sexta, 29 de setembro de 2023
VERDE E PRÓSPERO

PANTANAL GANHA 1º PROJETO COM CERTIFICAÇÃO DE CARBONO NEUTRO

30 MAI 2023 - 18h10Por REDAÇÃO

Estado verde, sustentável e próspero. Com este lema o Governo de Mato Grosso do Sul se torna pioneiro ao ser parceiro do primeiro projeto com certificação de crédito de carbono no Pantanal. O lançamento do "REDD+ Serra do Amolar" ocorreu nesta terça-feira (30), em Corumbá.

A parceria é com o IHP (Instituto Homem Pantaneiro), com apoio do Programa Conexão Jaguar. O Governo do Estado realiza suas ações por meio da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) e Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). O projeto prevê a conservação do meio ambiente e proteção da biodiversidade do Pantanal.

O governador Eduardo Riedel participou da solenidade, que ocorreu na sede do IHP. "É uma iniciativa inédita no Estado e no Pantanal. Um mecanismo chamado REDD+ que recebe crédito por desmatamento evitado. É uma iniciativa muito importante e pioneira porque mostra que o Pantanal tem potencial ambiental econômico. Acredito muito nessa linha porque isso gera resultados e contribui para preservação do bioma".

Governdor Eduardo Riedel: "Pantanal tem potencial ambiental e econômico". Foto: Saul Schramm

Área protegida

Riedel disse que o projeto é um orgulho para todo Estado. "Não deixaria em hipótese alguma de participar deste ato, que é simbólico. Mato Grosso do Sul se propõe a ser um Estado verde, próspero, inclusivo e digital. Assim temos a meta ousada de chegar a 2030 neutralizando as nossas emissões. Nosso objetivo é que todas as atividades públicas e privadas contribuam neste sentido".

O secretário da Semadesc, Jaime Verruck, explicou que as ações nesta área de 135 mil hectares, que fazem parte do projeto, são de desmatamento evitado.

"Assim gera um crédito de carbono. Este pode ser vendido a empresas que emitem carbono e precisam comprar para neutralizar suas emissões. Este recurso será usado pelo instituto para reforçar ainda mais o cuidado e preservação do bioma. Esperamos levar este modelo para outras instituições".

A área protegida com o apoio do Programa é de mais de 135 mil hectares, está localizada no município de Corumbá (MS), forma um corredor de biodiversidade para a onça-pintada e outras dezenas de espécies animais e equivale a cerca de 200 mil campos de futebol, compondo assim o primeiro projeto REDD+ com emissão de créditos de carbono no Pantanal.

Serra do Amolar é um dos principais habitat da onça-pintada. Foto: André Sumak

A gestão da área protegida é realizada pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP), responsável pela execução do projeto. O presidente do IHP, Coronel Ângelo Rabelo, destacou que a presença do governador neste evento é um marco na história.

"Estamos escrevendo um dos capítulos mais importantes da preservação do Pantanal. Este é um trabalho árduo de quatro anos, que agora estamos colhendo os frutos. Estamos dando um passo para o futuro".

Certificação

O projeto REDD+ Serra do Amolar certifica créditos de carbono relativos as ações para evitar o desmatamento e degradação do Pantanal, com um modelo de conservação ambiental que conta com atividades de redução de emissão de gases causadores do efeito estufa e ainda promove ações de proteção da biodiversidade, em especial a onça-pintada.

Estas atividades desenvolvidas geram créditos comercializáveis no mercado voluntário de carbono, mostrando que o desenvolvimento sustentável no Pantanal pode gerar fontes de renda, junto a sua proteção e cuidado com o meio ambiente.

A certificação do projeto foi concedida pela Verra, que é uma organização sem fins lucrativos que opera padrões nos mercados ambientais e sociais, incluindo o principal programa de crédito de carbono do mundo, o Programa VCS (Verified Carbon Standard).

A iniciativa é a primeira no mundo em área úmida e faz parte da política estadual promovida em Mato Grosso do Sul que é tornar o Estado "carbono neutro" até 2030.
Para se chegar a este reconhecimento deve-se comprovar: 1º) que o desmatamento deixou de acontecer; e 2º) o compromisso com o cuidado com a biodiversidade.

Rita de Cássia Guimarães Mesquita, secretária nacional do Meio Ambiente, parabenizou a iniciativa realizada em Mato Grosso do Sul. "Estou na região dos pioneiros, que abre caminhos novos. Este projeto traz esta dimensão e um legado para as próximas gerações".

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Campo Grande leva suas potencialidades para a Abav

REDAÇÃO

Vídeos

Conheça o Brasil, voando!

Mais Vídeos

Eco Debate

DAVID LESLIE BENVENISTE

O novo agente de viagens da Inteligência Artificial

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Crédito de Carbono, apocalipse ou oportunidade no Pantanal?

THIAGO AKIRA

Sustentabilidade, a nova fronteira do marketing no turismo