sábado, 28 de março de 2020
GASTRONOMIA

A rica e deliciosa culinária de Campo Grande

14 JUL 2017 - 09h02Por Redação

A culinária de Campo Grande incorpora vários sabores que conquistam o turista, resultado da miscigenação da cultura local. O churrasco não poderia faltar na terra escolhida por milhares de gaúchos, paraguaios... Mas é o acompanhamento da mandioca amarela e macia que faz toda a diferença.

E para completar, umas gotas de shoyu, o tempero japonês à base de soja que se tornou popular entre os campo-grandenses. Do povo oriental a cidade também adotou outra delícia: o sobá, um tipo de macarrão facilmente encontrado em bares, locais turísticos, como a Feira Central, e restaurantes.

A sopa paraguaia não vem acompanhada de colher. Mas não estranhe. É um tipo de bolo salgado à base de milho, cebola e queijo. Outra delícia irresistível é a chipa, a versão paraguaia de pão de queijo mineiro, feita com povilho doce.

Muito cuidado ao experimentar o arroz ou galinha com pequi. A fruta típica do cerrado contém espinhos em seu caroço e pode causar sérios transtornos aos desavisados. A guariroba, um palmito de sabor amargo, também está em várias combinações da culinária regional. Outro prato muito popular é o arroz-carreteiro feito com charque.

Os peixes da região também são ricos em sabor. Pacu, dourado e pintado lideram a preferência. E que tal um bom caldo de piranha? Além de revigorar energias, ele tem fama de afrodisíaco.

Uma dica, vários restaurantes da cidade incorporam ao cardápio receitas desenvolvidas com produtos regionais. Já pensou em experimentar um nhoque de mandioca com molho de carne seca? Quando estiver em Campo Grande confira. A culinária regional é rica e saborosa! 

E se a sede bater depois do roteiro gastronômico, nada melhor do que a bebida típica da região: o tereré, servido numa guampa de chifre de boi e bebido com uma bomba. Existem regras bem definidas numa roda de tereré. A tradição é levada a sério e vale a pena conhecê-la.

O  tereré é uma bebida típica sul-americana feita com a infusão da erva-mate em água fria. De origem guarani, pode ser consumido com limão, hortelã, entre outros.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores