quinta, 15 de abril de 2021
LOGÍSTICA

Governo abre rota ecológica e tira o pantaneiro do isolamento

21 JUN 2017 - 23h03Por Redação

Os investimentos do Governo do Estado em infraestrutura, com a implantação, pavimentação e encascalhamento de estradas de acesso aos principais destinos de turismo e também aos centros de criação extensiva de gado no Pantanal, vão abrir uma rota rodoviária de pelo menos mil quilômetros e integrando dez municípios das regiões Norte, Oeste e Sul.
O governador Reinaldo Azambuja anunciou que em breve estará lançamento na cidade de Coxim a ligação da região com a ponte sobre o Rio Taquari, no Pantanal do Paiaguás, pela MS-214, e garantiu que outras frentes de serviços avançarão pela planície com a abertura de estradas já projetadas até a localidade conhecida por Curva do Leque, já em Corumbá, na MS-228.
“Vamos fazer a ligação da antiga transpantaneira, desde Coxim, Rio Verde e Rio Negro, chegando a Estrada Parque, em Corumbá. É um projeto ambicioso, que ligará todo o Pantanal das regiões do Paiaguás e da Nhecolândia, abrindo um novo caminho para o escoamento da produção e também para o turismo de contemplação e de aventura”, destacou o governador.

Longa ponte de madeira no Pantanal do Nabileque rompe isolamento

Rota estratégica
Para Reinaldo Azambuja, o governo cumpre seu papel de garantir o desenvolvimento do agronegócio e do turismo ao implantar novas alternativas logísticas, propiciando melhor acesso, principalmente em regiões isoladas como o Pantanal, mais produção com menor custo e fortalecer o turismo. “Com isso estaremos também gerando emprego e renda”, pontuou.
De acordo com o secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, o governador decidiu investir nesta malha rodoviária há muito projetada por acreditar que uma rota estratégica. “Os turistas poderão sair de Bonito, cruzar o Pantanal e chegar até Corumbá. O fácil acesso também irá beneficiar grandemente a comunidade e os produtos da região”, disse.
Na outra ponta, a Oeste do Estado, a rota ecológica em implantação começa na MS-450, a estrada de Palmeiras (Dois Irmãos do Buriti) e Piraputanga (Aquidauana), onde o governo já contratou a pavimentação de 22 quilômetros. Partindo deste trecho até a MS-184 (Curva do Leque, entroncamento com a MS-228, em Corumbá), são 626 quilômetros.
Ponte do Naitaca
O caminho contemplado pelo projeto contempla as rodovias MS-345 (Anastácio-Bonito), MS-382 (Baía das Garças, em Bonito, e Naitaca, Porto Murtinho) e MS-195 (Fazenda Jatobá), MS-325 (Carandazal), MS-184 (Estrada Parque/Curva do Leque) e MS-228 (Porto da Manga), estas já em Corumbá. O traçado beneficia outros destinos turísticos, como Bodoquena e Miranda.
A partir de Bonito, a Agesul implanta base primária nas MS-185 (Campo dos Índios), MS-458 e MS-382 (Baía das Garças), descendo a Serra da Bodoquena até o Rio Naitaca (Fazenda Firme), limite de Porto Murtinho com Corumbá, onde o governo reconstruiu a ponte de madeira de 120 metros. Esta ligação beneficia as fazendas de gado e as aldeias indígenas dos Kadiweus.
Do Naitaca, as obras rodoviárias chegam à MS-195, no Pantanal do Nabileque, onde foram encascalhados 92 km. O corredor segue por mais 85 km pelas MS-243, que tem um trecho de 29 km em execução, e a MS-325, em manutenção permanente pela Agesul, até a BR-262 (Buraco das Piranhas), onde se interliga à MS-184 e à MS-228.

Rota Ecológica começa em Palmeiras, entre Dois Irmãos a Aquidauana, passa por Bonito, chega à Estrada Parque e corta o Pantanal até Coxim. Foto Chico Ribeiro

Para o presidente do Sindicato Rural de Corumbá – maior município do Pantanal e segundo do País em rebanho bovino, com dois milhões de cabeças -, Luciano Leite, os investimentos do governo estadual na infraestrutura viária da região são vitais para garantir o escoamento da produção, na cheia e na seca. “O Reinaldo está tirando o Pantanal do isolamento”, comentou.
Novos roteiros
Enquanto as obras avançam e projetos técnicos estão sendo elaborados para contratação de novas frentes de serviços, a Agesul (Agência Estadual de Gestão e Empreendimentos) e a Fundação de Turismo de MS (Fundtur) realizam um levantamento das demandas do setor turístico para implantação do corredor, com sinalização específica e pontos de apoio.
A partir desta nova alternativa, a Fundtur vai trabalhar com o mercado para operacionalizar novos roteiros e serviços que poderão ser elaborados na interligação dos destinos. O presidente da fundação, Bruno Wendling, disse que o investimento do governo abre um novo leque de opções de atrativos, além de reduzir o tempo de deslocamento do turista.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Bonito Seguro - Pronto para te receber!

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa