quarta, 21 de fevereiro de 2024
EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Policiais de 11 estados participam de curso de taxidermia

04 DEZ 2017 - 08h10Por Redação

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul concluiu mais um curso de taxidermia (empalhamento) de animais silvestres e educação smbiental, o qual este ano contou com a participação de policiais ambientais de 11 estados.

Em sua sexta edição, a formação iniciada no dia 30 de novembro visa a preparar os policiais para aproveitamento de animais atropelados, ou que morrem nos centros de reabilitação de animais silvestres, fazendo taxidermia e os utilizando em oficinas de educação ambiental, em especial em escolas públicas e privadas, para discutir os problemas relacionados à fauna.

Objetiva também à troca de experiências entre as polícias ambientais sobre os tipos de trabalhos de educação ambiental que cada unidade está executando em seu estado, com a finalidade de qualificar e melhorar este trabalho tão fundamental para a minimização dos crimes e infrações ambientais.

A ideia deste tipo de trabalho de taxidermia é montar museus itinerantes de educação ambiental para serem atrativos didáticos às crianças e adolescentes, para se discutir as razões que levaram àqueles animais a estarem mortos e não na natureza.

“Trata-se de uma forma bastante didática, que tem fundamentado e tornado os trabalhos na área de Educação da Polícia Militar Ambiental extremamente requisitados, até porque, o museu de fauna itinerante é somente uma das oficinas utilizadas nos trabalhos”, explicou o tenente-coronel Queiroz, da assessoria de imprensa da PMA/MS.

Grade curricular

Os trabalhos de educação ambiental da PMA envolvem ainda oficina de reciclagem (resíduos sólidos), do ciclo da água (recursos hídricos), a casinha da energia (energias e seus impactos, bem como energias renováveis e limpas), plantio de mudas nativas (desmatamento, assoreamento, importância da flora etc.), além do teatro de fantoches, em metodologia que permite ao atendido ter a noção de que o ambiente é um complexo e, cada ente afetado, pode causar uma reação em cadeia, prejudicando todo esse complexo e, enfim, o homem nessa cadeia. Além disso, cada oficina tem um panfleto com informações básicas, que são distribuídos aos professores, para que deem continuidade aos temas.

Durante o curso foi ministrada a disciplina de educação ambiental, na qual se discutem a Política Nacional de Educação Ambiental e as dos estados que já têm sua política estruturada. A duração do curso foi de 140 horas e a capacitação faz parte da grade curricular da Polícia Militar e, portando, pode ser oferecido para policiais de outros estados.

O curso ocorreu pelo terceiro ano consecutivo na fazenda Green Farm CO2 Free, em Itaquiraí, a 70 km da cidade de Naviraí, próxima à divisa com o estado do Paraná. Neste ano, apesar dos cortes de gastos nas instituições, participaram 24 policiais de 11 estados: Rio de Janeiro, Piauí, Sergipe, Paraná, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Amazonas, Alagoas, Paraíba e Mato Grosso do Sul.

Durante o curso foram confeccionados 52 animais silvestres, que comporão os trabalhos de educação ambiental da PMA/MS. O curso foi ministrado pelos policiais militares ambientais (taxidermistas) cabo Vilson e sargentos Celso e Souza, além do tenente-coronel Queiroz (doutor em ecologia).

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fogo tem devastado as unidades de conservação do Pantanal, porém as Ongs culpam os vizinhos pantaneiros. E ai MP?

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"