sexta, 24 de maio de 2024
NEGÓCIOS

Espaço público, Rubens Gil sedia 200 eventos ao ano

20 OUT 2017 - 18h05Por Sílvio Andrade/redação

Desde sua inauguração, o Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo, situadono Parque dos Poderes, em Campo Grande, recebeu inúmeros eventos de negócios, shows, espetáculos, congressos, simpósios e palestras com especialistas de renome nacional e internacional.

Há 23 anos, um importante equipamento para a indústria do turismo e consequentemente para o crescimento da economia, sediando, anualmente, cerca de 200 eventos. O espaço contribuiu para que Mato Grosso do Sul tornasse um centro de negócios e eventos, tornando a Capital um dos principais polos de captação.

Criado em 24 de maio de 1.994 (decreto nº7.804), o Centro de Convenções é administrado pela Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur), órgão oficial do turismo do Estado vinculado à secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Está localizado em uma das maiores reservas ecológica e urbana do Centro-Oeste, o complexo do Parque dos Poderes. Num mosaico de belezas naturais, onde estão reunidos o Executivo, Legislativo e Judiciário de Mato Grosso do Sul, convida os visitantes a contemplar as cores e as belezas do lugar.

Estrutura

O espaço é dotado de quatro auditórios, com capacidade total de 1.485 lugares, uma área de 1.726 m² para exposições, eventos e feiras, além de restaurante, lanchonete, sala VIP, sala de imprensa e ambulatório para emergências médicas. Possui infraestrutura adequada para a realização de convenções, congressos, shows, palestras, treinamentos e apresentações culturais.

O auditório principal, Manoel de Barros, com capacidade para 1.045 lugares, é na verdade um anfiteatro dotado de poltronas anatômicas, palco de 23 metros com dois acessos laterais e com 12 metros de profundidade, vara de iluminação fixa, telão para projeção, quatro cabines para tradução simultânea, sala de aquecimento, seis camarins, sendo quatro individuais.

O Centro de Convenções conta ainda com outros três auditórios independentes, com capacidade para realização de eventos diferentes simultaneamente ou interconectados através de transmissão simultânea por telão, sendo eles: Auditório Germano Barros de Souza, com 196 lugares; Auditório Pedro de Medeiros, com 135 lugares e Auditório Tertuliano Amarilha, com 109 lugares.

Eventos e negócios

Mato Grosso do Sul é conhecido mundialmente por suas belezas naturais e os mais belos cartões postais do Brasil, impressiona brasileiros e estrangeiros por suas peculiaridades. Reconhecido pelo turismo de natureza e aventura, o Estado tem despontado no cenário nacional como um importante destino para turismo de eventos e negócios.

Sua localização geográfica contribui para seu desenvolvimento econômico, progresso produtivo e empreendedor. É vizinho de grandes centros produtores e consumidores do país, como Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Paraná e Mato Grosso, além das fronteiras com os países sul-americanos, a Bolívia e Paraguai. O que colabora para que Mato Grosso do Sul seja um importante centro de negócios e eventos.

De acordo com dados do Ministério do Turismo, o segmento de negócios é o segundo maior fator de atração de visitantes estrangeiros para o Brasil. Estima-se que aproximadamente 25,3% dos turistas que procuram o país são motivados por negócios. No país, esse segmento turístico é responsável por 4,3% do Produtor Interno Bruto (PIB).

Gira a economia

Em Campo Grande, o segmento também é o segundo maior fator de atração de visitantes, segundo dados do Observatório de Cultura e Turismo da secretaria municipal de Cultura e Turismo (Sectur).

Para a presidente do Campo Grande Destination – que tem por objetivo captar eventos e fomentar negócios para a cidade – Melissa Tamaciro, o trabalho voltado ao turismo de evento e negócios representa um fator de geração de renda não somente para o município em questão, mas para toda a região em que ele está inserido.

“De um lado temos esse turista impactando diretamente no crescimento econômico local e, do outro, inúmeras empresas de micro, pequeno e grande portes gerando emprego e renda de maneira mais distribuída e ramificada na cidade”, ressalta.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender