oeste. Em Mato Grosso do Sul, a Sopa Paraguaia é servida quente e pode ser consumida como entrada ou acompanhamento para outros pratos típicos das festividades, como o arroz carreteiro. Em Corumbá (MS), onde acontece o Banho de São João (no Rio Paraguai), o porto geral da cidade torna-se um circuito da gastronomia pantaneira, incluindo o arroz carreteiro, paçoca de carne seca, caldo de piranha e o churrasco. Já em Goiás, dois quitutes enchem os olhos dos visitantes: o Empadão Goiano e o Arroz com Pequi. Os dois são encontrados facilmente em todo o estado nesta época do ano.

No Maranhão, por exemplo, o arroz de cuxá e a torta de camarão dão um toque especial na culinária junina do estado e têm presenças garantidas nas barraquinhas dos arraiais. O primeiro prato é um dos xodós dos maranhenses e é feito com ingredientes como: vinagreira, diferentes especiarias, farinha de mandioca e camarão. O fruto do mar, também, é um dos principais componentes do segundo prato e dá um charme à mais na receita, que, apesar de ser típica do período junino, permanece na gastronomia regional durante todo o ano. Com tantos sabores inconfundíveis, é difícil resistir.

Ainda na região Nordeste, Caruaru (PE) é a terra das comidas gigantes durante o São João. A cidade pernambucana tem todos os anos um calendário para a preparação das delícias juninas. Neste ano, o destino sediará, entre outros, o “Maior Munguzá do Sertão”, o “Maior Quentão do Mundo” e a “Maior Tapioca do Mundo”. É comida para mais de metro! E não acabou por aí. A cidade ainda guarda o famoso Bolo de Pé de Moleque, que traz ingredientes como farinha de mandioca, ovos, goiabada, coco e castanha de caju. “Bão dimais”!

No sul do Brasil, o pinhão é um dos principais alimentos consumidos no período junino, principalmente se ele estiver cozido. Mas a semente também pode ser encontrada em diversas outras receitas, entre elas, bolos, paçocas, doces, sopas e no quentão. O frio, típico da região, ainda dá a oportunidade aos viajantes de se deliciarem com o famoso churrasco, o arroz carreteiro e o chimarrão, bebida típica do Rio Grande do Sul. Opções não faltam para desfrutar uma das melhores festas do nosso país nesta região.  

Já no Norte, dois pratos típicos dominam as paradas culinárias da região. No Amazonas, o X-caboquinho, sanduíche de tucumã que vem acompanhado de banana frita e queijo coalho, é um dos preferidos para o café da manhã ou para o lanche da tarde. No Pará, o Tacacá é um dos mais populares. A sopa tradicional na região, feita com tucupi, goma de tapioca, camarão seco, jambu e outros temperos é a principal pedida dos viajantes. Além dessas opções, é comum encontrar outras comidas, como a maniçoba e o bolo de macaxeira. Com tantas opções deliciosas, é impossível resistir às tentações gastronômicas do São João!

Leia Também

Relatos de viagem

Gabi viveu o deserto e o céu mais estrelado do mundo

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Leio a manchete: 'deputados de MS propõem audiência para solucionar queimadas'. Pantanal está salvo, graças a Deus!

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

MARIANA PONTES

Cerrado e Caatinga são patrimônios do Brasil e precisam ser protegidos

EDUARDO CRUZETTA

Um dia pelo Meio Ambiente, 300 anos pela pecuária conservando o Pantanal

LEO CÉSAR MELO

O estado de calamidade no Sul e as mudanças climáticas