sexta, 24 de maio de 2024
CORUMBÁ

Catedral de Nossa Senhora da Candelária é patrimônio estadual

16 AGO 2017 - 17h27Por Redação

A Catedral de Nossa Senhora da Candelária foi reconhecida como Bem do Patrimônio Histórico Material de Mato Grosso do Sul. A decisão pelo tombamento foi publicada no Diário Oficial do Estado. O documento é assinado pelo secretário estadual de Cultura e Cidadania, Athayde Nery.

Conforme a publicação, o Conselho Estadual de Cultura concluiu que a Igreja “está entre as edificações de maior expressão quanto à riqueza histórica e arquitetônica de Mato Grosso do Sul”. O prédio, com elementos da arquitetura eclética, cuja pedra fundamental foi lançada em 1872 pelo pregador imperial e Vigário da Vara, Frei Mariano de Bagnaia, foi inaugurado em 1877.

Na igreja está a imagem da padroeira de Corumbá, Nossa Senhora da Candelária, e em sua construção foi encontrado um brasão da Coroa Portuguesa. Cercada de história que, reais ou não, alimentam o imaginário da população, criando vínculos memorialísticos e culturais, a Catedral está inserida numa região próxima de outros prédios e monumentos que já tiveram seu valor histórico reconhecido.

A Catedral está interditada desde junho de 2016, quando parte da estrutura de gesso do teto caiu. Com o apoio da Prefeitura, do Estado e da comunidade, a reforma da igreja é realizada por etapas, com a possibilidade de reabrir até o final do ano.

Decreto municipal

No dia 2 de fevereiro deste ano, Dia da Padroeira de Corumbá, o prefeito da cidade Ruiter Cunha de Oliveira protagonizou um momento histórico para a comunidade católica, bem como para a população local, ao assinar o decreto nº 1.748, reconhecendo a Catedral de Nossa Senhora da Candelária como Patrimônio Histórico e Cultural do município.  

A declaração levou em consideração a proteção do patrimônio histórico e cultural que zela pela preservação das características arquitetônicas; a importância da proteção dos valores históricos e culturais para afirmação da identidade de um povo; o valor histórico da catedral no contexto da cidade; por ser o templo mais antigo do Estado de Mato Grosso do Sul; por ser padroeira da Diocese de Santa Cruz de Corumbá; e titular da Igreja Catedral.

“Muito mais do que reconhecer o conjunto arquitetônico que é belo e precisa ser preservado, reconhecemos um patrimônio que faz parte da nossa tradição, história e cultura e que significa muito para o povo de Corumbá. Nossos profundos agradecimentos a Nossa Senhora pelas bênçãos, proteções e luz”, enfatizou Ruiter na época.

“É esse simbolismo que a gente quer expressar neste ato. Esse decreto, a partir de agora, fortalece ainda mais a preservação, reforma e manutenção do nosso templo. A população de Corumbá abraçou esta causa”, acrescentou o prefeito.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender