sábado, 24 de fevereiro de 2024
GASTRONOMIA

Sashimi fez da piranha um peixe valorizado na pescaria do Pantanal

04 AGO 2017 - 09h10Por Sílvio Andrade

Já foi o tempo de se devolver à água tantas quantas piranhas fisgadas durante as pescarias nos rios pantaneiros. O pescador até comemora, ao invés de depreciar um dos peixes mais abundantes da bacia do Rio Paraguai, e simplesmente descarta-lo, na tentativa de pegar um dourado, ou um pacu, um dourado, espécies nobres, e contar vantagem na roda da cerveja.

A tão temida piranha, popularizada na nossa gastronomia pelo caldo que se faz com ela, ganhou enfim outras formas de ser consumida. Muitos já conhecem o torresminho, mas o sashimi, prato tipicamente oriental, vem agradando o gosto de quem segue pelo rio em busca dos peixes – e ajudando a divulgar a gastronomia local.

Essa mudança de gosto – e hábito – do pescador se deve a introdução, há mais de cinco anos, da nova especialidade na gastronomia pantaneira à base de peixe. Sim, sua carne saborosa virou o prato clássico da culinária japonesa, elaborado na hora com pelo menos quatro exemplares pelo piloteiro (guia de pesca e condutor de barco), na barranca do rio ou encostado no camalote.

O sashimi de piranha foi introduzido em Corumbá, um dos principais destinos de pesca esportiva em águas doces do interior brasileiro, e agregou valor aos pacotes oferecidos por mais de 30 barcos-hotéis e pesqueiros. Tanto que, em 2012, o Sebrae qualificou os piloteiros com cortes especiais da carne e novos temperos, enriquecendo seu paladar.

“O pescador gostou da novidade e a piranha deixou de apenas mais uma piranha, ou um animal intruso na pescaria”, afirma o empresário Luiz Antônio Martins, dono de hotéis e agencia de turismo na cidade. “Hoje a carne da piranha também passou a ser nobre e nos nossos barcos a fazemos de todo tipo, assada, ensopada, isca, inclusive nas refeições.”

Prato virou o diferencial da pescaria

Mesmo em Corumbá e outros polos turísticos é comum os barcos e pesqueiros ofereceram, como tira-gosto no retorno da pescaria, os caldos ou carne crua de espécies de peixes nobres, como tucunaré e o curimbatá. Daí surgiu a ideia de aproveitar o descarte das piranhas, amontoadas nos freezers, e oferecer ao turista algo diferente, que lhe proporcionasse também prazer – inclusive de pescar a piranha.

“(O sashimi de piranha) tem sido o nosso diferencial, o pescador aprovou 100% e até vibra quando pega uma piranha”, conta a empresária Joice Santana, que tem uma das principais frotas de barcos adaptados para a pesca em grupos da cidade. “Existe até um deslumbre quando o pescador prova do sashimi de uma carne fresca e muito nutritiva”, acrescenta.

O Projeto Pirangueiro do Sebrae, que ensinou os piloteiros ao preparo especial e correto da iguaria, também ajudou a valorizar a atração do menu servido nos barcos de pesca, que ganhou toque de chef. O curso rápido para 30 piloteiros foi ministrado pelo premiado e reconhecido chef de cozinha campo-grandense Marcilio Galeano.

Sebrae deu um toque no preparo

A iniciativa enriqueceu o preparo de um cardápio simples e criativo aos turistas, com novos conhecimentos específicos, e gerou aumento de ganhos para os empresários e também para os piloteiros, além da satisfação dos clientes. O Sebrae buscou estruturar o trabalho que já é feito, acrescentando conceitos de cortes e preparação do sashimi.

A ideia do aproveitamento de um peixe fácil de fisgar mas pouco saboreado e sem valor comercial nasceu dos próprios pescadores e piloteiros de barcos, segundo os empresários, que logo toparam a sugestão. Para o Sebrae, a padronização das técnicas e normas de higiene no preparo do prato, hoje muito requisitado, valorizou o turismo de pesca.

Além do curso, os píloteiros, na época, ganharam um “kit” (caixa térmica e faca especial para filetagem) para preparar o sashimi no próprio barco de pesca, na presença dos pescadores –  dai o cuidado com a higiene e armazenamento correto dos utensílios. Sem a necessidade de ser aquecido, o sashimi é uma opção rápida, prática e econômica para aproveitar os peixes fisgados na hora.

Retirar o filé sem espinhas, o segredo

De acordo com o chef Marcílio Galeano, a piranha, por ser pequena e possuir uma grande quantidade de espinhas, é pouco valorizada. Mas, com a técnica de corte ensinada no projeto, é possível separar o filé das espinhas e aproveitar melhor o peixe.

"Com o filé, faz­-se o sashimi. Com a carcaça que sobra, dá para fazer o caldo de piranha, um prato típico da região, e até a pele da piranha pode ser frita e servida como aperitivo. De um peixe que era descartável, aproveita-­se tudo", ensina.

O chef explica que a única diferença entre o sashimi de piranha e o tradicional, preparado com salmão, é que os cortes precisam ser mais finos por conta do excesso de espinhas do peixe pantaneiro. “Os piloteiros têm uma habilidade muito grande. Eu acabava de explicar e eles já tinham terminado de fazer a tarefa."

Chef ensina como preparar o sashimi

O primeiro corte é feito próximo à cabeça da piranha no sentido vertical. A ponta da faca deve encostar na espinha do peixe. Em seguida, outro corte é feito próximo à cauda, também na vertical. Um corte na horizontal deve ligar os dois cortes anteriores. A profundidade também é a mesma, ou seja, até a ponta da faca encostar na espinha do peixe.

No lombo do peixe, um quarto corte é feito, começando pela cabeça e seguindo em direção à cauda. Com a faca deitada, o chef Marcílio Galeano separa o filé da espinha. Conforme ele passa a faca, o filé da piranha sai por inteiro. A forma como a carne é cortada elimina as espinhas da parte retirada.

Toda a espinha da piranha permanece junto com a cabeça e a cauda. Depois de retiradas todas as partes a serem usadas no sashimi, esta carcaça vira ingrediente para o ensopado ou caldo de piranha, pratos típicos da região.

Depois de retirar os filés da piranha, é hora de separá-los da pele. Com a faca deitada, um corte fino retira a pele sem que a carne seja desperdiçada. Em seguida, os filés são cortados em lâminas finas e em partes menores para facilitar a ingestão.

Depois do corte da piranha, o próximo passo é picar os ingredientes. São usados cebola roxa, gengibre, limão, coentro, além de alho e sal. Do limão é feito um suco e os demais ingredientes são cortados em pedaços pequenos.

Dentro de um pote, a carne cortada é misturada com os demais ingredientes e recebe um pouco de sal. O chef mistura tudo dentro do pote que, em seguida, vai ao freezer para ser resfriado durante dez minutos.

Depois de ficar dez minutos no freezer, o sashimi é colocado em uma espécie de prato oriental e está pronto para o consumo. O acréscimo do molho shoyu fica a critério do cliente

Algumas rodelas de limão são colocadas na borda para finalizar a apresentação do prato.

(*) Com informações da UOL.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"