segunda, 25 de janeiro de 2021
COTA ZERO

Mato Grosso debate proibição da pesca por cinco anos

24 NOV 2019 - 21h35Por PORTAL DE MATO GROSSO

O setor turístico de Mato Grosso esteve reunido para o 1º Workshop do Turismo de Pesca Esportiva em Mato Grosso, em Cuiabá. O evento buscou debater o panorama da pesca esportiva no Estado e iniciar uma melhor organização do setor, com o propósito de também adotar a cota zero, seguindo medida adotada em Mato Grosso do Sul. 

A continuidade da atividade preocupa o Governo de Mato Grosso. “Há uma migração da pesca depredatória para a pesca esportiva e isso é bom. Mas atualmente estamos perdendo turistas deste nicho porque começa a ter falta de pescado, por isso é tão importante debatermos a lei da pesca”, informou Jefferson Moreno, secretário adjunto de Turismo de Mato Grosso.

O presidente da Federação de Pesca Esportiva e Turismo Sustentável em Mato Grosso (Fepestur), Tarso Ricardo Lopes, concorda com a legislação que está sendo debatida na Assembleia Legislativa e prevê a proibição da pesca por cinco anos. “Somos favoráveis porque é preciso recuperar os rios e o pescado. Se não tiver peixe, não tem turista para pesca esportiva”, afirmou.

Lopes contou que a federação reúne empresários de pousadas, barcos hotéis e restaurantes especialmente da região do Pantanal que investem na pesca esportiva. “Nós vivemos o Pantanal e sabemos os problemas que atingem o bioma. Temos uma preocupação muito grande com a falta de pescado e também com o lixo, que está acabando com os rios”, frisou.

Há poucos números sobre o turismo de pesca esportiva no País e em Mato Grosso. Segundo a Seadtur, o Estado recebe cerca de 80 mil pessoas por ano com a carteira nacional de pescador e cerca de 10 mil com a carteira estadual, expedida pela Seretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

“Este evento foi o pontapé inicial para traçarmos o perfil do turista de pesca e impacto sócio econômico trazido por esse segmento para Mato Grosso”, reforçou o secretário adjunto Jefferson Moreno.

O secretário executivo de Meio Ambiente da Sema, Alex Marega, afirmou que a pesca esportiva causa menos danos que a depredatória. “Causa algum dano, mas não acaba com o recurso pesqueiro e é mínimo em relação à grande quantidade de peixes que se renovam no estoque quando há uma restrição de retirada”, explicou.

Ele disse ainda que atualmente a pesca não é proibida em Mato Grosso, mas que as pessoas que querem exercer esta atividade precisam se cadastrar e há uma cota específica para profissionais e amadores, além de fiscalização. 

 

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Barco-hotel Vip: pesca no Pantanal

Mais Vídeos

Eco Debate

ORLANDO DE SOUZA

A real paz de que o Turismo precisa

CAIO PENIDO

Os Serviços Ambientais e o Pacto AgroAmbiental

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pertencimento é pertencer ao Pantanal!