sexta, 24 de maio de 2024
PESQUISA

Nove em cada dez empresários vão ampliar investimentos

10 JUN 2017 - 18h51Por Redação

Pesquisa do Ministério do Turismo com as 80 maiores empresas do setor aponta um crescimento médio de 6,2% no faturamento, com destaque para as locadoras de automóveis, que devem faturar 23,8% a mais que em 2016.

O mercado de turismo está otimista com os resultados que serão alcançados em 2017. É o que mostra a Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo (PACET) encomendada pelo Ministério do Turismo à Fundação Getulio Vargas. Quase 90% dos entrevistados informaram que farão aportes para investimento em seus negócios.

Destaque para os segmentos de transporte aéreo, locadoras de automóveis e operadoras de turismo onde 100% dos entrevistados afirmaram que realizarão investimentos. A expectativa também é elevada nas áreas de meios de hospedagem (94%), promotora de feiras (82%) e agência de viagens (82%).
Em potencial

Para 81% do mercado pesquisado, a expectativa é de crescimento, amparado pela perspectiva de retomada do crescimento econômico e aumento no número de brasileiros viajando pelo Brasil. Ainda segundo o estudo, 14% dos entrevistados acreditam na estabilidade e apenas 5% na redução do mercado. A pesquisa ouviu representantes das 80 maiores empresas de turismo do país.

Cenário

“Os resultados comprovam que o turismo é uma atividade com grande potencial para colaborar com a melhoria do cenário econômico do país nesse momento delicado. No Ministério do Turismo, estamos trabalhando arduamente para proporcionar o melhor ambiente de negócios para a atração de investimentos no setor”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Recentemente, o MTur lançou o Brasil + Turismo, um pacote com medidas para desburocratização do setor e geração de emprego e renda através do turismo.

Crescimento

O percentual médio de investimento em relação ao faturamento é de 6,2%. Destaque para as locadoras de automóveis (23,8%), seguido de organizadoras de eventos (8,7%) e meios de hospedagem (8,2%). Em relação a perspectiva de faturamento consolidado, ele deverá ficar na ordem de 7,4%. O cenário mais positivo é identificado nas operadoras de turismo (14,5%), locadora de automóveis (12,8%) e agências de viagem (11,5%).

Aprendizado

Em um cenário de altas taxas de desemprego, a boa notícia é que o mercado de trabalho deverá apresentar um leve crescimento de 0,2% com alta nos segmentos de organizadora de eventos (4,7%), agências de viagens (2,3%) e transporte aéreo (1%). Dentro desse cenário, o Ministério do Turismo acaba de lançar a plataforma tecnológica de aprendizado à distância “Brasil Braços Abertos”, com oferta de 80 horas de aulas online.

As inscrições para 2017 já estão abertas e poderão ser feitas até 30 de setembro. O aluno poderá realizar o curso por meio de celular, tablet ou notebook e contará com videoaulas e jogos educativos. Os interessados podem acessar a plataforma pelo endereço brasilbracosabertos.turismo.gov.br. As aulas podem ser iniciadas logo após a inscrição e devem ser concluídas até o dia 30 de dezembro.
Resultados

No ano passado, os segmentos pesquisados registram um pequeno crescimento de 0,3%. Os melhores resultados de faturamento foram observados nas empresas organizadoras de eventos (18,6%), locadora de automóveis (6,2%), meios de hospedagem (5,1%). Em relação ao quadro de pessoal foi registrada uma queda de 5,9%. As maiores reduções foram observadas nas agências de viagens (17,8%) e operadoras de turismo (11,2%).

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender