sexta, 19 de julho de 2024
RIOS

Níveis da Bacia do Paraguai abaixo da média histórica

09 JUL 2024 - 08h27Por REDAÇÃO

O nível dos rios da bacia do Paraguai está abaixo da média histórica e vem caindo rapidamente em alguns pontos nos últimos dias, como efeito da escassez de chuvas que afeta, sobretudo, a região pantaneira. O principal rio da bacia, o Paraguai, pode ter sua navegabilidade comprometida se as águas continuarem baixando. Outros rios, como o Miranda e o Aquidauana – também já sentem o efeito da estiagem prolongada, situação agravada pelo assoreamento.

“Todas as estações, com exceção de Coxim, estão bem abaixo das médias históricas. A única estação que está dentro da média histórica, a de Coxim (rio Taquari), nós acreditamos que seja por conta da sedimentação do rio”, afirmou a analista de Recursos Hídricos Kharlla Yamaciro Thays Fernandes, que trabalha na Sala de Situação em que é feito o monitoramento dos rios do Estado, instalada no Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul).

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), Jaime Verruck diz que o governo acompanha de perto a situação, que é preocupante, sobretudo quanto ao risco de desabastecimento de comunidades da região. Além disso a crise hídrica também afeta as exportações pela hidrovia como da soja e minério e ferro. 

“O governo está atento e se preocupa tanto com a situação das comunidades da região que podem ter risco de abastecimento, como da economia, como pela falta de navegabilidade e impedimento para escoamento de produtos, tanto para a população quanto para exportação”, salientou.


Piores níveis

As estações Pousada Taiamã (rio Piquiri), São Francisco, Ladário, Porto Esperança, Porto Murtinho (rio Paraguai) e Miranda (rio Miranda) já estão com valores de estiagem. A estação Estrada-MT (rios Aquidauana/Miranda) deve entrar nesse final de semana, o valor, nessa sexta-feira (5), foi de 99 centímetros e o limite de estiagem é de 96cm. 

“Em destaque, também, Porto Esperança, que está com 11 centímetros e o nível de estiagem é 35cm. Deve entrar no negativo daqui a cinco ou seis dias. O nível do rio nesse local tem descido dois centímetros por dia”, disse Fernandes.

Os piores níveis do rio Paraguai nessa sexta-feira foram registrados na estação de Porto Esperança – naquele ponto está com apenas 3% em relação à média histórica; Ladário, que também apresenta situação muito ruim, com 22% do esperado; e Porto Murtinho, com 37%. O rio Miranda, em Miranda, apresenta apenas 38% do volume de água esperado para o período.

A decisão sobre navegabilidade da Hidrovia do Paraguai é da Marinha do Brasil e por enquanto as operações estão mantidas, com algumas recomendações de cuidados em relação às fumaças causadas pelos incêndios e “passos críticos” no trecho entre Corumbá e Cáceres (MT).

Desde o dia 13 de maio a região hidrográfica do Paraguai está em Situação Crítica de Escassez Quantitativa dos Recursos Hídricos, declarada pela ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico) e que deve se estender até 31 de outubro, podendo ser prorrogada, caso o problema persista. 

A ANA pondera que a falta de chuvas pode resultar em impactos aos usos da água, sobretudo em captações para abastecimento humano – especialmente em Cuiabá (MT) e Corumbá (MS), além de dificultar e até inviabilizar a navegação, reduzir o potencial do aproveitamento hidrelétrico a fio d’água e comprometer atividades de pesca, turismo e lazer.

Leia Também

Relatos de viagem

Gabi viveu o deserto e o céu mais estrelado do mundo

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Leio na mídia: "Bugio expressa ternura ao ver a irmã com o sobrinho no Pantanal..." É muita masturbação.

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

MARCO MORAES

Não confunda sustentabilidade com ideologia

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Fogo Classe P de Pantanal

HEITOR RODRIGUES FREIRE

Um Caminho