sábado, 28 de março de 2020
OBSERVAÇÃO

Onça em árvores contribui para turismo na Amazônia

12 JUL 2017 - 21h05Por Redação/Vandré Fonseca/OEco

Um grupo restrito de nove turistas esteve este ano na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, na Amazônia, para observar onças-pintadas de jeito diferente de qualquer outro lugar. Cada um deles desembolsou R$ 10 mil reais, para passar quatro dias na pousada Uakari e flagrar período em que o chão é coberto por água e os felinos vivem em árvores.

A interação entre humanos e os animais durante a observação em trilhas na reserva, situada no município de Tefé, inclui também outros animais e aves. É possível contemplar outras espécies amazônicas, como primatas, pirarucus, botos cor-de-rosa, tucuxis, jacarés-açu e preguiças. . Estudo mostra que espécies convivem harmoniosamente com visitantes e o projeto alia pesquisa e turismo.

Entre maio e junho, ocorre o auge da cheia em Mamirauá. Nos igapós, parte do tronco e a copa das árvores permanecem acima do nível da água, que forma um imenso e contínuo espelho. Enquanto muitos animais fogem para a terra firme, as onças permanecem por ali.

“É um comportamento inusitado”, afirma o biólogo Emiliano Esterci Ramalho, coordenador de Monitoramento do Instituto de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá (ISDM). “Um felino deste tamanho precisa de muito alimento e uma área grande para sobreviver”, completa.

O dinheiro da observação de onças é revertido parte para a comunidade e parte para pesquisas. A atividade turística ocorre antes da alta temporada, que vai de junho a agosto.

Fora os pacotes de observação de felinos, a pousada Uakari recebe até 100 pessoas por mês. Mas este ano a procura está baixa, apenas 70% de ocupação. O preço, cerca de R$ 2,5 mil para um pacote de quatro noites, a partir da cidade de Tefé (AM).

A observação

Onça subir em árvores não é novidade. Mas passar tanto tempo lá em cima, é. Ramalho explica que, em Mamirauá, as onças conseguem se adaptar devido a abundância de presas, mesmo durante a cheia, e preservação da área.

Turistas não se intimidam com a presença da felina

A flexibilidade de adaptação da onça também é importante, pois consegue viver, caçar e se alimentar sobre os galhos. E claro, as onças são excelentes nadadoras. Há registros em Mamirauá de um animal que chegou a nadar três quilômetros em uma única noite.

“Quando vi que passavam muito tempo em árvores, que eram visíveis, eu busquei o turismo para criar a observação de onças”, conta Ramalho.

São apenas três semanas de observação de onças por ano. Para cada pacote, são quatro vagas (mas há possibilidade de aumentar para seis vagas). O período escolhido é o clímax da cheia, quando existe a maior possibilidade de ver os animais, com mais segurança.

“Na árvore, estão com mobilidade reduzida, não se sentem ameaçadas e a gente não faz barulho andando de canoa”, afirma Ramalho, “Por isso, a observação funciona”.

Uso e interação

As pesquisas de fauna do Instituto, conforme ressalta Ramalho, são voltadas para a interação e uso da comunidade. No caso das onças, os pesquisadores ainda buscavam compreender a ecologia da espécie no ambiente da várzea. Mas o turismo, além de levar benefícios para comunidades, pode contribuir também para proteger o animal, aumentando a tolerância das pessoas à espécie.

Em Mamirauá, há conflitos entre os felinos e a população humana. As causas são diversas: retaliação por ataque a animais domésticos, medo de ataque a crianças ou famílias, comer a carne ou até mesmo um pouco de ação.

Legenda da Foto

Portanto, segundo Ramalho, são necessárias estratégias diferentes para proteger o animal. Com turistas pagando caro, um preço maior do que o pacote convencional, a expectativa é que a onça passe a ser vista também como um animal benéfico. Com base em entrevistas com comunitários, estima-se que 70 onças são abatidas por ano em Mamirauá.

Sinais de rádio

Não é um caminho fácil, como conta o auxiliar de pesquisas Valciney Martins de Oliveira, o Sarney, criado na comunidade de Boca do Mamirauá, berço da Reserva de Desenvolvimento Sustentável. Onças dão medo às comunidades.

“Hoje, com a experiência de pesquisa que acompanho desde pequeno, vejo diferente, mas muita gente do interior tem medo, porque acredita que é um animal feroz, que pode fazer mal para crianças e para a família”, afirma. “É muito difícil para uma pessoa que mora lá acreditar que a onça não é tão feroz quanto pensam”.

Mas para turistas, onças são uma atração. Até agora, em três anos de programa, nenhum saiu frustrado por não ter encontrado o animal. E não é apenas sorte. Turismo e pesquisa navegam juntos em Mamirauá. Os visitantes são guiados por um especialista, que monitora os sinais de rádio enviados por colares colocados nos animais.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores