quarta, 01 de fevereiro de 2023
FISCALIZA

MT apreendeu 2 toneladas de pescado no primeiro semestre

10 JUL 2017 - 07h10Por Fernanda Nazário/Portal Mato Grosso

As equipes de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), em parceria com o Batalhão de Polícia Militar Ambiental, apreenderam 2,4 toneladas de pescado irregular em Mato Grosso. O valor de multas supera R$ 671 mil, número 47% maior que a quantidade aplicada em todo o ano de 2016, que chegou a R$ 456 mil, conforme dados preliminares de janeiro a junho deste ano. Os peixes apreendidos foram doados para instituições filantrópicas. 

O relatório da fiscalização mostra que foram abordadas e orientadas 5.608 pessoas nesse período, com a vistoria de 2.008 veículos e 217 embarcações, o que resultou em 56 termos de apreensão e 25 autos de infração envolvendo diferentes apetrechos proibidos, como redes (29) e tarrafas (16). Também foram apreendidos quatro barcos, três motores, uma moto, 14 veículos, 13 varas de pesca e 11 molinetes. 

Segundo o superintendente de Fiscalização da Sema, major da PM Gibson Almeida, a maioria das apreensões provenientes de pesca depredatória aconteceu durante abordagens de rotina. “Temos equipes que realizam semanalmente ações em combate à pesca ilegal e a outros tipos de crimes ambientais”. 

Embora esteja fora do período de defeso da piracema, o major lembra que a Lei Estadual nº 9.096/2009 impõe regras aos pescadores, como a proibição de determinados apetrechos de pesca. Além disso, exige-se a licença para pescar (carteirinha de amador ou profissional). O pescador pode capturar e transportar até 5 kg e um exemplar, independente de peso. Já os pescadores profissionais têm o limite de 125 kg de pescado por semana.

 Balanço 2016 

Durante todo o ano de 2016 foram apreendidas 3,6 toneladas de pescado irregular no Estado. O valor das multas aplicadas ultrapassa R$ R$ 456 mil. Os municípios com mais apreensões foram Poconé, Santo Antônio do Leverger e Juara que totalizaram 64,1% desse total, por práticas como a falta de documentação adequada, pesca de exemplares fora da medida e uso de instrumentos proibidos.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Quando morre um rio, morremos todos, pois somos parte da humanidade que necessita do ambiente equilibrado

Gilberto Mendes Sobrinho, juiz federal de MS, ao determinar a recuperação do Rio Taquari, em 2013

Vídeos

Parque Ecológico Rio Formoso

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Cerimônia de formatura no Pantanal

JOÃO GUILHERME SABINO OMETTO

Do discurso da COP 27 à prática do agro brasileiro

LARISSA LANDETE

Comunicar sustentabilidade precisa ser uma jornada