sábado, 24 de fevereiro de 2024
PORTO MURTINHO

RESGATE DA HISTÓRICA OCUPAÇÃO DA FRONTEIRA E O OLHAR NO FUTURO

Desenvolvimento à vista: cidade portuária se prepara para se tornar o "coração" da Rota Bioceânica

18 OUT 2021 - 08h19Por SÍLVIO DE ANDRADE

Integrando parte do território reivindicado pelo Paraguai antes da Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), Porto Murtinho por muitas décadas ficou isolada do resto do Estado, no extremo Sudoeste, por falta de estradas e investimento público. Às margens do Rio Paraguai, no entanto, foi um importante entreposto comercial desde o século XIX, passando pelos ciclos da erva-mate e do tanino, tornando-se centro de pecuária tradicional do Pantanal.

Os imponentes casarões construídos há mais de um século por grandes e influentes comerciantes, hoje integrando o centro histórico, contam os tempos de prosperidade econômica que perdurou até os anos de 1970 com o tanino. Explorada desde 1882, a erva-mate impulsionou a cidade fundada em 1911. A alta produção era levada ao rio por 800 carretas e 20 mil bois, com destino aos portos platinos, e de lá, Inglaterra, França e Itália, declinando na década de 1920.

Localização estratégica para exportações pelo Rio Paraguai e Rota Bioceânica, Murtinho é também destino de turismo no Pantanal. Foto: Chico Ribeiro

Preservar os prédios centenários que contam a história da ocupação daquela fronteira, palco de sangrentas batalhas, e da riqueza que aflorava dos ervais e da produção do tanino, faz parte de um projeto da prefeitura de Porto Murtinho para resgatar a memória do lugar. Uma das primeiras e emblemáticas construções da cidade, o Castelinho, marca a história de amor e tragédia entre o comerciante uruguaio Dom Thomaz Herrera e sua amada mulher Virgínia.

Prefeito Nelson Cintra: visão de futuro

Cidade alegre e colorida

Vivenciando um novo ciclo econômico, como centro estratégico da Rota Bioceânica (Atlântico-Pacífico) e polo logístico hidroviário, Porto Murtinho está em processo de grandes transformações. Além de investimentos em infraestrutura e capacitação de mão-de-obra, a prefeitura quer preparar a cidade, urbanisticamente falando, para o novo boom, inserindo também o murtinhense para que a chegada do desenvolvimento contemple a todos.

Com a revitalização do centro histórico – são mais de 120 imóveis de grande e média relevância, distribuídos por 12 quarteirões -, a cidade quer criar novos produtos turísticos e de entretenimento, formando uma rede de gastronomia e circuitos de visitação, que inclui a área portuária. Neste espaço, onde fica o prédio da prefeitura, construído em 1920, e vários monumentos, serão instaladas áreas de lazer com uma praia artificial de mil metros.

Construído nos anos 1905-1914 em estilo europeu, Castelinho foi o presente de Dom Thomaz Herrera a Virginia, sua amada australiana

“Queremos a nossa cidade mais colorida e alegre, tornando o centro histórico uma das principais entradas para receber o turista, nos preparando também para a chegada dos novos investidores”, afirma o prefeito Nelson Cintra. “Hoje, com 109 anos, Murtinho tem pouco mais de 17 mil habitantes, mas em cinco anos terá 40 mil. Precisamos avançar em infraestrutura, em serviços, e contamos com o apoio do Governo do Estado, do Sebrae e da Sudeco”, pontua.

Sentimento de pertencer

Um dos desafios do projeto deverá ser vencido em uma etapa de longo prazo: integrar a população a esse novo momento, fazendo as pessoas acreditarem nas mudanças que virão e vão gerar desenvolvimento e qualidade de vida. O murtinhense deve se sentir como parte de algo maior que já está acontecendo. Este sentimento de pertencimento será trabalhado, a partir de um inventário de todos os imóveis envolvendo a parte histórica, seus moradores.

Monumento ao Pantanal, na orla portuária

“Muitas vezes uma residência simples pertenceu ou acolheu pessoas ilustres, que fizeram história na cidade. Queremos que os moradores se sintam parte dessa história e, com isso, elevar a autoestima da população”, explica o professor Braz Leon, 54 anos, nativo fronteiriço. “Aqui já nasce falando três línguas (português, espanhol e guarani)”, se autodefine o também escritor, autor de dez livros, três dos quais sobre a fundação e fatos épicos de Murtinho.

O levantamento de cada prédio (público e privado) para embasar o projeto da nova Porto Murtinho foi concluído esta semana.  “A iniciativa de revitalizar os prédios históricos nasceu da necessidade de resgate desse espaço público, local onde a cidade se desenvolveu, mas que hoje se encontra em estado de abandono, e também incentivar os moradores a recuperar residências que fazem parte dessa história, que é de todos”, explica o prefeito Cintra.

 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"