sexta, 19 de julho de 2024
TANQUE DE GIGANTES

PINTADO DE 1,30 METRO É NOVA ATRAÇÃO NO BIOPARQUE PANTANAL

07 NOV 2022 - 11h09Por REDAÇÃO

O Bioparque Pantanal, complexo instalado no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, tem mais uma novidade desde novembro para quem visitar o local. O tanque Rios Grandes recebeu novos habitantes e um pintado de 1,30 metro se destaca entre os novos moradores. 

Adriano, nome de batismo em homenagem a seu doador, tem cerca de 30 quilos e chegou ao maior complexo de água doce do mundo acompanhado de mais um pintado, duas cacharas e um dourado de 80 centímetros – espécies nobres da bacia do Rio Paraguai.

Conhecido como tanque dos gigantes, o espaço já se destacava pela presença de três pirarucus, animal que pode atingir os três metros e pesar entre 100 e 200 quilos, a jaú Maria Fernanda, com mais de 20 quilos, e um pintado.

De acordo com o biólogo e curador do bioparque, Heriberto Gimenez Júnior, as espécies desse tanque têm comportamento territorialista, ficaram em quarentena por um período e foram soltos na nova morada respeitando o tamanho de cada um, primeiro os maiores. 

Governador Reinaldo Azambuja: "Mais um bom motivo para você visitar o bioparque"

Universo ambiental

Ainda segundo o profissional, o ponto turístico já está com 90% da capacidade total de peixes. “Acreditamos que até o final deste ano chegaremos em 100%”.

Para a diretora do complexo, Maria Fernanda Balestieri, a chegada dos novos exemplares é um atrativo a mais para os visitantes, não são só no que diz respeito a contemplação, mas na informação ambiental envolvendo a preservação das espécies. 

“Destacamos o pilar conservação para todos os públicos, buscando conscientizá-los sobre a importância de cada animal na natureza e de que forma podemos contribuir para que a biodiversidade seja mantida”, disse.

O habitat dos gigantes no bioparque representa rios profundos e mais volumosos com uma variedade de ambientes capazes de abrigar espécies de grande porte.

Respeitar a piracema

O Bioparque Pantanal destaca também o período da piracema (período de reprodução da ictiofauna) e a importância de respeitar a paralisação da pesca nos rios. O defeso teve início no dia 5 de novebro e segue até 28 de fevereiro de 2023, em Mato Grosso do Sul.

 

Biólogo e curador do Bioparque Pantanal, Heriberto Gimenêz Júnior explica que esse é um momento em que os peixes ficam mais vulneráveis à captura. 

“A piracema consiste na subida dos peixes para a reprodução, muitas espécies podem se deslocar mais de dois mil quilômetros acima dos rios para poder desovar”, diz o profissional.

Segundo ele, nesse período os animais passam por uma série de transformações hormonais, onde as fêmeas, durante a subida, e os machos produzem os seus gametas para conseguir consolidar a reprodução.

“Peixes de pequeno e grande porte sobem os rios em diferentes direções, rumo as nascentes para conseguir finalizar o ciclo através da desova. Por esse motivo a pesca atrapalha a subida, acarretando na captura de matrizes que serão fundamentais para a reposição dos animais no ano seguinte”, enfatiza Heriberto.

Para a diretora-geral do bioparque, Maria Fernanda Balestieri, respeitar o período de defeso é um “comprometimento com a manutenção das espécies e a conservação ambiental, um dos pilares do complexo”.

Saiba mais: bioparquepantanal

Leia Também

Relatos de viagem

Gabi viveu o deserto e o céu mais estrelado do mundo

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Leio na mídia: "Bugio expressa ternura ao ver a irmã com o sobrinho no Pantanal..." É muita masturbação.

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

MARCO MORAES

Não confunda sustentabilidade com ideologia

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Fogo Classe P de Pantanal

HEITOR RODRIGUES FREIRE

Um Caminho