sexta, 24 de maio de 2024
TURISMO

Marx Beltrão visita Corumbá e garante investimentos

12 AGO 2017 - 09h15Por Redação

Localizada no coração do Pantanal, a histórica cidade de Corumbá (MS) é um dos principais destinos brasileiros de natureza e aventura e foi palco da discussão do fortalecimento da atividade na região com autoridades locais e segmentos do turismo regional. O ministro do Turismo, Marx Beltrão, e o diretor-presidente da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur), Bruno Wendling, participaram do debate durante o seminário “Turismo no Pantanal – Perspectivas de Desenvolvimento”.

Segundo Wendling, o Estado tem desenvolvido ações de fomento do turismo e a parceria do ministério é de grande importância. “Estamos em consonância com o Ministério do Turismo para o desenvolvimento do setor em Mato Grosso do Sul. Um dos comprometimentos do ministro Marx foi de impulsionar nacional e internacionalmente a nova campanha de marketing de promoção dos nossos destinos”, disse.

Verba para o terminal portuário

A Fundtur, segundo ele, vai lançar essa campanha durante a feira ABAV 2017, em setembro. Além disso, apoiará o município pantaneiro na elaboração da ‘Carta de Corumbá’, com demandas do turismo da região e que será entregue ao ministro em Brasília. Além disso, o secretário Jaime Verruck, da Semagro, entregou a Beltrão um documento com os projetos que a Fundtur já havia solicitado ao MTur, para que sejam priorizados.

Entre os assuntos discutidos com o ministro estava a importância da conectividade aérea para atrair mais visitantes brasileiros e estrangeiros, além das melhorias no porto fluvial para o incremento da pesca esportiva. Também participaram do seminário o prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira, a diretora-executiva da Fundação de Turismo do Pantanal, Marjú Venturini.

“Não basta a existência do porto, ele precisa estar preparado para receber bem o visitante e a construção de terminal de embarque e desembarque, será fundamental para dar mais conforto para os turistas dos cruzeiros fluviais e de pesca esportiva”, reconheceu o ministro. A obra do terminal de passageiros do Porto de Corumbá terá verba dos governos federal e estadual, totalizando R$ 3,5 milhões.

Ministro do Turismo, acompanhado do prefeito Ruiter Cunha, e do presidente do Fundtur, visitou o Cristo Redentor do Pantanal. Foto: Renê Márcio Carneiro

Investimentos federais em MS

O ministro do Turismo destacou, ainda, a vocação natural da região para o ecoturismo e os investimentos da Pasta em infraestrutura para alavancar a atividade com a geração de empregos e renda no Pantanal. Marx Beltrão ressaltou que já foram contratados cerca de R$ 70 milhões em projetos e obras com o governo do Mato Grosso do Sul e em torno de R$ 60 milhões em convênios diretamente com os municípios.

“O Mato Grosso do Sul é de grande importância para o turismo brasileiro e estamos dando total apoio ao estado e municípios para o crescimento do turismo deste grande destino”, afirmou. “O papel do ministério é trabalhar para que o turismo seja visto, de fato, como uma plataforma para a geração de empregos, de renda e de oportunidades para todos”, concluiu Marx Beltrão.

Além do seminário, realizado no Centro de Convenções do Pantanal, o ministro conheceu o centro histórico de Corumbá e um dos barcos hotéis que navegam pelo rio Paraguai para roteiros de pesca esportiva e cruzeiros. A embarcação já tem reservas confirmadas até 2019 e é um exemplo da importância da pesca esportiva para o desenvolvimento do turismo regional.

 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender