segunda, 05 de dezembro de 2022
TANQUE DE GIGANTES

PINTADO DE 1,30 METRO É NOVA ATRAÇÃO NO BIOPARQUE PANTANAL

07 NOV 2022 - 11h09Por REDAÇÃO

O Bioparque Pantanal, complexo instalado no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, tem mais uma novidade desde novembro para quem visitar o local. O tanque Rios Grandes recebeu novos habitantes e um pintado de 1,30 metro se destaca entre os novos moradores. 

Adriano, nome de batismo em homenagem a seu doador, tem cerca de 30 quilos e chegou ao maior complexo de água doce do mundo acompanhado de mais um pintado, duas cacharas e um dourado de 80 centímetros – espécies nobres da bacia do Rio Paraguai.

Conhecido como tanque dos gigantes, o espaço já se destacava pela presença de três pirarucus, animal que pode atingir os três metros e pesar entre 100 e 200 quilos, a jaú Maria Fernanda, com mais de 20 quilos, e um pintado.

De acordo com o biólogo e curador do bioparque, Heriberto Gimenez Júnior, as espécies desse tanque têm comportamento territorialista, ficaram em quarentena por um período e foram soltos na nova morada respeitando o tamanho de cada um, primeiro os maiores. 

Governador Reinaldo Azambuja: "Mais um bom motivo para você visitar o bioparque"

Universo ambiental

Ainda segundo o profissional, o ponto turístico já está com 90% da capacidade total de peixes. “Acreditamos que até o final deste ano chegaremos em 100%”.

Para a diretora do complexo, Maria Fernanda Balestieri, a chegada dos novos exemplares é um atrativo a mais para os visitantes, não são só no que diz respeito a contemplação, mas na informação ambiental envolvendo a preservação das espécies. 

“Destacamos o pilar conservação para todos os públicos, buscando conscientizá-los sobre a importância de cada animal na natureza e de que forma podemos contribuir para que a biodiversidade seja mantida”, disse.

O habitat dos gigantes no bioparque representa rios profundos e mais volumosos com uma variedade de ambientes capazes de abrigar espécies de grande porte.

Respeitar a piracema

O Bioparque Pantanal destaca também o período da piracema (período de reprodução da ictiofauna) e a importância de respeitar a paralisação da pesca nos rios. O defeso teve início no dia 5 de novebro e segue até 28 de fevereiro de 2023, em Mato Grosso do Sul.

 

Biólogo e curador do Bioparque Pantanal, Heriberto Gimenêz Júnior explica que esse é um momento em que os peixes ficam mais vulneráveis à captura. 

“A piracema consiste na subida dos peixes para a reprodução, muitas espécies podem se deslocar mais de dois mil quilômetros acima dos rios para poder desovar”, diz o profissional.

Segundo ele, nesse período os animais passam por uma série de transformações hormonais, onde as fêmeas, durante a subida, e os machos produzem os seus gametas para conseguir consolidar a reprodução.

“Peixes de pequeno e grande porte sobem os rios em diferentes direções, rumo as nascentes para conseguir finalizar o ciclo através da desova. Por esse motivo a pesca atrapalha a subida, acarretando na captura de matrizes que serão fundamentais para a reposição dos animais no ano seguinte”, enfatiza Heriberto.

Para a diretora-geral do bioparque, Maria Fernanda Balestieri, respeitar o período de defeso é um “comprometimento com a manutenção das espécies e a conservação ambiental, um dos pilares do complexo”.

Saiba mais: bioparquepantanal

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Nos dias de hoje, o pantaneiro é um ser que hesita entre o apego às tradições do passado e o apelo às inovações do mundo presente

Albana Xavier Nogueira, professora e escritora

Vídeos

Conheça a Reserva da Biosfera do Pantanal

Mais Vídeos

Eco Debate

MÔNICA SCHIMENES

COP 27: mais do que promessas, precisamos de ações

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pao, pão e pon sotaques do rio acima e rio abaixo

MARK DIKSON

COP27 reconhece o valor do trabalho híbrido para o futuro do planeta