quarta, 01 de fevereiro de 2023
CORUMBÁ

Maior carnaval de MS quer reconquistar a cidade e o turista

27 JAN 2020 - 10h06Por SÍLVIO DE ANDRADE

A queda de público e a pouca animação nas arquibancadas, no ano passado, acendeu o alerta no maior carnaval de rua de Mato Grosso do Sul. As escolas de samba se distanciaram de suas comunidades e a programação dos desfiles de blocos sujos, a cargo da prefeitura de Corumbá, tem sido marcada por atrasos e intervalos que criam um “vazio” sustentado por som mecânico. A irreverência não pode ser traduzida como desrespeito ao cidadão.

A proposta de valorizar os antigos carnavais, na última noite, também não motiva o corumbaense e os poucos turistas que ainda estão na cidade. O desfile dos cordões, do corso (desfile de carros antigos), alas das pastoras e blocos de palhaços e dos marinheiros nos remete ao carnaval romanesco, porém falta um algo mais. Este ano, a programação anunciada pela prefeitura prevê um show nacional, ainda não definido, após o desfile cultural.

O afastamento da população local dos desfiles ficou latente em 2019, quando observou-se uma certa apatia nas arquibancadas - onde a rivalidade entre as escolas de samba se manifestava com o público cantando seus sambas-enredos. O evento vem se tornando cansativo e monótono quando a descida do Bloco Cibalena, que atrai mais 30 mil foliões, atrasa três horas. E, nesse intervalo, o som do palco principal toca ritmos sertanejos...

Intervalos longos na programação, a espera dos blocos sujos, faz publico invadir a pista dos desfiles

Criando um clima

O desinteresse momentâneo do corumbaense, amante do samba, e as falhas na programação oficial, no entanto, se opõe à evolução das escolas de samba - dos barracões à passarela. E são estas entidades que buscam sacudir a cidade para restaurar a alegria do povo, promovendo aos domingos o “Esquenta Corumbá”, no porto-geral. O pré-carnaval é uma iniciativa da Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba), com o apoio da prefeitura.

Público mal acomodado: investir em sambódromo

 “É preciso fomentar a participação da cidade, que se distanciou”, afirma o presidente da Liesco, carnavalesco Zezinho Martinez. Ele cobra das escolas de samba um maior envolvimento de suas comunidades e considera o “Esquenta” um recomeço. “Eventos motivadores como esse serão essenciais para o sucesso do carnaval, trazendo a alegria ao povo, em especial a classe baixa, que faz o carnaval e está desmotivada por várias razões, uma delas a falta de grana.”

A Liesco decidiu realizar dois ensaios técnicos – antes era apenas num -, onde a organização do carnaval afere o sistema digitalizado de som e as escolas de samba marcam o compasso de seus desfiles. O evento, realizado na Avenida General Rondon – circuito do carnaval de rua – será usado como um chamariz, conclamando o corumbaense para entrar no clima. A prefeitura também está promovendo roda de samba no porto-geral, aos sábados.

Vila Mamona na passarela com seus passistas e super bateria: escola já empolgou mais as arquibancadas

“Estas ações serão fundamentais para melhorar o humor do povo, que está reclamando da crise financeira e precisa ser motivado para voltar ao samba e fazer parte do espetáculo, que é o nosso desfile das escolas de samba”, aponta Martinez, há dez anos à frente da Liesco. “A alegria do corumbaense pelo carnaval é quando ele pega a fantasia de sua escola de coração e a melhora pregando mais um paetê. Precisamos dessa alegria para elevar o nosso desfile.”

Sem apoio privado

Zezinho Martinez: é hora de sacudir o povão

O carnaval de rua de Corumbá, considerado o mais animado do interior do Brasil, é sustentado quase que 100% pelo poder público. Este ano, a prefeitura local liberou R$ 660 mil para as nove escolas de samba, dinheiro usado na confecção de fantasias e carros alegóricos, e mais R$ 240 para os blocos e cordões. O Governo do Estado garantiu mais R$ 400 mil. O investimento total chega a R$ 3,5 milhões, incluindo infraestrutura e shows nacionais

“Continuamos esperando o apoio do empresariado, que só usufrui do nosso carnaval e do investimento público, com a lotação da rede hoteleira e movimento da economia da cidade”, cobra Zezinho Martinez, da Liesco. “Temos grandes empresas, inclusive nacionais, que poderiam adotar as escolas de samba. Isso seria extremamente positivo, elevaria nosso nível técnico e o espetáculo, atraindo mais turistas. Todos ganhariam, com certeza.”

Carnaval corumbaense atrai turistas e movimenta a economia local, mas ainda depende do poder público

O carnaval na cidade começou no dia 25 de janeiro. O desfile das escolas de samba será realizado nos dias 23 (domingo) e 24 (segunda-feira) de fevereiro. No primeiro dia, saem na avenida, pela ordem, Unidos da Major Gama, Nova Corumbá, Acadêmicos do Pantanal e Unidos da Vila Mamona: no segundo dia, Imperatriz Corumbaense, Marquês de Sapucaí, A Pesada (campeã em 2019), Estação Primeira do Pantanal e Império do Morro.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Quando morre um rio, morremos todos, pois somos parte da humanidade que necessita do ambiente equilibrado

Gilberto Mendes Sobrinho, juiz federal de MS, ao determinar a recuperação do Rio Taquari, em 2013

Vídeos

Parque Ecológico Rio Formoso

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Cerimônia de formatura no Pantanal

JOÃO GUILHERME SABINO OMETTO

Do discurso da COP 27 à prática do agro brasileiro

LARISSA LANDETE

Comunicar sustentabilidade precisa ser uma jornada