sexta, 24 de maio de 2024
FESTIVAL

Vozes na Fronteira: ritmos regionais e latinos em Murtinho

29 MAI 2023 - 09h29Por SILVIO DE ANDRADE

Porto Murtinho, no extremo oeste da fronteira com o Paraguai, reúne nos dias 3 e 4 de junho consagrados interpretes da música regional para reverenciar a diversidade cultural de Mato Grosso do Sul e a festejada Rota Bioceânica, corredor que unirá os oceanos Atlântico e Pacífico. A primeira edição do Vozes na Fronteira será realizada na Praça de Eventos da cidade, com entrada franca, e faz parte da programação de aniversário da cidade, no dia 13 de junho.

Promovido pela prefeitura local, com apoio do Ministério da Cultura, o festival terá oito shows: na primeira noite (sábado), se apresentam o Grupo Vozes, Marcelo Loureiro, Girsel da Viola e Fábio Kaída (Fábio da Harpa); no domingo, sobem ao palco Maria Cláudia e Marcos Mendes, Carlos Colman, o violeiro Aurélio Miranda e acordeonista Rodrigo Nogueira e grupo. A direção artística será de Odon Nacasato, cantor, compositor, produtor, empresário e líder do Grupo Vozes.

Aurélio Miranda

A seleção artística reúne autênticos representantes da música regional, mesclada pelo sertanejo raiz, o ecletismo e as influências fronteiriças, não faltando também o chamamé com os grandes instrumentistas Marcelo Loureiro, Fabio da Harpa e Rodrigo Nogueira. Abrindo o festival, o Grupo Vozes apresentará um repertório que traduz a leitura dinâmica da música sul-mato-grossense, com algumas influências mineiras, em especial de Milton Nascimento.

Maria Claudia e Marcos Mendes

“Estamos levando ao festival a síntese do nosso cancioneiro, de forma a contemplar a diversidade cultural de Mato Grosso do Sul, da moda de viola ao chamamé. Será um privilegio não apenas para o público do Estado, mas certamente para os irmãos fronteiriços”, resume Odon Nacasato, produtor de várias obras que são verdadeiros clássicos da música regional e idealizador de projetos como o Mato Grosso do Som e Festival do Mercosul.

Gravação de DVD

Portal da Bioceânica, rota rodoviária que vai fomentar o comércio do Brasil com o Paraguai, Argentina e Chile e reduzir distâncias marítimas ao mercado asiático, Porto Murtinho tornou-se o centro das atenções pela sua posição estratégica, onde a música também se apresenta como protagonista desse novo momento. A busca dos países pelo entrelaçamento cultural fez do 1º Festival Internacional do Chamamé, realizado na cidade em 2022, um grande sucesso.

Marcelo Loureiro

“Estamos preparando a nossa Murtinho para esse grande salto, depois de muitos anos no esquecimento e sem investimentos públicos ou privados, e a cultura faz parte desse novo momento histórico que vivenciamos”, afirma o prefeito Nelson Cintra. “Queremos, pela música, expandir essa integração que tanto buscamos e está se tornando uma realidade. Os festivais do Chamamé e Vozes na Fronteira já fazem parte do nosso calendário de eventos.”

Acordeonista Rodrigo Nogueira

 

A partir da segunda edição, o Vozes na Fronteira se tornará mais abrangente com a participação de artistas e grupos do Paraguai, Argentina e Chile. Neste lançamento do projeto, nos 3 e 4 de junho, o grande momento da música regional será eternizado com a gravação de um DVD ao vivo (20 músicas, a maioria autorais dos artistas convidados). O festival conta com recursos federais por meio de emenda parlamentar do deputado federal Vander Loubet (PT).

Serviço

Porto Murtinho fica distante 440 km de Campo Grande, pelas BRs 060 e 267. Cidade histórica, situada na margem esquerda do Rio Paraguai, é um dos principais destinos turísticos de Mato Grosso do Sul. O município integra a sub-região do Nabileque do Pantanal. Além da pesca esportiva, com vários pesqueiros e barcos-hotéis operando com bons roteiros, o visitante tem opções de realizar um passeio pelo rio, conhecer o centro histórico e praticar a observação de aves.
 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender